Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Página 1 de 5 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Antony Salon em Seg Abr 16, 2012 11:03 pm

Crônica: Xadrez, os peões da guerra.
Gênero:Ação, Investigação, intriga e suspense.
Dias de postagens: Quartas e domingos.
Vagas: cinco (5)
Seitas: Camarilla e sabá.



Sinopse:
Introdução das Cidades

Los Angeles:Domínio Camarilla.

Los Angeles é a segunda maior cidade dos Estados Unidos. Com uma população de 3 792 621 habitantes segundo o censo de 2010 é a maior cidade do estado da Califórnia e do oeste dos Estados Unidos. Além disso, a cidade se estende por 1 302 km² no sul da Califórnia e é classificada como a 13ª maior área metropolitana do mundo, com 17,7 milhões de pessoas espalhadas por grande parte do litoral sul da Califórnia. A área metropolitana Los Angeles-Long Beach-Santa Ana abriga 12 828 837 habitantes. Los Angeles é também a sede do condado de Los Angeles, o mais populoso e um dos condados mais multiculturais dos Estados Unidos. Os habitantes da cidade são referidos como "Angelenos".
Los Angeles foi fundada em 4 de setembro de 1781, pelo governador espanhol Felipe de Neve como El Pueblo de Nuestra Señora la Reina de los Angeles del Río de Porciúncula (A Vila de Nossa Senhora, Rainha dos Anjos do Rio de Porciúncula). Tornou-se parte do México, em 1821, após sua independência da Espanha. Em 1848, no final da Guerra Mexicano-Americana, Los Angeles e o resto da Califórnia foram adquiridos como parte do Tratado de Guadalupe Hidalgo, tornando-se parte dos Estados Unidos, o México manteve o território de Baja California. Los Angeles foi incorporado como município em 4 de abril de 1850, cinco meses antes da Califórnia tornar-se um estado estadunidense.
Muitas vezes, conhecida por suas iniciais, "LA", e apelidada de "Cidade dos Anjos", Los Angeles é um centro mundial de negócios, comércio internacional, entretenimento, cultura, mídia, moda, ciência, tecnologia e educação. É o lar de instituições de renome cobrindo um vasto leque de campos profissionais e culturais e é um dos motores mais importantes da economia dos Estados Unidos. Em 2008, Los Angeles foi classificada a oitava cidade mais economicamente poderosa do mundo pela Forbes.com, e a terceira nos EUA, atrás apenas de Nova York e Chicago, fato pelo qual é considerada um dos maiores e mais importantes centros financeiros do mundo.
Como a sede de Hollywood, é conhecida como a "Capital Mundial do Entretenimento", a líder mundial na criação de filmes, produção de televisão, videogames e música gravada. A importância do setor de entretenimento para a cidade levou muitas celebridades à Los Angeles e seus subúrbios.



San Diego: Domínio Sabá.

San Diego é uma cidade localizada no estado americano da Califórnia, no Condado de San Diego. Situa-se às margens da baía do mesmo nome, no litoral do Oceano Pacífico. Montanhas cercam a região leste da cidade, sendo que além das montanhas existem áreas desérticas.
Segundo o censo nacional de 2010, a cidade possui uma população de 1 307 402 habitantes e densidade de 1 552,3 hab/km², com mais de 3 milhões de habitantes em sua região metropolitana, que aumenta para 4,3 milhões de habitantes, quando a região metropolitana de Tijuana, México é incluída. É a segunda cidade mais populosa da Califórnia, através apenas de Los Angeles. San Diego possui uma área de aproximadamente 964 km², dos quais 122 km² estão cobertos por água.
A diversificação económica de San Diego promoveu o seu rápido desenvolvimento, nomeadamente a partir dos anos 80 do século XX, altura em que a cidade sofreu uma revitalização, com alterações a nível da morfologia e da arquitectura, tendo a Horton Plaza sido ampliada e os seus edifícios restaurados. Em San Diego está concentrada a maior frota de pesca do Pacífico, sendo a cidade ainda considerada como um centro de comércio, industrial e agrícola do Sul da Califórnia. As principais indústrias são as de equipamentos aeroespaciais e electrónicos, de materiais de impressão, de maquinaria, de produtos metálicos, de mobiliário e de químicos. Nos arredores da cidade de San Diego existem instalações militares e uma base de treino naval que constituem uma contribuição importante para a economia da cidade.




Narrativa.


Proximidades do Templo de San Diego, 21 horas.


Os peões da guerra. (Crônica Oficial) 5359_SANDIEGOCA_hr


O carro cortava as ruas da cidade, não demorava muito ate que parar em frente a entrada principal do Templo, um dos edifícios mais belos da cidade, do carro descia um homem alto de pele morena trajando roupas finas trazendo junto de si uma belo mulher que também trajava belas roupas o casal adentrava o edifício e logo foram recebidos pela recepção do templo.
Recepcionista.
_Boa noite senhora, todos já chegaram e aguardam por vocês na sala de conferencia como a senhora pediu.

A mulher fazia apenas um sinal afirmativo com a cabeça e se conduzia a tal sala.
_Por aqui senhor Regente os primeiros preparativos já foram feito esperamos apenas a suas decisões .
O homem apenas confirmava com um leve movimento de cabeça.
Alguns andares a cima e já poderiam caminhar no corredor que leva a sala de conferencia definida pela Arcebispo , não havia uma alma viva se quer no andar da reunião o único som ouvido era o dos finos sapatos que tocavam o piso .
A conversação era inevitável dentro da sala, apesar de só haver lideres de clã na sala a inquietação era inevitável pois pouca coisa sabiam ate o presente momento sobre tal reunião a pedido da Arcebispo Katherin uma tzimisce conhecida por conduzir a espada de cain com mãos de ferro não aceitando erros.
Um leve som de maçaneta e o silencio tomava conta da sala, pela porta passava Katherin que fazia um sinal de reverencia ao homem indicando uma poltrona ao topo da mesa para que ele pudesse se sentar e em seguida fechava a porta sentando-se próxima a ele que daria inicio a reunião.
_Boa noite a todos meu nome é Lacave regente do sabá, e esta reunião é dada a meu pedido.
_Mais antes de tudo gostaria que todos se apresentassem para que eu possa identificar cada um de vocês.
_Em sentido horário comece você.

Lacave indicava com a cabeça quem deveria ser o primeiro a se apresentar.
_Eu sou Niklaus Perkins líder do clã lasombra.
_Eu sou Wladimir Petruvisck líder do clã Tzimisce.
_Eu sou Will Donavan líder da anti tribo Ventrue.
_Eu sou Diana Welles líder da anti tribo toreador.
_Eu sou Finn Skinner líder da anti tribo malkaviana.
_Eu sou Samantha Lins líder da anti tribo nosferatu.
_Eu sou Pietro Ramires líder da anti tribo Ravnos.
_Eu sou Jihaj Museph líder da anti tribo Assamita.
_Eu sou Tyler líder da anti tribo Brujah.
_Eu sou Jeremy Maia líder da anti tribo Gangrel.
_Eu sou Joseph Pander líder do clã pander.
_Eu sou Marcos Run líder do clã Kiasyd.
_Eu sou Rick represento o clã Blood Brothers.

Lacave escutava a todos sem dizer uma palavra se quer apenas observava ate o ultimo homem acabar de se apresentar .
_Agora que já nos apresentamos podemos ir ao ápice desta reunião .
_Essa noite entrara para historia como o inicio da grande tomada de Los Angeles .
_ E é para isso que estou aqui hoje para deixar vocês a par de nossas estratégias , como todos aqui sabem Katherin fez um segundo pedido a vocês .

Lacave corria o olhar em todos presentes na sala.
_O pedido de uma segunda reunião só que desta vez uma reunião de clã aonde todos vocês vão poder repassar as ordens recebidas aqui, para que possamos começar a tomada de Los Angeles.
_O primeiro passo consiste na derrubada do Elisio, da capela tremere e do museu da arte, locais de maior influencia dos poderes da camarilla na cidade.
_Não podendo haver falhas neste primeiro passo pois ele representa a desestabilização do poder da camarilla sobre a cidade.

_Pois para que possamos dar o segundo passo isso é indispensável .
_Para que o primeiro passo seja dado fica decidido as seguintes ordens.
_ Os clãs Lasombra e Tzimisce ficam responsáveis pela derrubada do Elisio.
_Já a Capela tremere ficam responsáveis os clãs Assamita AT , gangrel AT e Kiasyd.
_E o Museu da Arte fica responsáveis os clãs Brujah AT, Pander e nosferatus AT.
_Esses são os clãs envolvidos no primeiro passo.
_ O segundo passo lhes seram passado assim que o primeiro tiver fim, ate o fim do mesmo os demais clãs ficam sobre alerta.

Lacave retirava de sua maleta alguns envelopes em cada um deles tinha uma o emblema de um determinado clã de destino ao qual Lacave fez questão de entregar com suas próprias mãos aos seus destinatários.
_Dentro destes envelopes contem as ordens detalhadas sobre as ações de cada clã envolvido neste primeiro passo.
_ Os demais clãs receberam seus envelopes quando necessários.
_A gora peço que cada um de você utilizem da reunião de clã pedida pela Arcebispo Katherin para poder organizar as partes que lhes cabem.
_Os ataques começaram em 3 dias.
_Estou dando fim a esta reunião e em caso de duvidas procurem Katherin ela terá como entrar em contato comigo.

Lacave virava-se para Katherin .
_Obrigado por organizar esse encontro, teve grande eficiência se tudo correr bem nesta investida todos os envolvidos que sejam merecedores serão bem recompensados .
Lacave levantava-se fazendo um sinal para Katherin que se levantava e o acompanhava deixando os demais sozinhos na sala desaparecendo com o fechar da porta.

Três dias depois.

Los Angeles.


Os peões da guerra. (Crônica Oficial) 450px-Los_Angeles_City_Hall_with_sister_cities_2006

O cair da noite novamente pairava sobre as ruas da cidade, a normalidade se fazia presente no cotidiano dos moradores, com o passar das horas a agitação que sempre fez parte das noites de Los Angeles já se fazia presente, bares, restaurantes, cassinos e as famosas casas noturnas tudo fervia aquela altura normal para tal cidade.
Elísio 1:45 da madrugada.
A paz era dominante no Elísio ate mesmo aqueles mais sensitivos não puderam notar o que estava para acontecer ate que gritos, apenas alguns gritos que logo foram abafados conseguiram chegar a salão em que se encontrava a maior parte dos frequentadores, o que se via era uma densa e maciça nuvem de trevas adentrando o Elísio poucos ali tiveram poder e tempo suficiente para perceber que se tratava de um ataque em massa de bestas trenebrosas, um misto de corpo e trevas com tentáculos brotando de suas costelas como se fossem braços, alguns se faziam apenas sombras ate que em urros horripilantes a horda de demônios chegava a frente da batalha, era uma combinação perfeita as sombras dos guardiões escondiam as feroz horda de demônios , aqueles que tiveram poder e tempo nada viram alem de ossos e músculos que logo consumia todo o Elísio.
Após alguns minutos o que restava do Elísio eram as cinzas daqueles que haviam sofrido o amaranto em bando e as sombras que o havia invadido junto com as centenas de possas de sangue que escorriam juntos por todas as frestas e logo veio e grande explosão era possível escutar os estrondos a quilômetros noite a dentro os poucos que passavam na rua de nada puderam fazer a não ser fugirem dos destroços que cobriram todo o quarteirão.

Museu da Arte 1:45 da madrugada.


Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Dzn_The-Broad-by-Diller-Scofidio-and-Renfro-1

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Corredor+de+um+edif%C3%ADcio

Os admiradores da arte reinavam naquele local como reis, passavam horas observando e criando novas artes, a tranquilidade do ambiente favorecia a eles , no corredor vindo da sala de segurança era possível escutar passos correndo para o salão de exibição das arte mais eles não foram rápidos o bastante para prevenir seus senhores, sobre a imensa multidão que adentrava o local , pouquíssimos ali tinham poder suficiente para enxergar através da ofuscação usada pelos nosferatus que cobria todo o bando deixando o caminho aberto para as infestações de brujahs e panders.
Por todas as partes era possível ver a ralé e os vira-latas se divertindo ao arrancar membros com força e velocidades assustadoras e em contra partida os nosferatus aproveitavam de seus conhecimentos e espalhavam explosivos em pontos estratégicos.
Não demorou muito ate que todo o prédio fosse dizimado não sobrara pedra sobre pedra de aquilo que um dia foi o grande museu da Arte de Los Angeles.

Capela tremere 1:45 da madrugada.


Os peões da guerra. (Crônica Oficial) 220px-Yokohama_Landmark_Tower_02

Do lado de fora era possível avistar a nuvem negra que se aproximava os primeiros a ver foram os lacaios da recepção estes não tiveram nem tempo de borrarem as calças de medo quando a horda de assassinos com uma velocidade esmagadora atravessou literalmente seus corpos que se partia a meio sobre o toque da lamina de suas espadas junto viam as bestas selvagens que despedaçavam os primeiros pobres estudiosos que cruzavam seu caminho a batalha pela capela começava, corpos mutilados caiam por todos os lados de ambas as partes mais a minoria de defensores não poderia aguentar muito alguns tentavam fuga outros ate chegavam a conseguir com o auxilio de suas magias os poucos que ainda restavam de pé protegiam uma os últimos andares com mãos de aço mais seria inevitável a derrota da ultima junta de defesa nem mesmo os poucos gárgulas que ali residiam conseguiam conter a invasão era nítido a liderança por um homem do ultimo grupo de defesa da capela este que logo percebera que não poderiam parar aquela invasão e com um ato de desespero ele proferia algumas palavras em um dialeto desconhecido , a noite que era iluminada pela luz da lua agora se desfazia dela a lua era engolida por densas nuvens negras os que estavam na presença do homem sentiam seus corpos se incinerarem primeiro foram seus próprios companheiros que antes lhe ajudavam a defender a capela seus corpos incendiaram-se com a facilidade em que o fogo emerge da gasolina em seguida a incineração se alastrou pelos invasores que tentavam fugir desesperadamente muitos não tiveram êxito em sua tentativa mais aqueles apenas os mais resistentes conseguiram e tiveram tempo o suficiente para notar que o corpo do homem também queimava junto aos demais foram a ultima coisa que puderam ver antes que conseguissem sair da presença do homem e a incineração cessar do lado de fora foi possível ver o ultimo andar do prédio em chamas eles sabiam que haviam falhado em parte no plano, eles não haviam conseguido explodir o prédio mais sabiam que não havia restado um tremere que só, vivo nela.
Os sobreviventes a invasão da capela ainda puderam presenciar e sentir na pele, era como se o céu chorasse lagrimas banhadas a vinho mais não só a tonalidade de seus pingos eram estranhos ao menor contato com a pele a chuva queimava seus corpos como acido o desespero que haviam deixado para trás junto com a capela agora caia sobre seus corpos a dor não era forte o suficiente para mata-los mais deixaria sequelas que eles levariam com eles para a eternidade.

San Diego, Horas após os ataques.

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) 701-B-St.
Empresas Merrill Lynch.

Separadamente os lideres chegavam eram aguardados por Katherin que os esperava na sala da diretoria pouco a pouco todos foram chegando aos últimos foram lideres assamita, grangrel e kiasyd que chegaram juntos, ao se olhar para eles era notável seus ferimentos, estes ninguém havia conseguido curar desde a chuva acida que queimara suas peles em Los Angeles era visível o espanto de alguns na sala já outro comentavam entre si a possível falha deles.
Katherin indicava os locais para que os últimos envolvidos pudessem se sentar para que ela pudessem dar inicio a breve reunião.
_Por favor senhores silencio.
_Vejo que a capela tremere lhes deram trabalho alem do imaginado estou certa?
_Sim senhora eu como líder assamita e líder do ataque a capela lhes digo em nome de todos os envolvidos.
_Todos os tremeres que lá estavam foram mortos, mais havia um homem possivelmente o regente da capela que apresentou ter poderes inigualáveis este foi nossa dificuldade em completar as ordens .
_Tal homem invocou poderes mundanos blasfemando em uma língua muito antiga seus poderes estavam alem de nossa capacidade naquele instante.[
color=red]
_Infelizmente não conseguimos vasculhar o ultimo andar e nem destruir o prédio mais a destruição do homem é certa eu mesmo o vi envoltos a suas próprias chamas , seu poder foi tão grande que mesmo depois de sua morte o céu veio a chover uma espécie de acido que nos deixou desta forma, já tentamos nos curar mais de nada adiantou .
Todos na sala ficavam por um instante abismados com o poder em que o líder assamita havia descrevido ate que o silencio era interrompido katherin.
_Dos demais lideres envolvidos nos ataques de hoje mais algum teve problemas tão grandes assim?[/color]
Ninguém havia se pronunciado aparentava que tudo havia saído como esperado se não fosse a não destruição do prédio da capela.
_Bom sendo assim repassarei as informações confiadas a mim a Lacave e esperaremos pelos próximos passos .
_Terminamos aqui por hoje, assim que houver um contato de Lacave lhes comunico ate lá recomponham-se para que o próximos passos possam ser dados, após constatação da situação da camarilla em Los Angeles.


Antony Salon
Antony Salon

Data de inscrição : 17/04/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Antony Salon em Seg Abr 16, 2012 11:15 pm

Sejam bem vindos!

Algumas regras basicas para melhor entendimento.

*Não serão aceitos insultos ou coisas do gênero.
*Meta-game é desconto de xp cuidado com isso.
*Jogo com o george e gosto muito do sistema de dados adotado por ele e adotarei aqui também sendo assim não re-rolarei o 10, ele gera um sucesso automatico mais os sucessos nunca ultrapassaram a soma de seus dados na jogada.
*As rolagens de dado seram feitas por mim,para que se evite problemas (melhor assim né.)
No mais uma boa diversão a todos e fiquem a vontade para postarem.
*Também não adotarei o sistema de adicionar dados do acerto ao dano, mais em contra partida acertos que ajam mais de 4 sucessos no acerto apos subtrairmos a esquiva dara um de dano automatico, não a logica em se dar uma boa espadada ou um bom tiro e sequer dar 1 de dano, com isso espero ter combates mais equilibrados e duradouros.
*Para se esquivar de balas apenas se jogando ao chão ou se escondendo atras de algo que lhe possa proteger assim ficamos mais realistas.




OBs:
Aos jogadores desta crônica, quero que façam seus primeiros posts despertando em seus refúgios fiquem a vontade para escolher a cidade em que iram morar e para constar vocês ainda não sabem dos ataques a menos que sejam dos clãs, lasombras, tzimisce, kiasyd, gangrel AT, brujah AT, assamita AT , pander ou nosferatu AT. Claro para isso ninguém morar próximo ao bastante dos locais atacados para poder ter presenciado tal coisa.
Se forem jogadores destes clãs você sabem dos ataques se não ficaram sabendo no decorrer da crônica.


Última edição por Luthier em Qua Abr 18, 2012 11:05 pm, editado 1 vez(es)
Antony Salon
Antony Salon

Data de inscrição : 17/04/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por giulio em Ter Abr 17, 2012 2:59 pm

OFF.então caro narrado-quero informa-lhe que meus posts sempre vão ter mais de 1(uma) edição pois eu acesso a net pelo celular,e só posso colar 900 caracteres por vez,sendo assim aviso-lhe logo para que não reclame pelas edições...e assim que tiver acesso a um PC mando-lhe a ficha ok...qualquer coisa minha ficha está na lista de fichas aprovadas é só dar uma procurada que verás...


ON
=Residencial Bel Air-18:23=


Mais uma noite acordo em meu refúgio,há anos resolvi morar lá,pois ali seria na miha opnião o melhor local,para se misturar aos mortais,o Conde resolverá refugia-se em Bervely Hills mas há alguns dias não tenho tido contato com o mesmo,isso meio me intrigava,mas ele sabia o que fazia,e também tinha seus afazeres,assim que acordo fico deitado,utilizo de meus dons(Auspício=Sentidos Aguçados-Audição)para ver se há alguém além do mordomo que contratei há alguns anos e que agora vive comigo em minha mansão,ainda de olhos fechados sinto a ferida pela qual ficará marcada pelos ciúmes de um mortal,pego o controle que sempre deixo ao lado da cama e ligo o telão para ver as noticias da cidade,e de olhos fechados,fico no silêncio do quarto pelo qual é quebrado pelo audio do jornal local,naquele instante me concentro e curo meus ferimento que sempre estão presentes noite após noite(3 PdS para curar meus ferimentos permanentes).

Assim que levo minha vitae até os ferimentos sinto-me com mais vigor,me levanto a fico apnas com a roupa de baixo,aumento o volume em uma altura suficiente para ouvir do banheiro no quarto e caminho até o banheiro.

Deixo a banheira cheia com água morna,e fico de olhos fechados oucindo o noticiario e tentando relaxar meu corpo morto.

Assim que termino meu banho sigo até o telefone para verificar se há mensagens,saio de meu quarto com um roupão e vou direto a minha aranda do quarto,apreciar o luar noturno,seguida desço para o quarto onde faço meus trabalhos e obras-primas,fico fazendo o que faço de melhor(Pintar.)

Dado 20:25hrs me arrumo com uma roupa social e sigo no meu corolla alzul escuro para o restaurante depois de fechar a mansão.E ligar o alarme.

Olho minha faca de combate no porta luvas e deixo no mesmo lugar.

Restaurant Balcio Eterno 21:07min

Chegando no restaurante,entro comprimentando todos e utilizando de meu dm(Presença=Fascinio) em Francês:

--Bonne Nuit-Digo ascenando com a cabeça aos que olham para mim.E sigo direto para meu escritório no restaurante pedindo ao subgerente que vá até minha sala.

Quando chego em minha sala,ligo a pequena TV e quando o subgerente entra digo-lhe em Italiano:

Alguém veio pedir minha presença?E espero sua resposta.


Última edição por Giulio em Ter Abr 17, 2012 3:11 pm, editado 3 vez(es) (Razão : Correção)
giulio
giulio

Data de inscrição : 24/11/2011
Idade : 29
Localização : PB-JP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Arquiel em Ter Abr 17, 2012 7:54 pm

E a noite cai na cidade que nunca dorme...
Lentamente Marcus Abre os olhos, como em todas as noites a partir daquele encontro com Nicolau.
Com o passar dos anos esta se acostumando com a vida noturna ;dirigi-se para o banheiro para tomar um banho,ainda um pouco desconfortável com a coloração de sua pele vez ou outra pega se pensando como teria sido sua vida se não tivesse vindo para NY...

Ao sair do banho vai direto para seu guarda roupas para vestir um terno,demora alguns minutos refletindo qual tipo de terno usaria nesta noite,decidindo usar um terno italiano,coloca-o na sua cama e liga o computador enquanto vestia as partes de sua vestimenta ele entra sucessivamente nas bolsas de valores Nasdadq e Bovespa para ver como esta suas ações.

Após verificar o andamento de seus investimentos e devidamente vestido Marcus decide sair para desfrutar desta noite que particularmente esta deslumbrante.

Então pega seu celular e sua Glock e dirige-se para sua silverado, ao entrar em sua camionete coloca sua arma como de costume no porta luvas. Liga a camionete e sai lembrando-se de suas noites quando era apenas um humano e sequer sabia que existia um “mundo escondido”.

Apenas suspira com o que parece saudade, mas continua; quando de repente sente que deveria voltar para a capela....

Arquiel
Arquiel

Data de inscrição : 26/01/2012
Idade : 35
Localização : São Paulo/SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Amaya Takenouchi em Ter Abr 17, 2012 11:26 pm

Uma mudança brusca de planos da Camarilla de onde morava, fez com que Jason se guiasse para Los Angeles. Como tentava buscar uma proteção, trataria de se apresentar logo ao Príncipe, visto que qualquer um iria querer apenas um motivo para se livrar de um Sangue Fraco.

Já que não era bem visto, nem pela falta de especialidade de um clã, e muito menos pela característica de sua Vitae, Jason, ao menos, cumpriria uma das coisas importantes para continuar vivo: A Tradição da Hospitalidade. Naquela noite, em especial, resguardou-se em um prédio já condenado por construtoras e abandonado, com buracos tampados por papelões. Tentou se manter longe dos resquícios de sol.

Assim que a Besta, que ainda não era muito forte em seu corpo, permitiu que ele despertasse, o fraco cainita se levantou. Com o mesmo farrapo ue usava há meses. Abatido e sem esperanças. Tendo receio em cada esquina, de que um Algoz lhe imputasse qualquer culpa da Quebra de Máscara sobre ele. Afinal de contas, quem acreditaria nas palavras de um Caitiff, sem o mínimo de status?

Sabia que o único meio de servir à Camarilla, ou a qualquer outra seita, do jeito que estava, seria realizar atos para eles. Por mais perigosos que fossem.

Pegava o seu porrete. A única arma que tinha para sobreviver. E seguiria à pé, para ter informações sobre o Elísio da Camarilla em Los Angeles, local de domínio da Torre de Mármore.
Amaya Takenouchi
Amaya Takenouchi

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por MEZENGA em Qua Abr 18, 2012 3:53 pm

OFF: Eu sou sabá e imagino que eu deva ter alguma noção de que o ataque aconteceu né?

*Max despertava em um hotel em Los Angeles, já estava estava a alguns dias por lá, seu Bando nômade sempre rodando as cidades vizinhas e com base em Tijuana. Max era sempre o primeiro enviado do Bando "Justiça de Caim". Por ser Ravnos, era mais fácil de confundir o inimigo, passava informações sobre os acontecimentos da cidade, assim, seu bando poderia passar por algum tempo pela cidade e possivelmente passar informações importantes para o resto do sabá.

Já tendo passado informações de diversas cidades e com isso auxiliado a tomada e ataques a algumas cidade. De tempos em tempos, passava um email para o bando, telefonava, sempre com com senhas secretas, frases para reconhecimento. Seu bando usava todo tipo de segurança, apertos de mão, palavras de reconhecimento e Max podia reconhecer qualquer um de seu bando com um mero toque. Eles tinham ilusões permanentes neles, que davam sensações, assim, ninguém poderia se passar por eles sem que Max reparasse.

Todas as informações já haviam sido passadas a quase uma semana, sabia que o sabá agiria em Breve, mas ainda estava sem informações. Aguardava o contato e as instruções de seu bando e enquanto isso aproveitava a liberdade pela cidade, onde ia se estabelecendo cada vez mais.*

*Pensa "Quando será que eles irão atacar? Esses dias estão tão entediantes" Olha para o celular e não vê nenhuma chamada "será que meu bando me esqueceu por aqui? Melhor eu seguir o plano e me estabelecer melhor pela cidade" Max tinha sondado o hospital do câncer próximo de seu hotel e já tinha um alvo, um homem rico que em breve morreria. O primeiro contato já tinha sido feito e a promessa da cura do câncer também, este certamente ficaria grato e bancaria o resto de sua estadia na cidade.

Paga sua glock, um brinquedinho que conseguiu em uma missão em outra cidade, uma bolsa com objetos de mágica, ele nunca perdeu a mania de pequenos truques. Após o banho olhava de novo, sua ilusão era perfeita, anos praticando sua transformação, até mesmo seus aliados do bando se impressionavam. Deixaria qualquer tzimisce com inveja de suas habilidades, mesmo com sua aparência inpecável, lavava o rosto, as gotas não apareciam em sua pele ilusória, mas sabia que estavam lá, podia sentí-las.
No saguão do Hotel, olha seu email, não acha nada. Sai então para o hospital do câncer, hoje ele salvaria uma vida e ganharia um servo.*
MEZENGA
MEZENGA

Data de inscrição : 13/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Antony Salon em Qui Abr 19, 2012 12:55 am

Noite seguinte aos ataques.
Novamente a noite pairava sobre a cidade era feita a hora de os andarilhos da noite despertarem de seus sonos , por todos os cantos era possível ouvir fuxicos de pessoas comentando os ocorridos da noite passada.
@Giulio.>

Off> Tranquilo sobre editar Giulio não a problema quanto a isso ok, só peço que quando poder me mandar sua ficha atualizada, isso é para não haver erros nas rolagens e tals blz.
ON>
Giulio despertava de seu sono em sua luxuosa mansão, os primeiros instantes de seu despertar foram quase um deleito de descanso rotineiramente o toreador empregava seus dons de percepção tentando escutar o que se passava nos demais cômodos de sua mansão mais a única voz escutada pelo toreador era a de seu mordomo cantarolando uma bela canção que ele quase sempre cantava todas as noites mais logo a ardência ao peito do toreador fizera ele direcionar toda sua atenção para o ferimento ao seu peito, noite após noite ela tornava a se abrir trazendo a tona as lembranças da noite a qual Giulio havia ganhado aquela ferida lembranças nada agradáveis.
Um toque no botão do controle e lá estava Giulio diante das noticias da noite para ser sincero o único assunto da noite eram novas noticias sobre as atentados terroristas da noite passado no centro de Los Angeles para Giulio aquelas noticias caíram como uma verdadeira bomba a algumas noites atrás ele havia recebido um convite para expor alguns de seus quadros no museu da arte de Los Angeles praticamente o berço da boa arte da Califórnia e quem sabe dos estados unidos e agora nada restava a não ser cinzas e poeira Giulio sabia que provavelmente sua passagem rápida para o estrelato entre os pintores de renome dos estados unidos também haviam virado cinzas junto com seus quadros que queimaram no deposito do museu.
O choque da realidade havia despertado o toreador que concentrava seu sangue para fechar a ferida que queimava seu peito.
Giulio seguia para seu banho após ouvir as noticias dos atentados ao Elísio , a capela tremere e ao tão estimado entre os adoradores da arte Museu da arte, tentando relaxar mais o som incomodo da TV e os pensamentos que rondava a mente do cainita o impossibilitava de relaxar.

Restaurante>
Spoiler:

Giulio rolou 6 dados de 10 lados com dificuldade 7 para fascinio que resultou 8, 4, 8, 8, 4, 7 - Total: 4 Sucessos

Apesar dos atentados em Los Angeles a freguesia do restaurante se fazia presente afinal Bervely Hills não era Los Angeles, Giulio que não era nenhum iniciante nos negócios sabia que era essencial para seus negócios ser notado, e quase que instintivamente seu fascínio recaia sobre alguns dos frequentados do local e retribuíam a demonstração de etiqueta do toreador .
Segundos após adentrar sua sala, fora o tempo de ligar a pequena tv a procura de novas noticias Giulio escuta o bater a porta e a porta se abria do outro lado era possível ver o homem bem vestido e afeiçoado que subgerenciava seu restaurante nos momentos em que Giulio ficava fora.

Alguém veio pedir minha presença?

_Ate o momento todo nos corre bem senhor Giulio.
_O senhor precisa de algo no momento?

O telefone celular de Giulio tocava ao olhar o visor Giulio reconhece o numero sendo como o de seu senhor, conde Estebam.
Educado como sempre a voz do conde trazia um pedido a Giulio .
_Boa noite Giulio.
_Creio que a essa altura da noite você já tenha tomado par das noticias por meio da televisão certo.
_Mais as coisas parecem ser muito mais graves e preciso de você aqui para me auxiliar em algumas coisas .
_Peço que me encontre hoje a quatro da manhã no Fox plaza.
_Sua presença é indispençavel, fico lhe aguardando ok.
_Ate mais.

O telefone era desligado Giulio que de certo modo sabia que haviam sido ataques aos polos representativos da camarilla de Los Angeles agora ficava intrigado com a ligação de seu senhor e as possivels variantes que isso poriam desencadear.

@Marcus de Allegresse>
Off:Marcus pelo que intendi você estava na capela local aonde creio eu que escolher como refugio, bom como o despertar de vocês é no dia seguinte aos ataques desconsiderarei que estava na capela ok .

ON>
O tremere despertava de seu legado da imortalidade que lhe dera o fardo de apenas caminhar sobre a proteção da noite, a alguns dias que havia saido de los Angeles para resolver alguns problemas em Bervery hills.
No quarto do hotel Marcus se aprotava para partir novamente para Los Angeles quando seu celular clamava para ser atendido Marcus via que era seu mentor a lhe ligar.

_Marcus receio que terei que adiantar seu regresso para Los Angeles.
_A capela foi atacada, mais não posso lhe passar detalhes por telefone.
_Me encontre em minha residencia o mais rapido possivel, temos muita coisa para limpar por aqui.
_Ate logo.

Com certeza as noticias bateram na mente do feiticeiro como uma grande bomba, sua mente aquela altura buscava mil alternativas para o ocorrido na capela.

@Jason Pallas>


O cainita de sangue fraco vinha tentar novas chances de ser reconhecido em Los Angeles, nada era facil para Jason primeiro enfrentou as dificuldades de se ter que viver nas ruas e o resultado também não fora dos melhores pelo menos não aos olhas da nova classe a qual Jason pertencia a de cainitas como se já não fosse o bastante ser um caitiff ele também compartilhava algo ainda pior a de possuir sangue fraco isso entre os cainitas nunca foi realmente aceito, eles nunca os aceitariam como iguais mais com certeza aproveitariam de suas posições para poder por as mãos sobre um deles seja para telos como lacaios ou destrui-los , isso ninguém saberia ate que acontecesse.
Deitado em meio aos destruços de um predio em ruinas estava Jason com suas vestias aos trapos qualquer um que olhasse para ele saberia que se tratava de uma mendigo, seu corpo sujo e suas vestias rasgadas não o deixaria se passar por outra coisa que fosse, em uma cidade camarilla as regras sempre foram seguidas e combradas, Jason sabia que se quisesse pelo menos ficar na cidade teria no minimo que se apresentar ao principe da cidade.
Com sua decisão tomada Jason saia pelas ruas de Los Angeles ele sabia que provavelmente o elisio residia no prédio de maior valor da cidade e este concerteza seria o prédio da prefeitura de veras não era o mais alto e belo da cidade , mais certamente era o mais estimado pela historia local.
Em quanto caminhava pelas ruas Jason percebia os olhares dos que os menospresavam
alguns ate mesmo atravessavam as ruas para não ter que cruzar com ele.
Quase uma hora se passou ate que Jason chegasse ate o prédio da prefeitura, bom pelo menos era ali que ele deveria estar mais a única coisa que Jason conseguiu avistar foram os destroços do prédio em uma área isolada pela policia local era possível ver um grupo de curiosos tentando tirar informações dos policias que trabalhavam no local, era possível escutar em meio os fuxicos dos curiosos alguns dizendo sobre atentados terroristas.
Mais ao lado era possível ver um homem parado perto do cordão de isolamento ele de certo modo chamava a atenção de Jason.



Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Bob-esponja


@Mezenga>

O cigano despertava em um quarto de hotel sabia que logo viriam novas missões a seus grupo nômade, este que havia conseguido importantes informações sobre a sociedade cainita de Los Angeles , informações que de certo modo somaram aos ataques sabás a cidade de lós Angeles .
O ravnos já estava entediado de ter que aguardar novas ordens de seu líder dentro do clã já tinha em mente o que fazer para se divertir ate essas ordens chegarem, como sempre ele queria levar vantagem sobre o destino do senhor Franco um idoso com metástase que praticamente residia no hospital do câncer ali perto, o que seria desta vez a promessa de uma milagre de cura? Quem sabe o que poderia acontecer com o abraço de um homem com metástase isso nem mesmo Mezenga poderia prever.
O ravnos seguia tranquilamente pela causada quando seu celular tocou nem dera tempo dele chegar ao hospital e La estava o numero estampado na tela de seu celular , era Ramirez o braço direito de Pablo o líder cigano da região.
_E ai mezenga ta pronto pra ação cara?
_O Pablo ta querendo te ver.
_E a coisa é quente irmão.
_Vê se não demora beleza, tamu aqui na minha casa beleza.

Agora mezenga já teria a ação que tanto esperava bastava ir ao encontro de Pablo para saber o que fazer.


Última edição por Luthier em Qui Abr 19, 2012 9:53 pm, editado 4 vez(es)
Antony Salon
Antony Salon

Data de inscrição : 17/04/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Arquiel em Qui Abr 19, 2012 8:03 pm

Marcus depois de uma reunião muito cansativa com representantes de algumas empresas que a empresa que herdara de seu pai representara.Decide se retirar indo para seu quarto
“malditas companhias,demitem os funcionários e depois querem que as empresas de
advocacia resolvam sempre” quando perdem as ações ficam descontentes com os resultados.

Após chegar em seu quarto muito irritado com o resultado da reunião decide dar uma relaxada.
Que droga ainda tenho mais uma semana neste inferno.
Enquanto exclamava estas palavras seu telefone toca, demora alguns segundos para descobrir com onde estava quando olha para a escrivaninha e vê o celular tocando; antes de atender olha no visor para saber quem esta ligando.Era seu mentor Nicolau
Marcus receio que terei que adiantar seu regresso para Los Angeles.
Como assim terei que ficar ainda mais alguns dias
Imaginando que ele queria que Marcus voltasse para auxilia-lo em seus experimentos.
_A capela foi atacada, mais não posso lhe passar detalhes por telefone.
_Me encontre em minha residência o mais rápido possível, temos muita coisa para limpar por aqui.
_Ate logo.

Como assim foi atacada!!!
Como uma capela como aquela poderia ter sido atacada.

Como se estivesse alguém na sala...
Neste exato momento ele joga suas coisas dentro das malas de qualquer jeito,da uma olhada para ver se não esta esquecendo de nada.
liga para a recepção.
Alo recepção estou indo embora gostaria de fazer o check out.
Desce para a o lobby para finalizar sua estadia no hotel e parte para seu carro.
Temos que organizar uma ofensiva como ninguém viu, não,não podemos nos arriscar a perder mais recursos de nosso clã.
Enquanto corria para a casa de seu mentor...
Arquiel
Arquiel

Data de inscrição : 26/01/2012
Idade : 35
Localização : São Paulo/SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por giulio em Qui Abr 19, 2012 9:32 pm

Assim que acordo e mais uma noite noto o mordomo cantarolando e em seguida o arder no peito.

"Jamais esquecerei tais lembrança de dor."

Ligo minha tv e vejo que não seria mais possivel mostrar minhas obras,pois o museu...Há o museu estava em cinzas,quando eu iria ter minha oportunidade,uma tragédia dessas acontece.Aquilo me deixou irritado,tudo tinha sido atacado,a Capela tremere,o Elísio e aquilo pelo qual eu mais adorava"O museu" de artes.E aquela má noticia no inicio da noite me fazia acender um sentimento mortal,"Tristeza",fiquei muito triste pelo museu.

Mas tinha que prosseguir pois eu sabia que os envolvidos eram o Sabath "Malditos Sabá".Mas sigo para o restaurante,chego e noto que minha presença no local era grande,e sigo esperando a presença do subgerente e logo ele aparece e responde minha pergunta e do continuidade a conversa:

--No momento caro Algust necessito de um toque feminino em meu corpo.Tem alguma mulher que vende carinho que você conheça e possa me indicar?Dizia em italianoSe tiver ligue e peça para que ela venha ao meu encontro.

Logo sou interrompido por uma chamada de celular do Conde.

Com um gesto na mão pedia um minuto ao Subgerente e respondia ao Conde:

--Bonne nuit,signor Conte,sim estou sabendo,mas você sabe quem fez isso?Ao menos já tem alguma informação?-Paro um segundo--Lamentavel o Museu,minha obras Signor estavam lá para amostra,lamentável.
"mais graves?O que será mais grave que minha obras?"

Certo signor Conte,eu irei ao lugar.Até mais.

"O que será que o Conde planeja?Será que há sobreviventes?"Muitas perguntas eram formadas em minha cabeça.

Seguida olho o subgerente e concluo:

--E então sabe de alguma mulher?

OFF.Se o sub gerente não souber nenhuma mulher,segue a cena a seguir.

ON.


--Bonne,Já que é assim até outra hora.Saio pego um pouco de dinheiro vivo além do meu cartão(200 dolares),e sigo até a casa de mulher do sexo(puteiro)mais próxima do restaurante,e estaciono meu corolla,coloco a faca na cintura e entro no recinto utilizando de meus dons(presença=fascinio)para chamar atenção de alguma,e me sento na mesa esperando alguém se aproximar.


Última edição por Giulio em Qui Abr 19, 2012 9:40 pm, editado 2 vez(es) (Razão : Correção)
giulio
giulio

Data de inscrição : 24/11/2011
Idade : 29
Localização : PB-JP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por MEZENGA em Sex Abr 20, 2012 9:19 am

OFF: Eu te mandei MP / O nome do personagem é "Max Proudmoore"

ON:
*Max pretendia fazer um carniçal essa noite, um velho rico que bancaria toda sua estadia por Los Angeles além de que certamente seria um cervo leal. Claro, quando não tivesse mais valor Max pararia de dar seu sangue e o câncer voltaria a atuar. Era realmente um favor que estaria fazendo ao velho moribundo prolongando a vida dele, e com tanto dinheiro, com certeza poderia até arrumar uma puta para brincar em seus últimos dias. Estava chegando no hospital*

_E ai Max ta pronto pra ação cara?
_O Pablo ta querendo te ver.
_E a coisa é quente irmão.
_Vê se não demora beleza, tamu aqui na minha casa beleza.

*Ouve com atenção e diz*
- Estarei por lá em 1h

*Pensa "Não deixarei esse velho me escapar, hoje ele fica curado, amanhã na alta dele já me mudo pra onde ele estiver."
Chega no hospital para a execução de seu plano. Depois iria ao encontro de Pablo imediatamente.*

OFF: Deixo a seu cargo adiantar a ação ou não.
MEZENGA
MEZENGA

Data de inscrição : 13/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Amaya Takenouchi em Sex Abr 20, 2012 5:43 pm

E então, eu saía pelas ruas de Los Angeles. Eu não tinha muita escolha, a não ser enfrentar os olhares. De fato, Jason era totalmente um pária. Tanto entre os humanos quanto entre os cainitas. Observava todos se afastarem de mim, o que já era uma constante em minha vida. Não era algo do qual eu realmente devesse me preocupar. Ou, às vezes, poderia até ser, dependendo do que acontecer.

Enfim, caminhava até o meu destino, que seria a prefeitura, onde teoricamente seria o Elísio da Camarilla. Bom, teoricamente. Pois tudo o que eu via era um prédio destruído. O que raios havia acontecido ali?

Nisso, o Caitiff observa um homem que estava parado, observando, assim como os curiosos... deve ser um deles. Talvez, dele, Jason poderia saber algo... então, cruzou os braços e se colocou em uma posição neutra, apenas para informação. - Hey... sabe me dizer o que exatamente tá acontecendo aqui?
Amaya Takenouchi
Amaya Takenouchi

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Antony Salon em Dom Abr 22, 2012 10:38 pm

@Marcus
O feiticeiro a principio não tinha levado a serio o motivo para qual seu mentor havia lhe pedido seu regresso mais quando ouvira que a capela havia sido atacada no mesmo instante Marcus sente que as coisas foram feias por lá, não é comum ataques as capelas tremeres ainda mais uma capela de tamanha proporção como a de Los Angeles .
Euforicamente o tremere arrumava suas malas de qualquer forma, queria saber o que havia ocorrido realmente na capela não demora muito e Marcus já estava dentro de seu carro chegaria em no Maximo uma hora se o congestionamento na entrada da avenida santa Monica não o segurasse por mais uma hora.
00:59 da madrugada, Bernard St esquina com N Broaway.
Residência de Nicolau.


Na entrada da residência de Nicolau era possível ver uma pequena movimentação, provavelmente apenas conhecidos de Nicolau estava na casa.
Na porta de entrada estava Rouse umas das criadas da casa que aguardava por Marcus.
_Boa noite senhor Marcus pode vir por aqui, lhe mostrarei o local da reunião.
Rouse sobia a escada que dava acesso ao segundo andar da mansão e ficava ao centro do enorme salão principal totalmente decorado com moveis rústicos, lindos aos olhos de qualquer um que pudesse entrar ali.
_Por aqui senhor.
Rouse o levava pelo corredor que dava acesso a ala norte da mansão, no final do corredor que continha varias outras portas havia uma que se destacava-se pela sua beleza e seus 2 x2 metros de tamanho.
Rouse girava a maçaneta mais não a abria, apenas a destrancava.
_E aqui senhor, daqui o senhor pode prosseguir sozinho Nicolau esta o aguardando.
Assim que abriu a porta Marcus via alem de Nicolau mais 4 homens desconhecidos para ele.



@Giulio>

Os ataques não deixara ninguém feliz mais os efeitos deles pareciam ter sido maiores sobre Giulio que não suportava a ideia de que logo quando suas obras ganhariam a atenção necessária para que ele chegasse ao patamar ao qual ele merecia o museu fora destruído e agora infelizmente ele teria que organizar novos quadros e conseguir uma nova chance para expor seu trabalho.

--No momento caro Algust necessito de um toque feminino em meu corpo.Tem alguma mulher que vende carinho que você conheça e possa me indicar?Dizia em italianoSe tiver ligue e peça para que ela venha ao meu encontro.

_Claro senhor é sempre bom ter uma bela mulher ao lado de vez em quando.
_Tenho o numero de algumas acompanhantes de luxo, e o senhor não vai se arrepender, são todas belas mulheres.
O subgerente pegava o celular em seu bolso dava alguns passos ate um dos cantos da sala para liberar o espaço e fazia uma busca rápida.
_Aqui esta.
Giulio notava o homem apertando o botão que discava e alguns toques depois.
_Boa noite, senhorita Fox.
Fox.
_Boa noite Julian. (como não sei se já nomeou seu funcionário eu dei esse nome a ele nada que interfira )
Julian
_Gostaria de tomar uma taça de vinho com um grande amigo meu?
Fox
_Bom tudo tem um preço!
_Ele esta disposto a pagar pelo meu tempo e pelo bom vinho?
Julian
_Não se preocupe, me encontre no restaurante Balcio Eterno .
Fox.
_Estarei ai em uma hora.
Julian
_Certo aguardo você.
Julian desligava o celular e olhava para Giulio que fazia um sinal lhe pedindo um tempo para terminar a ligação que estava.

--Bonne nuit,signor Conte,sim estou sabendo,mas você sabe quem fez isso?Ao menos já tem alguma informação?-Paro um segundo--Lamentavel o Museu,minha obras Signor estavam lá para amostra,lamentável.

_Temos algumas informações , mais nada de concreto ainda.
_Assim que estiver aqui lhe passo as informações que temos.


Certo signor Conte,eu irei ao lugar.Até mais.

Claro, lhe aguardo lá.

--E então sabe de alguma mulher?

_Sim senhor, ela estará aqui em no Maximo uma hora.
_O senhor precisa de mais alguma coisa senhor?


Uma horas após.
Julian aguardava próximo a entrada do restaurante quando vê Susan descer do taxi que lhe havia trazido ate o local.
Julian se apressou e lhe deu o braço como acompanhate.
_Esta ainda mais bela hoje Susan.
_Por aqui lhe levarei ate o senhor Giulio, este e o dono do restaurante e lhe tratara muito bem.

Susan
_Claro.
Julian acompanhava Susan por todo o tapete Vermelho que cortava o centro do salão principal do restaurante, a beleza de Susan chamava atenção de praticamente todos ali presentes.
Não demorou muito ate que Julian adentrasse a sala com Susan a entregando formalmente para Giulio.
_Senhor, esta é Susan Fox.

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Cinema-megan-fox1

_A linda mulher que lhe falei.
_O senhor deseja mais alguma coisa?


A mulher apenas dava um lindo sorriso sendo simpática.

Julian aguardava Giulio decidir se o dispensava ou lhe pediria algo.




@Mezenga.
Off:Tranquilo mezenga, jurava ter lido ciganos no guia do jogador, bom mais isso não vem ao caso.

ON>

O malandro estava pronto para aplicar mais um golpe e desta vez seu alvo seria o velho enfermo do hospital do câncer.
Não demorara muito ate que Max chegasse a porta do hospital a qual ele passou dando de cara com o balcão da recepção e as cadeiras para que os pacientes pudessem aguardar.
Max não pareceu levar em consideração as recepcionistas e já ia virando a direita para pegar o corredor de acesso aos elevadores quando uma das recepcionista o chamou.
_Senhor, Por gentileza poderia passar aqui antes de seguir?
A mulher dizia isso na intenção de chamar a atenção do homem, que aquilo ali não era a casa da mãe Juana que era só chegar e ir entrando assim.
Max percebia de imediato que a mulher falava com ele, e com certeza ele não iria querer os seguranças do hospital no pé dele.

@Jason>
O caitiff de certo modo estava um pouco desorientado, isso era normal em qualquer um que chegasse em uma cidade sem se quer conhecer uma única alma viva, mais uma cidade sem um alísio isso poderia ser maior ainda.
Não demorava muito para que Jason se aproximasse do homem que lhe chamava atenção e tentar novas informações.
- Hey... sabe me dizer o que exatamente tá acontecendo aqui?

O homem a principio não dava muita atenção para o mendigo, e era seco na resposta.
_Sei tanto quanto você.

Sem dar muito interesse a Jason o homem permaneceu ali olhando a movimentação por mais alguns minutos ate virasse novamente para Jason.
_Ai do trapo, se ta perdido aqui não é?
_Chega mais aqui perto eu posso te ajudar com isso, eu não ia mais só to cumprindo ordens.
_Se deve ser novo aqui NE?
_E tava procurando o Elisio to certo?

O homem fazia a pergunta aguardando uma resposta positiva se a resposta fosse negativa ou o outro homem não entendesse o que era ele teria que agir para concertar seu erro.
_Então como pode ver foi apenas isso que restou dele, mais o príncipe vai fazer uma reunião hoje as quatro horas para tomar as devidas providencias e eu acho melhor você aparecer por lá.
_Mais aconselho você arrumar uma roupa mais limpa e tomar uma banho ele não gostar de lhe ver lá assim.
_O endereço é este.
O homem passava um cartão contendo apenas um endereço nenhum nome nem logo marca.

Antony Salon
Antony Salon

Data de inscrição : 17/04/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por MEZENGA em Seg Abr 23, 2012 3:17 pm

*Max já conhecia o hospital, já tinha seu alvo certo e não seria difícil chegar até lá e conseguir para o homem a "cura" de sua doença. Seu alvo provavelmente estava sozinho o "esperando". Olha mais uma vez o local, tudo parece tranquilo e caminha despreocupadamente em direção aos quartos, era o começo da noite e pacientes em quartos privados podem receber visitas até as 20hrs normalmente. Caminhava quando:*

_Senhor, Por gentileza poderia passar aqui antes de seguir?

- Claro, estou tão acostumado a ir direto ao quarto do meu tio que eu me esqueci de falar com você. *Olha bem nos olhos da mulher tantando perceber que tipo de agrados ela gostaria de ouvir*
- E como pude deixar de passar sem ao menos te dizer boa noite não é mesmo, uma mulher tão linda como você. Meu tio pode me esperar um pouco mais.

*caminha olhando a moça como se a tivesse admirando a mesma. Pensa "Não vai ser difícil enganar essa idiota" sorri para a moça com graça e gentileza. Responderia rapidamente qualquer pergunta e seguiria para o quarto. Afinal, Pablo o estava esperando.

OFF: Bem, acho que nesse caso você pode considerar minha manipulação + Lábia ^^
MEZENGA
MEZENGA

Data de inscrição : 13/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Arquiel em Seg Abr 23, 2012 7:20 pm

Marcus dirigindo seu carro vez ou otra passava a mão no cabelo ainda incrédulo com o ataque,se fosse mero mortal estaria ofegante e os batimentos cardíacos estariam a mil.
Quase que atropela alguns pedetres durante o percurso,com pressa para chegar na casa de seu mentor.
Chegando na avenida Santa Monica encontra-se em um congestionamento daqueles que Marcus odiava.
Merda de congestionamento justo hoje que estou com pressa.
Marcus olha para os lados observando os outros motoristas,foi o meio que ele arrumou para dar uma passada no tempo.
00:59 da madrugada, Bernard St esquina com N Broaway.
Residência de Nicolau.

Enfim cheguei,vamos ver o que Nicolau vai falar.



Ao chegar encontra-se com Rouse.

Boa noite rouse.
_Boa noite senhor Marcus pode vir por aqui, lhe mostrarei o local da reunião.
Enquanto seguia rouse,Marcus observava as novas aquisições de seu mentor desde sua ultima visita.
Vejo que Nicolau adquiriu novos itens.
Disse para rouse enquanto subia as escadas para o segundo andar.
_E aqui senhor, daqui o senhor pode prosseguir sozinho Nicolau esta o aguardando.


Rouse proferia essas palavras enquanto abria a porta e gesticulava para Marcus adentrar na sala.
Enquanto Marcus entrava na sala viu Nicolau e mais alguns homens.
Hum nunca tinha visto estes homens.
Marcus cumprimenta primeiro seu mentor,depois se apresenta para os senhores.
Nicolau boa noite.
reclina-se um pouco para comprimentar os senhores
Senhores boa noite me chamo Marcus de Allegresse...
Arquiel
Arquiel

Data de inscrição : 26/01/2012
Idade : 35
Localização : São Paulo/SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Amaya Takenouchi em Ter Abr 24, 2012 10:05 pm

- Sim, estava procurando o Elísio. Onde está o Príncipe? - Falei para o cara que parecia também ser um Membro. Não sabia exatamente de que clã, mas isso realmente não parecia importar agora. Eu apenas ouvi atentamente o que ele tinha a dizer. O Elísio tinha virado escombros, ok. Mas quem tinha feito aquilo? Era algo estranho, realmente.

Então, ele falou de uma reunião. Quatro horas? Meio tarde, mas não podia reclamar. Acenei com a cabeça, apenas. - Beleza. Eu só vou ter dificuldade de fazer isso mesmo. Arranjar uma roupa melhor que essa. Mas eu dou o meu jeito. - Falava, enquanto fazia menção de sair dali. Talvez procurar um albergue pra isso.
Amaya Takenouchi
Amaya Takenouchi

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por giulio em Qua Abr 25, 2012 12:21 am

Logo espero Julian ligar para a senhorita e observo ele falar com ela que logo diz chegar em uma hora.
E eu termino minha conversa com o Conde.

E antes que tal senhorita Fox chegasse digo:

--Sim Julian,prepare um bom vinho.

E uma hora depois ela chegava,logo utilizo de meus dons(OFF 1) e com toda educação lhe comprimento.

--Bonne Nuit,Signorita Fox-Digo com meu sutaque italiano e pedindo sua mão continuo--Permita-me,seja bem vinda ao restaurante Balcio Eterno,me chamo Rosemberg-E dou um selinho em sua mão e em seguida segurando sua mão levo ela até o sofá de minha sala e digo me referindo ao Julian:

--Julian me traga o vinho que lhe pedi porfavor.

E volto a susan:

--Então signorita Fox o que realmente faz da vida?-Me sento ao seu lado e começo a acariciar seus cabelos esperando uma resposta e então continuo--Você é uma signorita muito linda,é um prazer ter você ao meu lado.

Assim que Julian traz o vinho sirvo uma taça a ela e falo:

--Então signorita Fox sabe como apreciar um bom vinho?A signorita tem um toque suave provavelmente sabe fazer tal coisa não é?E fico esperando sua resposta.

Em sua resposta olho bem para ela utilizo de meus dons(OFF 2) pois eu vivia a anos na sociedade cainita e poderia ter meus motivos para duvidar.Assim que ela beberica alguns goles do vinho ofereço-lhe mais e em seguida tento beija-la utilizando novamente de meus dons para deixa-la mais amistosa(OFF 3) e vendo que ela está mais afim de meu carinho aproveito para oferecer mais vinho:


--Porfavor signorita tome mais uns goles,para tornar minha noite mais viva!Me pronúnciava oferecendo-lhe outra taça.

Assim que ela toma continuo a beija-la e no primeiro momento beijo seu pescoço como um beijo humano e vendo que ela se torna mais fácil beijo seu pescoço para tomar-lhe seu sangue(OFF 4),assim que termino de beber passo a lingua para que o ferimento feito pelas mandibulas se fechem e digo para ela beber mais um pouquinho do vinho:

--Está gostando da noite signorita Fox?Digo enquanto ofereço-lhe outra taça de vinho.

Após sua resposta beijo ela novamente,apalpando seus seios carinhosamente dando-lhe prazer humano pelo qual eu não mais sentia,apenas fingia sentir para poder obter alimento,tiro suas roupas e em seguida dou outro beijo em sua nuca para tomar mais sangue suficiente para ela desmaiar(OFF 5).

Assim que noto aquela bela mulher desmaiando devagar em meus braços aprecio silenciosamente sua beleza,tentando fixar aquela cena em minha mente,pois seria a primeira pintura a ser feita para começar novamente minha coleção para amostra.

Olho a hora no meu celular,e fico ali com aquela beleza toda em meu colo desmaiada,passo minha mão lentamente em seu cabelo e em sua pele apreciando aquela beleza.

"Bem que essa beleza toda poderia ser minha."

Mordo meu pulso e com o sangramento derramo meu sangue em sua boca(OFF 6).

Passo minha saliva no ferimento em sua nuca e em meu pulso para que se feche,ligo minha tv em um som baixo para escutar as noticias,pois poderia saber algo pela qual ainda não sabia.Procuro um brinco ou anel e uso meu dom(OFF 7)

=Restaurante Balcio Eterno 3:00=

Assim que noto ser 3:00 coloco aquela beleza em meu sofá arrumo suas vestes desligo a tv e saio,satisfeito pela caçada da noite saio ao encontro de Julian pegando meu telefone e ligando para o mesmo:

--Signore Julian sou eu Rosemberg onde você está?Estou indo ao seu encontro.Digo em italiano.

Assim que chego perto do subgerente digo-lhe em Francês:

--Estou de saida,e obrigado pela garota,ela acabou dormindo depois da nossa festinha assim que ela acordar o senhor pague para ela e de um extrazinho,diga a ela que eu voltarei a ligar,e fico lhe devendo essa Senhor Julian-começo a dar uns passos para sair do recinto--Até mais Julian,qualquer coisa me ligue ok?Saio em direção ao meu corolla olho minha faca no porta luvas e sigo direto ao encontro do Conde.

OFF 1.Presença=Fascinio

OFF 2.Auspicio=Percepção da aura para saber se ela é uma mortal e ver o que ela sente no momento.

OFF 3.Presença=Fascinio para seduzi-la melhor.

OFF 4.Bebo 2 PdS para deixar ela mais louca por mim já que quando um vampiro beija uma mulher ela sente tesão.E ganho 3 PdS pela minha qualidade.

OFF 5.Bebo mais 1 PdS,como já tomei 3 PdS da vitima ela apenas ira desmaiar.

OFF 6. Derramo um 1PdS em sua boca(laço de sangue nivel 1)

OFF 7.Aúspicio=Toque do espirito

OFF 8. Eu consegui satisfazer meu vicio ok?e fiquei lá no restaurante tempo suficiente para passar o efeito do alcool.


Última edição por Giulio em Qua Abr 25, 2012 1:11 am, editado 7 vez(es) (Razão : Correção)
giulio
giulio

Data de inscrição : 24/11/2011
Idade : 29
Localização : PB-JP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Antony Salon em Qua Abr 25, 2012 11:01 pm

@Mezenga>

- Claro, estou tão acostumado a ir direto ao quarto do meu tio que eu me esqueci de falar com você.

_Sem problemas.
A mulher era simpatica com o cainita mais não deixava de impor sua autoridade em seu tom de voz.

- E como pude deixar de passar sem ao menos te dizer boa noite não é mesmo, uma mulher tão linda como você. Meu tio pode me esperar um pouco mais.

A mulher ficava um pouco sem graça com o elogio do cainita chegava ate a ficar um pouco vermelha, mais ela sabia que tinha deveres a cumprir ali.
_E que eu preciso que o senhor me diga o numero do leito para que eu possa fazer o controle das visitas.
_Ai é só assinar no caderno de visitas e o senhor pode subir.
_Não levará mais do que um minuto.
Dizia a mulher que logo em seguida pegar um livro de capa negra.

Off: Mezenga assim que postar tentarei porta pra você para que não fique agarrado no hospital blz.

@Marcus

La estava o feiticeiro diante de seu mentor e convidados, como sempre muito educado Marcus cumprimentava Nicolau e logo em seguida os demais na sala.
Educadamente os homens retribuíam o comprimento e se apresentavam a Marcus.
O primeiro a se pronunciar foi o elegante homem de pé diante da janela, sua voz era tão elegante quanto sua aparência.
_Eu sou Temerius filho primogênito de Joseph Willians (Marcus considere que você conhece Joseph como um dos 7 regentes da capela tremere.)
_E estes são meus filhos Matheus ,George e Meireles.
Temerius indicava um a um seus filhos em quanto caminhava ate próximo a Nicolau.
_Creio que Nicolau já tenha lhe adiantado sobre os ataques sofridos na cidade.
_A camarilla tomou uma grande pancada, mais nosso clã também.
_Sente-se para que eu possa lhe explicar melhor Marcus.
Temerius indicava uma das poltronas para que o feiticeiro pudesse se sentar.
_Durante os ataques a camarilla na cidade eles aproveitaram a oportunidade para tentarem por as mãos em um de nossos experimentos e em artefatos importantíssimos para a casa tremere, o experimento não foi pego por eles devido a proteção de jean(Outro regente da capela), mais alguns artefatos foram levados.
_Após esse incidente Jean esta desaparecido e o experimento também .
_E a missão de vocês é recuperar os artefatos e localizar o experimento e Jean .
_E aconselhável que você Marcus não entre em confronto direto com o resultado de nossas experiências pois não sabemos ao certo o qual forte ela é.
_Alguma objeção da parte de vocês?

Temerius olhava para os demais da sala.

@Jason>
Jason conseguia a informação que lhe interessava no momento e ainda de quebra ficava sabendo da reunião de emergência que o príncipe planejava.
Mesmo o homem o alertando Jason sabia que os trajes que vestia não eram próprios para a ocasião não que precisasse de um terno ou coisa assim mais ele sabia que no mínimo precisaria de roupas novas para poder não ser rejeitado a sua estadia na cidade ainda mais com ataques sabás tão recentes a cidade.
Sem delongas o caitiff sai pelas ruas da cidade sem rumo certo a única coisa que sabia é que precisava de novas roupas.

OFF:Fique a vontade para escolher o melhor lugar para encontrar roupas cara.

@Giulio>
Off: Não farei todos ao teste pedidos Fabiano , não vejo necessidade deles para ações simples como a que esta a fazer, mais estou levando em consideração como se todos os teste que eu não realizar tivessem tido sucesso ok.

Giulio sedutoramente recebia a bela mulher e como o cavalheiro que era a conduzia ao confortável sofá ao canto da espaçosa sala.
Julian ficava plantado próximo a porta aguardando pela resposta do toreador.

--Julian me traga o vinho que lhe pedi porfavor.

_Claro, em um minuto estará aqui.

Giulio escutava o som do fechar da porta em quanto tentava saber mais sobre a encantadora mulher a sua frente.

--Então signorita Fox o que realmente faz da vida?-

_Sou universitária, curso direito na UCLA.

--Você é uma signorita muito linda,é um prazer ter você ao meu lado.

_Obrigada, mais são apenas seus olhos.

Giulio escutava três batidinhas em sua porta e Julian passava por ela trazendo-lhes um saboroso vinho Italiano como fora pedido pelo toreador e o depositava sobre a bela mesa de centro que ficava em frente ao sofá e em seguida se retirava.

_Com licença senhor.

Giulio não esperou já não via a hora de poder cravar suas presas naquele belo corpo e logo veio lhe oferecer uma taça de vinho.
--Então signorita Fox sabe como apreciar um bom vinho?A signorita tem um toque suave provavelmente sabe fazer tal coisa não é?

_Sim sei, mais a sempre o que se aprender, e o senhor pode ser meu professor na arte dos vinhos.
A mulher dava uma pequena golada na taça.

_Delicioso, tens muito bom gosto senhor.
_Alias posso lhe chamar de Giulio?


A bela mulher transparecia sua vontade de se relacionar com Giulio que precavido como nunca duvidava da bela mulher, isso não era incomum entre os mais cautelosos, pois todos sabiam o custos de um erro ao se alimentar da pessoa errada, mais isso não era o caso de Susan que transparecia para Giulio inocência e excitação com o momento que se passava.

--Porfavor signorita tome mais uns goles,para tornar minha noite mais viva!

A bela mulher não negava e ate brincava com Giulio.

_Parece que quer me deixar bebada seu safadinho.
Dizia a mulher em quando corria a mão sobre o braço de Giulio.

A situação era perfeita para giulio dar inicio a seu ato que ao primeiro beijo ao pescoço da mulher escutou um exitado gemido de prazer humano seguido de varios gemidos baixos de prazer quando o toreador a mordeu sugando seu sangue que proporcionou um misto de prazer e dor a bela mulher e excitação ao toreador, e precavido como sempre giulio lambia a ferida afim de fechala.

--Está gostando da noite signorita Fox?

_Não me lembro da ultima noite tão prazeirosa assim a tempos.

Dizia a mulher tão envolvida com o toreador que lhe dava um selinho aos labio seguido de uma modidinha carinhosa que excita giulio a lhe beber mais um pouco de seu sangue a deixando enfraquecida e lentamente a bela mulher desmaiava aos braços de giulio que ficava a admirar a cena a unica coisa que lhe encomodava no momento era saber que teria que deixala em alguns minutos para poder se fazer presente a reunião.
A facinação pela beleza da mulher era tão grande que giulio desejava tela para si pela eternidade, seu sangue derramava de seu pulso ate os belos labios da linda mulher deitada aos seus braços.
As horas pareciam ter derramado junto aos momentos de prazer vivenciados por giulio, e era chegada a hora de seguir rumo a reunião, antes de sair Giulio se precavel avisando seu subgerente sobre oque fazer com a bela adormecida e partia ao encontro de seu senhor.
Não demorava mais do que quarenta minutos para que Giulio chagasse ao local mencionado pelo conde, ao passar pelo portão com seu veiculo Giulio pode notar a importancia da reunião quando se deparou com o patio da frente da mansão lotado de carros, diante da porta principal estavam tres manobrista responsaveis por estacionar os carros.
Mais só mesmo ao decer que foi possivel giulio perceber o quão bela era a mansão .

Manobrista.

_Por favor senhor, deixe que estaciono seu veiculo.

Do lado de fora em frente a mansão era possivel avistar a movimentação no salão principal da mansão.
Antony Salon
Antony Salon

Data de inscrição : 17/04/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por MEZENGA em Qui Abr 26, 2012 9:07 am

OFF: Blz... se puder dar uma agilizada, minhas ações acho que são bem rápidas.

ON:

*Dá um sorriso para a moça "O hospital está com controle de presença agora, estou me sentindo entrando em um museu." estreve um nome comum, provavelmente o mesmo nome que escreu em noites anteriores.
Olha o nome da mulher no cracha "Natasha", com um breve aceno caminha em direção ao leito de Jon, a essa hora provavelemente ele estivesse dormindo.
Entra no quarto vagarosamente*

OFF: Caso não aconteça mais nenhum problema, por favor siga com minha postagem abaixo. Sinta-se a vontade de interromper a qualquer instante.

Spoiler:
*Olha para Jon, pega um copinho plástico, vai até o banheiro onde não seria visto e não assustaria seu alvo, fecha a porta e abre seu pulso, deixa seu sangue escorrer até o copo, um pouco de sangue seria o suficiente para revitalizar o moribundo, carniçais também não morrem de doença. Caminha com determinação em direção a Jon e o acorda dizendo:
- Jon, sou eu... trouxe o remédio que te prometi, não será dessa vez que o câncer irá te matar. *apoia a cabeça de Jon para que beba o sangue do copo*
- Seus filhos não vem mais te visitar, todos acham que você já morreu, mas você provará a todos que eles estão errados, ainda temos muito trabalho a fazer, amanhã nos encontraremos em sua casa, no momento... acorde.
*vê o líquido descendo pela garganta do velho e seus batimentos que estavam bem fracos, cada vez batendo com mais força.*
MEZENGA
MEZENGA

Data de inscrição : 13/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por giulio em Sex Abr 27, 2012 3:05 pm

Off=Tudo ok sobre os testes,obrigatório são aqueles teste que podem influênciar em algo.Concorda?
Mas faltou vc dizer o que vi no brinco ou anel da Fox com Toque do Espirito =OFF 7=
E poderia informar meu Status(PdS) Porfavor
On

Assim que aquela mulher de beleza estonteante chega,cuido de leva-lá ao meu recinto sem perca de tempo.E em mais uma caçada sedutora faço meu jogo de sedução pela qual ela se mostra louca por mim.Eu servia cada vez mais vinho para que aquele liquido estivesse em sua corrente sanguínea,para que eu entisse o ecstase.
Concerteza lhe ensinarei todo o possivel minha cara universitária,claro que tenho bom gosto,afinal sou um toreador,pertenço ao clã mais fino da sociedade cainita."Estes eram meus pensamentos perante aquela cena de pleno ecstase.

Perante minhas mordidas ela gemia de prazer e aquele gemido me fazia querer mais e mais,mas não ao ponto de minha besta interios se maniestar,logo termino minha caçada com aquela mulher em meus braços e sou hipnotizado por tal beleza,só volto a si quando vejo a hora de seguir até o encontro de meu Senhor.

Seguindo em meu Corolla,o trânsito era quieto pouca movimentação naquela madrugada,e isso faz com que eu não demore muito até chegar ao local combinado,assim que chego noto vários carros.

"Então a Camarilla deve estar toda aqui,então pelo caso,o negocio é serio."Pensava já preocupado com a atual situação da Camarilla.

Assim que desco de meu carro vejo a bela mansão aquilo me fascina por alguns segundos e quando o manobrista se pronuncia,utilizo de meus dons(Off 1) para saber se era confiavel o rapaz a minha frente e respondo.


--Sim,pode entrar-Digo passando para o banco do passageiro e sigo com o manobrista até ele estacionar meu carro e logo agradeço--Muito obrigado Signore-Digo com meu sutaque italiano.

Do carro pego meu celular e ligo para o Conde e quando ele atende digo:

--Signore,em que comodo vossa senhoria se encontra?

E assim que ele responde saio do carro coloco minha faca na cintura,ligo o alarme e sigo até onde ele disse,entrando para o salão principal comprimento cada um que leva seus olhos a minha presença até encontrar o Conde:

--Bonne Nuit Signore e Signorita.

OFF 1.Auspicio=percepção da aura.


Última edição por Giulio em Sex Abr 27, 2012 3:12 pm, editado 2 vez(es) (Razão : Correção)
giulio
giulio

Data de inscrição : 24/11/2011
Idade : 29
Localização : PB-JP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Amaya Takenouchi em Sab Abr 28, 2012 12:52 pm

Tomava o meu caminho. O fato é que eu tinha que arrumar alguma roupa legal. O problema é que fazer isso exigiria um certo esforço. O fato é que eu não tinha muito o que fazer, além de suas opções: encontrar alguém isolado em um dos becos, com uma roupa aceitável, ou então, ir para uma loja de roupas, roubar algo. Era um problema, mas era necessário.

Observava, andando pela cidade e passando por estacionamentos mais vazios, procurando por uma loja, ou por alguém isolado que tivesse acabado de comprar roupas...
Amaya Takenouchi
Amaya Takenouchi

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Arquiel em Dom Abr 29, 2012 6:18 pm

Após Marcus se apresentar a Nicolau e
seus convidados um pouco intrigado com quem eram,o Homem que esta perto
da janela se apresenta e apresenta os demais.
Eu sou Temerius filho primogênito de Joseph Willians, e estes são meus filhos Matheus ,George e Meireles.
Marcus senta-se para ouvir o que Temerius tem a dizer, Marcus ouvindo atentamente cada palavra de Temerius.
Durante a explicação de Temerius Marcus fica muito curioso sobre qual experimento estavam fazendo.
“Vocês? Creio eu que não irei sozinho senhor Temerius?”
E apenas uma observação como seriam os artefatos....
Depois de resolvido Marcus arruma suas coisas e parte para LA para investigar.




OFF: considerando que Marcus já tenha visto Jean caso o contrario Marcus pergunta como seria Jean.

PS: este post esta meio que nas coxas, pois estou no serviço e tenho que escrever rápido.
Arquiel
Arquiel

Data de inscrição : 26/01/2012
Idade : 35
Localização : São Paulo/SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Antony Salon em Dom Abr 29, 2012 9:42 pm

@Mezenga>
Off: Velho fiquei enrolado esses dias então não tive como adiantar a cena.
Aguardo a resposta da MP para postar pra vc ok.



*Dá um sorriso para a moça "O hospital está com controle de presença agora, estou me sentindo entrando em um museu." estreve um nome comum, provavelmente o mesmo nome que escreu em noites anteriores.
Olha o nome da mulher no cracha "Natasha", com um breve aceno caminha em direção ao leito de Jon, a essa hora provavelemente ele estivesse dormindo.
_Leito 489 Jon Miller.A mulher tornava a expressão de seu rosto triste.
_Sinto muito por ter que lhe trazer essa noticia.
_Seu tio Jon teve obito essa tarde.
_Sua tia a esposa de Jon esta aqui resolvendo as questões burocráticas para retirada do corpo.
_Se o senhor desejar poderá entrar, ira encontra-la creio eu que na sala da administração do hospital fica no 3º andar sala 376.

A mulher ficava aguardando as resposta de Max.


@Giulio>
Spoiler:
Giulio rolou 7 dados de 10 lados com dificuldade 8 para percepção da aura que resultou 4, 8, 1, 2, 2, 5, 10 - Total: 1 Sucessos

Giulio era interrompido pelo manobrista em seus momentos de deslumbre sobre a bela mansão, e cauteloso como sempre empregou seus dons sobre o rapaz a procura de algo que lhe fizesse negar ao homem mais conseguia enxergar apenas que o homem era um mero humano provavelmente um lacaio do príncipe.

--Sim,pode entrar-Digo passando para o banco do passageiro e sigo com o manobrista até ele estacionar meu carro e logo agradeço--Muito obrigado Signore-Digo com meu sutaque italiano.

_Disponha senhor, não faço mais que minha obrigação no momento.
_Com licença senhor.
O homem descia do carro e fechava a porta cuidadosamente.


Do carro pego meu celular e ligo para o Conde e quando ele atende digo:

--Signore,em que comodo vossa senhoria se encontra?

_ Que bom que já esta aqui, estamos todos no salão principal Giulio não terá dificuldades para me encontrar.
Obtido as informações que Giulio precisava para adentrar a mansão ele pegava sua faca a colocava a cintura e seguia para o encontro de seu senhor ate que fora abordado por um dos seguranças da entrada.
O rapaz se aproximava de Giulio.
_ Por gentileza senhor.
_Peço que deixe sua arma em seu veiculo, caso não tenha vindo em um veiculo próprio podemos guarda-la para o senhor.
_As regras aqui são as mesma do Elísio, visto que ele esta provisoriamente instalado aqui.



@Jason>

Jason perambulava pelas ruas a procura de um alvo fácil para que pudesse arrumar novas roupas , nas primeiras ruas o movimento estava um quanto cheio , mais com o aproximar da madrugada a procura de Jason terminava quando ele conseguia avistar a uns 10 metros a sua frente em uma rua deserta praticamente um homem vestindo roupas com certeza melhores que as suas.
Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Ruas_escuras

Agora só restava ao cainita saber como faria tal coisa.




@Marcus>
Todo corria como temerius havia planejado, conseguiria ali um grupo de caçadores que iriam lhes trazer seus itens roubados de volta inclusive um de seus experimentos que com certeza ele não queria que caísse em mãos erradas.
Marcus e os demais pareciam não descordar do pedido feito a eles mais sempre haviam duvidas.
“Vocês? Creio eu que não irei sozinho senhor Temerius?”
E apenas uma observação como seriam os artefatos....

_Bom Marcus a principio você ficara incumbido de achar o Maximo de artefatos possível e arrecadar informações sobre a localização do experimento e Jean.
_Como havia dito antes mais creio que não entendeu bem a captura do experimento ficara a cargo de meus filhos , seu envolvimento nesta parte pode lhe trazer a morte final e não desejo isso a você, tens grande potencial a ser conhecido ainda.
_Os artefatos roubados são itens mágicos da casa tremere.
Temerius dava uma pausa.
_Eles sempre foram cobiçados por todos.
_Se os vê Você não terá problemas em reconhece-los.
_Bom como já estamos acertados aqui , lhes em formo que haverá uma reunião com o príncipe hoje ainda as quatro da manhã, e a presença de todos nos é indispensável.
_A reunião será no endereço st 45 com a st 88.
_Mais peço que as informações sobre o experimento fique apenas entre nos, o príncipe não precisa ficar sabendo que um de nossos experimentos esta perdido por ai , certo?
_Agora se nos der licença, nos vemos na reunião em uma hora.

Temerius despedia-se de Nicolau e Marcus e saia junto de seus filhos .

OFF:Marcus faça seu próximo poste se deslocando para a reunião do príncipe ok.


Última edição por Luthier em Seg Abr 30, 2012 10:20 pm, editado 2 vez(es)
Antony Salon
Antony Salon

Data de inscrição : 17/04/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por giulio em Seg Abr 30, 2012 2:47 pm

Assim que vejo que o suposto humano poderia ser um lacaio do Principe,fico mais sossegado.E após uma troca de agradecimentos o homem se retira de meu carro,eu ligo para o Conde e confirmo o local que poderia achar meu Senhor.Logo sigo para adentrar quando sou esbarrado por um segurança.
Assim que ele explica a situação observo atentamente.
"Então é aqui que o Elisio está instalado!"Penso tirando minhas conclusões e digo ao segurança com um sorriso que era uma das únicas coisas mortais que eu não perdia e meu sutaque :

--Desculpa Signore,mas é que eu apenas estou tentando me precaver,pois o que vem acontecendo não é bom-Faço uma reverencia com um movimento com a cabeça e concluo--Mas farei o pedido,me desculpe qualquer constrangimento.E após essas palavras me retiro de volta ao me carro,deixo o a faca,tranco meu carro,olho ao redor para ver se não há nada de estranho e volto ao Elisio a procura do Conde.

Assim que entro comprimento todos que me olham:
--Bonne Nuit.Digo sorrindo aos que comprimento.
Eu sabia que o clima era tenso,mas eu escondia minha preocupação com um pequeno sorriso amigavel,e seguia até o salão principal a procura do conde.

Assim que o vejo me aproximo dizendo:
--Com sua liçenca Conde,Bonne Nuit.Digo fazendo reverencia,com a mão esquerda atrás na altura do quadril e a mão direita fazendo um rodopio e terminando com a mesma em meu peitoral.
Espero o que o Conde dirá e fico a espera da tal reunião com ele.


Última edição por Giulio em Seg Abr 30, 2012 2:50 pm, editado 1 vez(es) (Razão : Correção)
giulio
giulio

Data de inscrição : 24/11/2011
Idade : 29
Localização : PB-JP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Arquiel em Ter Maio 01, 2012 6:51 pm

Marcus apenas observa quieto enquanto Temerius fala sob os itens e sobre o que seus filhos iriam fazer.
Ele estava um pouco confuso sobre qual seria sua missão naquele resgate,mas quando Temerius esclareceu tudo ele compreendeu,pois devido ainda estar abalado com o ataque a capela daquela magnitude.
Logo após Temerius e seus filhos saírem,Marcus se dirige a Nicolau:
Vejo que não temos mais o que discutir aqui, nos encontraremos na reunião.
Marcus sai da mansão de Nicolau e dirige-se para seu carro, ao entrar em seu carro verifica se esta tudo no lugar em seu carro, olha para o porta luvas,arruma o retrovisor e da partida em seu carro.
Durante o caminho ele pensa em algumas possibilidades por onde começaria a busca.
03:40, st 45 com a st 88.
Pontual como Marcus gosta de ser chega no local indicado por Temerius para a reunião com o principe.....
Arquiel
Arquiel

Data de inscrição : 26/01/2012
Idade : 35
Localização : São Paulo/SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Amaya Takenouchi em Ter Maio 01, 2012 8:39 pm

Caminhava, por um tempo. O fato é que a madrugada passava e tinha que conseguir logo aquelas malditas roupas. Esse era o problema de ser um mendigo. Não esperava, sinceramente, nada que fosse para o reconhecimento do Caitiff. Sabia que, assim que tomassem conhecimento dele, a Camarilla apenas iria querer se livrar do fardo de ter um sangue ruim entre suas fileiras, o quanto antes...

Em New York era assim. Por que em Los Angeles seria diferente? Estamos falando de criaturas com dezenas, centenas de anos nas trevas.

Se quisesse sobreviver, teria que me mergulhar naquelas trevas. Mas mesmo entrando na Camarilla, parecia sempre que eu estava à parte disso. Apenas seguia, com cuidado, por trás do homem que avistei... olhei para os lados, para certificar-me de que não havia ninguém me vendo.

Com isso, observava aquilo que poderia acontecer. Mas logo, eu colocava o porrete nas costas, para conseguir uma ação rápida. - Perdeu, playboy! Eu quero TUDO o que você tem. Ou então eu te encho de porrada, até morrer. PASSA TUDO! - Eu odiava ter que fazer aquele tipo de coisa... mas eu não tinha escolha. Não era por caridade que eu iria conseguir as roupas dele...

Era hora de me mergulhar nas trevas...
Amaya Takenouchi
Amaya Takenouchi

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Os peões da guerra. (Crônica Oficial) Empty Re: Os peões da guerra. (Crônica Oficial)

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 5 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum