Sombras e Pesadelos

Página 2 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Dom Set 23, 2018 7:53 pm

Capítulo IV

A Segunda Inquisição.

“Eu recordo com profunda gratidão da ajuda de padres católicos na minha fuga da Europa e decidi, em honra da fé católica, tornar-me membro honorário.”
― Adolf Eichmann






Joseph




Joseph controla sua ansiedade o máximo que pode, ele é um veterano em fugir, ele o tem feito a um bocado de tempo, fugia da polícia em vida, fugiu das autoridades vampirescas, fugiu de um ancião deturpado do velho mundo, fugiu de outros monstros na estrada enquanto fugia de todos os monstros que habitam a escuridão. Ele sai em disparada, confiante que Jack vai dar um jeito na dupla de caçadores, Joseph então é interpelado por uma dupla de caçadores do outro lado da rua, saem de um SUV preta, a dupla usa terno azul marinho escuro, isso é a droga de um pesadelo, e quando ele vê o emblema a coisa fica ainda mais interessante, o símbolo do FBI, a famigerada águia estilizada, porém é possível de longe observar um broche n blaizer do agente mais novo, uma cruz estilizada, como se estivesse dentro de um caduceu, a dupla persegue Joseph que mergulha na primeira cobertura, apesar de sua resistência sobrenatural ser alvejado o faria dispender vitae e tinha a merda da Máscara, a rua estava relativamente vazia, exceto por um pequeno grupo do lado de fora do clube de Jazz, onde estavam as pessoas, droga, toque de recolher dos tiras.

A dupla vai em disparada na direção de Joseph, eles também se cobrem.

- FBI, parado. eles gritam ocultados por um carro, assim como Joseph temia ser alvejados os mortais também.

- Saia com as mãos para cima!!! Ordena uma segunda voz. A essa altura Joseph já havia apertado o botão do alarme algumas vezes, e nada do do bip ou luzes, ele então se mantém coberto, oculto esperando que Jack tenha tido uma sorte melhor.
Enquanto observava o símbolo da BMW no chaveiro.


Miles

A coisa havia saído ao controle, provavelmente apenas o Bispo colocaria todos aqueles bastardos no lugar, eles gritavam, urravam jogando a mobília e corpos para os ares, as bolhas de carne haviam sido esvisceradas, rasgadas com garras e dentes, o trio que arremessou o vampiro na escada fundiam em um imenso monstro de carne com 3 pares de olhos em uma imensa bolha de carne caminhante e vociferante, a mulher desaparece, Dr. Satâ estimula uma dupla a salta sobre a fogueira recém desencadeada, inflamando ainda mais os ânimos, sombras circulam pelo ambiente, comprovando que além de Miles, a mulher no segundo piso e Paladino do Bispo existe outro(s?) Lasombra(s?), o tentáculo fica firme diante de Miles, e quando a adaga de ossos é recebida ele desaparece, tão rápido quanto apareceu.

Miles ao perceber o vulto caminhando, em passos largos no jardim resolve perseguir, com um manto de trevas o guardando ele salta pela janela e vai em direção ao "homem de capuz" que aperta os passos, em seguida ele para.

- Isso está além de você criança, se afaste antes que seja tarde.

A voz era rouca, rosto encoberto usava capuz, capa e máscara de pano, tinha símbolos por todo a roupagem, e no pescoço uma corrente de prata com um símbolo



- Afaste se. Ordena ele mais uma vez.

Repentinamente Crowley cai no jardim, de pé amortecido por tentáculos.



Jack Hunter



A neblina densa fazia Jack enxergar vultos na escuridão, estava cercado em uma droga de armadilha no meio do coração da Camarilla, o centro de poder da seita, aqui os piores bastardos comandavam clãs inteiros, daqui os antigos puxavam as cordas para milhares de mortos vivo de um extremo ao outro do globo, se reuniam a poucos kilometros daqui em Veneza de 13 em 13 anos, e a Jyhad continuava, noite pós noite, e esses Dráculas modernos agora tinha enviado um séquito de mortais para perseguir e sequestrar Jack, ah, Jimmy assim que souber disso vai dar algumas risadas, e quem sabe isso pode até virar piada em algum Elísio.

Jack acompanha a dupla, ele percebe outros vultos distorcidos na parte antiga de uma cidade antiga, passo a passo ganham os degraus do Museu, algo está errado, tudo incrivelmente limpo para um lugar de grande circulação, a porta se abre após um cadeado ser retirado de uma pesada corrente, o hall de entrada está completamente vazio exceto por um esqueleto de um dinossauro alado, tudo incrivelmente limpo e organizado, ele ainda sente a fragrância de pinho e sabão de maça, a dupla um atrás e outro logo a frente, Jack sente um calafrio, um sentimento ruim lhe assolando, no piso de cima ele pode ver dois homens usando armadura militar moderna, capacetes, armados com fuzis, e isso causa uma profunda estranheza, isso quebra a imagem de tradicionalista dos Dráculas ingleses.

- Está tudo bem Senhor Hunter. Diz o velho acendendo um cigarro.

- Garantimos sua segurança, precisamos que você dê um recado para seus pares americanos, normalmente eu lhe pediria alguns nomes, mas pareceria grosseiro de minha parte, então, apenas diga a eles que nós, tomamos de volta o controle da humanidade, que somos homens e mulheres livres, que fiquem longe daqui e que em breve atravessaremos o atlântico, e vai ser como foi a 500 anos atrás, e para comprovar que o que falo é verdade, assista isso. Diz o velho entregando um celular iphone.
Caso Jack Assista:
A imagem está em preto e branco, parece estar sendo filmada do corpo de alguém, uma câmera escondida, tremula, mas bem clara, um grupo de militares sai de um furgão preto após fazer uma oração, parece ser uma operação militar, estão de frente para o museu, é bem diferente, a rua está mais movimentada, carros passam, quem está com  a camera parece falar em um radio instalado na armadura, ele está armado com uma metralhadora com infra vermelho, o grupo invade o museu, tiros, bombas, gás lacrimogêneo, bombas incendiarias, e JAck pode ver vários vampiros sendo queimados vivos, a imagem corta e ele vê a Rainha Anne Bowsley príncipe de Londres cercada em um quarto do museu, a data pula três dias, subentendido que ele ficou cercada por três noites, cercada sendo atacada, sem alimento sendo obrigada a gastar sangue, por fim ela é abatida durante o dia, decapitada por um padre    


- Você está em segurança Jack, mas transfira nossa mensagem, diga que a Sociedade de Leopoldo voltou, e que dessa vez nenhuma máscara vai proteger seu povo. Diz o velho sorrindo, aberto a perguntas de forma serena.


Última edição por @nonimous em Dom Set 23, 2018 8:20 pm, editado 1 vez(es)

_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Dom Set 23, 2018 8:18 pm

Continuação do Capítulo IV

A Segunda Inquisição.

Jim


A força da hélice do helicoptero e o som forte fazem rufadas de vento açoitarem o rosto salpicado de sangue de Jim, fazendo com que Rogers segure sua boina militar, o piloto olha para Rogers de forma desconfiada, ele apenas recebe um sinal para esperar.

- Parece que ela está irritada. Brada Rogers, aumentando o tom de voz frente ao som enrudescedor da aeronave.

A mulher se aproxima escoltada por um grupo de militares, Rogers também tem alguns, se resolvessem se atacar seria um massacre e ninguém iria querer algo assim, e isso no fundo acalma Jim, em partes, ele sente muita fome, seu estômago queima terrivelmente, sua cabeça ainda dá voltas e ele esta bem propenso para a violência, a besta sacode suas grades e o controle de Jim em breve vai ser testado mais uma vez.
Rogers permanece calmo, é um brilhante estrategista, a mulher se aproxima.

- Fraudar autorizações soldado é crime, em especial quando você está protegendo esses monstros. diz ela olhando para Jim com desprezo.

- Mas vamos deixar esse impasse para depois. Parece que o implante mental de Jim continua comandando a cabeça da interrogadora.
No uniforme militar da mulher seu identificador Cap Hellen Bauer.

-Até breve Helen, abraço no bill. Diz Rogers sorrindo.


A aeronave alça vôo, Jim aliviado percebe que além dele os dois pilotos ainda tem mais 4 soldados, leais a Rogers.

horas depois o helicóptero pousa em um aeroporto clandestino, um imenso galpão de concreto e metal nomeio do nada.

Ao air da aeronave Rogers cambaleia e cai no chão, os soldados iniciam procedimentos de primeiros socorros.

- Quando Jim ouve vários disparos e todos os soldados são abatidos a tiros, deixando um Tenente Rogers ainda em convulsão, repentinamente surge das sombras Ann, armada com uma pistola automática.

- Garoto você se mete em muitas encrencas. Diz ela se ajoelhando perto de Rogers apontando uma arma para o moribundo.


Crowley


Era possível do segundo piso ouvir toda a balburdia no piso debaixo, gritos e uivos, gritaria e quebra quebra, Crowley podia jurar que ouviu corpos sendo retorcidos, tecido e ossos, se tratando de um refugio Tzimisce, isso poderia ser perfeitamente provável, porém ele tem problemas mais graves, as cinzas do Bispo aos pés de sua Senhora.

Aquele tentáculo não poderia ser coisa do Miles, ou seria, difícil dizer, ele saia de um remendo de sombras próximo de Miles, e entregava de forma servil uma arma idêntica com a que foi usada para assassinar Merrick, seria Miles o grande planejador por trás de tudo?! Luci seria uma peça ou a grande articuladora e seria Miles o peão, ou teria alguém mais poderoso por trás, e fosse algum ancião da Camarilla?


- Eu não me lembro de anda. Diz Luci

A porta se bate atrás de Crowley, um imenso tentaculo de sombras, fecha a porta e quando ele caminha até a janela ele pode ver um vulto caminhando pelo jardim, apertando os passos, repentinamente Miles surge saltando da janela do piso de baixo conversando com o Vulto. Os passos se apertam, quando Crowey toma a adaga de Luci a porta é arrebentada, pedaços de madeira atirados para todos os lados, um monstros com mais de 3 de altura, parecendo uma mistura de rato e morcego, carne viva, monstro saindo de algum pesadelo, Crowley nada pode fazer porque ele se joga pela janela, enquanto ele ouve gritos.

Então ele salta sem medo, apenas tomando a precaução clamando aos tentáculos que amorteçam sua queda no gramado, vento no rosto, impacto contido no chão, a criatura tem o rosto coberto, capa e máscara de pano, usa um estranho colar de prata com o símbolo:




_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Zed em Dom Set 23, 2018 11:51 pm

Pontos de Sangue: 10/13
Força de Vontade: 6/7
Vitalidade: -
Efeitos ativos: Rapidez 3


Nos fundos do bar, dois agentes do FBI surgiam saltando de uma SUV. Corria procurando proteção esperando os dons de sangue entrarem em funcionamento e os agentes agiam de forma semelhante. Estava calmo, eles já pareciam agitado berrando ordens pra mim. – EUROPEU IRRITADO! Continuem escondidos. – Rebatia entre risos. Mexendo no controle do carro que não fazia som algum, ainda que mostrasse um símbolo para reduzir a busca. “Um modelo de luxo? ” Me empolgava imaginando as possibilidades. Ouvia uma segunda voz autoritária.

- Wankers! Baixem as armas, antes que alguém se machuque. – Sentia o poder enfim agindo. “Fuck it!” Não havia meios de escapar daquela sem lutar. E eles deviam estar muito bem preparados para lutar contra o meu tipo, ao menos um dele. Que seria o meu primeiro alvo, aquele que carregasse o símbolo de Cruz.

Imaginando que conseguisse agir mais rápido que eles, sairia de meu esconderijo esbanjando minha velocidade sobrenatural correndo até o agente mais jovem, saltando com os dois pés em seu peito.(1 FDV) A princípio só queria derrubá-lo e tirá-lo do combate temporariamente enquanto lidava com seu colega, mas conseguido arremessar um por cima do outro seria um feito muito favorável.

Os mortais a este ponto deveriam atacar se tivessem chance, tentaria se possível desviar de disparos usando da rapidez do sangue, ou caso estivesse próximo o bastante, afastar o cano da arma com o braço.

Independente de conseguir ou não reagir as ofensivas, aproveitaria para atacar e eliminar ao menos um deles o quanto antes. Avançaria contra quem estivesse de pé mais próximo a mim, ou contra o agente que também tinha a cruz estampada no uniforme. Com os punhos cerrados avançaria esmurrando-o até que ele caísse ou que não conseguisse mais atacar. Começando com um soco de direita contra o corpo, seguido de uma canhota contra o rosto e se necessário finalizando com um terceiro soco de direita, novamente alvejando a cabeça.

Mas considerando que o agente apagasse no segundo golpe, aproveitaria o último movimento, caso ainda restasse, para pular contra outro agente tentando agarrá-lo e morder seu pescoço. E assim finalizar com o combate logo. E claro, aproveitando para reabastecer o sangue gasto naquele combate.

Já no caso deles serem apressados e começarem a se mover antes de mim. Manteria o esconderijo para escapar de possíveis disparos, caso algum deles se aproximasse separadamente, tentaria interceptar qualquer ofensiva, diminuindo a distância e bloqueando qualquer golpe/afastando arma. E então iria focar minha ofensiva em cima dele da mesma forma.

Mas caso meu plano não saísse como o esperado e os dois agentes não estivessem caídos ao fim do turno, iria manter o fluxo de sangue para manter a Rapidez ativa. (-1 PdS/Rapidez)


OFF: O ponto de força de vontade quero usar pra garantir principalmente que eu não caia. Não sei se vai incluir o golpe pra derrubar o agente.
avatar
Zed

Data de inscrição : 08/04/2015
Idade : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Samuka em Seg Set 24, 2018 9:48 am

Jim se esforçava para manter o equilíbrio nas passadas até o helicóptero, as algemas também lhe atrapalhavam um pouco. Mas, “faz parte da encenação”, pensava. O vento gerado pela rotação das hélices agrediam seu rosto sujo de sangue, que escorria pelos olhos. Ele via o Tenente Roger também lutando contra o vento, mas preocupado mais com sua boina do que com qualquer outra coisa. O piloto nos apressava com gestos e alguma coisa inaudível. O Ten Roger correspondia com outros sinais para que este aguardasse.

Jim girava pelos calcanhares, enquanto que o Tenente lhe falava algo. Ele não ouviu direito, olhava para as hélices zunindo. “O que foi que você disse?”, gritava ele para o Tenente que repetia aos brados:

Parece que ela está irritada

“Irri o quê?”, gritava Jim que ao ver a Capitã ariana sacava o que Roger estava tentando dizer.

Ela vinha com passos longos, firmes e os guardas costas atrás. Seu semblante não era nada amistoso. E Jim, por sua vez, sentia a fome, o gosto de sangue e a besta. Ele via o caos que geraria ali no heliponto se perdesse o controle, se um ou outro soldado apertasse o gatilho. É uma situação de limites e saber tangenciá-los é a jogada. Ele olhava rapidamente para o Tenente e o via tranquilo. Que ironia. Ela, então, se aproximava com um olhar de desdém. “Não gosto desse tipo de olhar”, ponderava seguindo-a com os olhos, enquanto que ela dizia:

- Fraudar autorizações soldado é crime, em especial quando você está protegendo esses monstros

“Monstros?”, se perguntava, “será que ela descobriu?”.

Mas ela finalizava:

- Mas vamos deixar esse impasse para depois.

“Seria o efeito do poder?”, se questionava ele. Era curioso, parecia que estava resolvida em impedi-los, mas a dominação no último instante a fazia reconsiderar. “Adoro isso”, pensava ele observando-a. Rogers sorria. Sinal de que está tudo bem? Ele se despedia da Capitã Hellen Bauer, que graças seu identificador sobre seu volumoso seio esquerdo, Jim memorizou seu nome.

O trem de pouso deixava de tocar o chão. No painel, a aeronave ganhava altitude. Finalmente, alçaram vôo. Jim se sentia ainda mais aliviado em notar que os outros soldados também eram colegas de Roger. “Entre amigos”, pensava Jim. E ele parecia que falaria algo, mas deixou para lá depois de considerar que “talvez, não seja uma boa idéia perguntar se sabe como posso conseguir entrar no sistema militar atrás de um arquivo secreto, vai que dê merda depois”. Depois de algumas horas, o trem de pouso agora tocava o chão. “Onde estamos?”, se questionava Jim que via nada mais do que um imenso galpão no meio do nada, no que parecia ser um aeroporto clandestino.

Então, enquanto que todos saíam, Roger cai no chão e parecia estar em convulsão. “Vira ele, coloca de bruços”, gritava Jim para os soldados.As roupas de Jim, o seu rosto era manchado de sangue, que jorrava e tingia o chão. Os soldados eram alvejados pelos flancos e não sabíamos de onde. “Protegam-se”, gritava Jim que se atirava no chão e usava algum soldado morto como escudo.

Novamente, Ann surgia como uma fumaça. “Eu me meto? Eu é que não sou amigo da porra da sorte, esse filho da puta”, respondia ele à Ann, a qual se ajoelhava próximo do Ten. Jim se arrastava para próximo dele também, caçando a chave da algema. Logo que ache, depois de se livrar delas, ele fará uma perfuração no pulso com seus caninos e dará um pouco da sua vitae* para Roger, na esperança que isso ajude ele a se recuperar logo. Caso não seja possível, arrastará o Tenente para o lugar mais próximo e que possa protegê-los dos disparos pedindo à Ann, “você me dá cobertura?”.
÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷
*: Por não saber como está a reserva de vitae de Jim, cedo a menor quantidade, até 1/2.
avatar
Samuka

Data de inscrição : 22/12/2012
Localização : Rio de Janeiro/RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Fox em Seg Set 24, 2018 12:35 pm

Instantes antes de Miles saltar pela janela, ele vê a confusão que instaura-se na residência recém ocupada pelo Sabá. A fusão do trio que iniciou a confusão indicava a linhagem dos Irmãos de Sangue, grupo que servia como bucha de canhão para à Espada de Caim. Era esperado que os de menos intelecto começassem o alvoroço. Porém isso não impedia que os demais se juntassem ao frenesi, dando a impressão que a casa desabaria a qualquer momento. As sombras começam a se mover mais do que Miles previa em seu controle. Ele não vê mais nenhum dos Lasombra que identificara mais cedo, o que indicava a presença de outro. Mas quem? Algum dos componentes de bando? Ou alguém incógnito?

As perguntas ficavam pra depois, era hora de agir. Como planejado, o Guardião se põe em perseguição, porém, logo, ele interrompe o seu ímpeto ao ver seu alvo parar. Sua ordem é enigmática e cheia de autoridade. Suas vestes  que cobrem sua identidade chamam atenção, tanto quanto o brasão que carrega. Miles observa o símbolo com atenção, tentando puxar da sua memória algum conhecimento que o indique a origem do objeto. Havia tantas possibilidades para a presença daquele ser, que qualquer informação pequena podia ser útil. Ele se põe em posição de ameaça e responde.

- Quem é você? - vocifera em resposta ao sujeito misterioso.

A resposta rouca do encapuzado novamente eram de ordem, para que se afastasse. Miles não iria afastar-se, ele não era assim. Ao invés disso, ele se aproxima a passos curtos e lentos.

- Não até você me dizer quem é e me dar um bom motivo para lhe ouvir.

O Lasombra começa a se preparar para agir contra o sujeito, caso não obtivesse a resposta que queria ouvir, porém, Crowley surge no jardim, caindo sabe-se lá de onde. Miles, surpreso, olha para o companheiro de clã e para o lugar de onde ele veio, tentando entender o que aconteceu. À primeira vista, o que se deduzia era que o mesmo também veio em busca do intruso. Tomado pelo momento, Keystone faz valer do seu poder do sangue, fazendo as sombras ainda mantidas por seu poder sobrenatural se estenderem pelo jardim como espinhos retorcidos, desde sua própria obscuridade até o intruso, envolvendo-o enquanto espera-se pela resposta.

_________________
Conheça seus propósitos, lute suas batalhas. Arme-se e prepare-se, pois as noites de outrora são brandas comparadas às que estão para chegar.
avatar
Fox

Data de inscrição : 10/03/2010
Idade : 24
Localização : Natal - RN

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por HaSSaM em Seg Set 24, 2018 4:55 pm

O predador caminha com o rebanho, mãos nos bolsos e um sorriso presunçoso nos lábios, porém sabia interiormente que estava em uma incrível desvantagem. Maldição, ele conhece uma cilada quando vê uma. Mas no momento o que poderia ser feito? Jack deixa ser levado, lutar contra a corrente só desgastaria suas forças. Tentava então não tomar nenhuma atitude prematuramente. Precisava saber com quem estava lidando, quem estava envolvido e o que poderia tirar de bom daquela situação.  E, afinal de contas, estavam em um Elísio, isso lhe daria tempo de responder algumas perguntas antes de pensar em algo mais elaborado. O Elísio estava incrivelmente organizado, limpo, mas o que lhe chamou atenção foi a ausência dos membros. Já era esperado que estivesse vazio de humanos, para seja lá o que a Rainha queria com ele, mas sem nenhum membro? Onde estariam? Sem o apoio de testemunhas do lado de dentro o que Jack tinha? Uma pressão atinge sua cabeça ao avistar os dois soldados no andar de cima. "O que esta acontecendo nessa cidade para a segurança estar tão pesada? Eu não valeria o trabalho". Um aparelho sem fio era passado a Jack que assisto o video em silencio e a maioria das perguntas eram sanadas. Mas aquilo não o tranquilizava nem um pouco. A ignorância é uma benção, Jack se sentia ainda mais miserável. Fazendo a vontade de tomar um trago aumentar ainda mais. Desgraçados! (Auspícios 2 no telefone). Jack queria confirmar se as imagens eram verdadeiras ou buscar qualquer outra imagem que pudesse ajuda-lo.

- Então derrubaram nossa rainha - Diz Jack perdendo o sorriso nos lábios -  E quer que nós nos borramos de medo? - Ele perguntava de maneira cínica...

Mas a verdade é que ele estava.

- Um recado? - Jack da um passo a frente, olhando diretamente para o chão como se estivesse refletindo e então olha para o grande fóssil a sua frente - Parece que para vocês não há duvidas de que sou um deles. - Jack começa calmamente, tinha algo em mente e precisava ter paciência para executar, afinal, “The enemy of my enemy is my friend”. - Mas não sei se ficou claro onde eu me encaixo na hierarquia. Não sei se eles acreditariam em mim. Não sei se isso são provas suficiente. - Jack sacode o telefone em mãos de costas para eles - Talvez indo até Nova Iorque e falando com James Holland diretamente, mas a algum tempo atrás ouvi boatos de que ele estava na Europa, talvez seja impossível contata-lo. - O imortal encena uma preocupação desmedida -  Ou posso transmitir para Muslin Giovanni. É, creio que este fará algo a respeito. - Jack se volta para seus algozes - Nomes não são o problema meus amigos. Acredito que estejam nos subestimando ao acreditar que será tão fácil na América quanto foi em.... Londres...? Inglaterra ? - Pergunta Jack confuso. "Até onde foi esse extermínio?" Um frio percorre a espinha dorsal do Rato de esgoto "Diabos, se os anciãos caíram, o que seria de nós? Será que eles tem influencia para trazer a tona uma nova inquisição?" - Seja como for lhe dou esses nomes como cortesia pela segurança que me proporcionaram até aqui  - Jack olha o relógio verificando a hora do voo - Só preciso agora que tirem o grampo de mim para que eu possa atravessar o atlântico e manter todos longe desta terra. - Jack pondera por um minuto - Mesmo que já esteja ciente de que sua operação já esta em andamento em solo Americano. Muitos vampiros tem perdidos seus contatos com o mundo mortal. - Jack balança a cabeça. - Que Deus salve a Rainha!

Conspiração. Jack estava pegando o jeito. Não o fato de ter lançado a inquisição atrás de James e Muslin. Aquilo pouco importava. Talvez nem fisgassem a isca. mas caso desse certo não precisaria sujar as mãos. Serviço limpo como aquele era difícil de encontrar hoje em dia. Mas em todo caso, o fato deles entregarem de bandeja a missão deles o intrigava. Porque não aproveitar o elemento surpresa? Porque deixa-los preparados para o que estava por vir? Só existia uma resposta, e aquela verdade era amarga demais. Jack não estava usando-os contra seus inimigos, eles é que estavam usando Jack para ganhar alguma vantagem, seja grampeando seu corpo, ou o próprio aparelho telefônico. provavelmente os ataques em Nova Iorque pode estar relacionado. Por isso eles conheciam tão bem Jack Hunter. "Agora só preciso saber exatamente onde eu me encaixo no plano deles".

_________________
A ressurreição de uma lenda.

avatar
HaSSaM

Data de inscrição : 18/04/2010
Idade : 26
Localização : Mundo das Trevas

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Crowley em Seg Set 24, 2018 11:23 pm

Antony tentava ligar os fatos ao adentra no escritório mas tinha sua atenção desviada brevemente por uma enorme tentáculos, mas ao perceber Lucy catatônica percebia que o mesmo não estava sendo controlada por ela, um outro lasombra estava por perto e então via a adaga de ossos na mão de Lucy e lembrava que a mesma parecia muito com a que viu um tentáculo entregando a Miles, ele entendi que pertencia a outro ser bastante poderoso pois a adaga era entregue a Miles como uma oferenda e agora uma na mão de Lucy...
“Caralho, já ouvi falar de níveis de dominação poderoso, mas que não funciona em membros com sangues mais puro e antigos, será que Lucy foi vítima da ordem do esquecimento? Dizem que esse poder e fenomenal e difícil de se usar em membros, somete seres com vontade esmagadoras conseguem usar! ”

O sombrio ficava tentado ligar os pontos e ia até a janela, via um vulto que apertava o passo, mas Miles também está no local...

“Seria ele realmente um maldito espião? ”

O sombrio se perguntava sobre a presença de Miles no jardim, então sem pestanejar ele pegava a adaga da mão de Lucy e saltava até o jardim, usando seus tentáculos para amortecer a queda, mas momentos antes uma criatura, provavelmente carniçal do Bispo invada a sala...

“Espero que Lucy tenha um momento de lucidez para não perecer para essa criatura dos infernos”

Ao tocar no solo ele deparava com o outro ser, o mesmo usava uma máscara e um colar de prata com um símbolo...

“ Mas esse símbolo, já vi antes...”

Então em uma fração de segundos lembrasse dos seus primeiros anos como imortal, dos ensinamentos de Lucy e dos livros sobre o abismo que devorava, aquele era o brasão do seu Clã, alguém que daria fim no Bispo tão facilmente no Bispo e colocaria sua mentora no chinelo só poderia ser alguém com grandes podres e alguém tão antigo quanto aos membros Anti-tribo...

“Ou esse FDP está com a Camarilla ou com os Mortais da Igreja”

O sombrio não tinha certeza do que se tratava, tentava ligar os pontos, e pensava que Miles estava envolvido nisso tudo, mas Miles os surpreende atacando o suposto assassino do Bispo, pobre alma, talvez esse seja o fim dele por uma ameaça tão insignificante se comparado a alguém que possa ter poderes além do imaginada, mas o sombrio via uma oportunidade criada pelo seu colega de clã, sua morte não seria em vão...

“Realmente Miles é alguém de valor considerável como pensei anteriormente, mas sua morte não será em vão! ”

Então o sombrio que segurava sua katana em uma mão e adaga de osso na outra olhava para Miles tentava entender a cena mas também tentava mostrar em não ser uma ameaça no momento, então baixava sua guarda momentânea quando Miles mandou suas sombras para cima o alvo, o sombrio então fazia seu sangue se agitar e conjurava tentáculos das trevas nos fechos de sombras que cotiam na roupa do assassino antes do “ataque” de Miles, mas os tentáculos vão ficar inercie, caso o alvo ataque ou tente fugir os tentáculos iram impedir imobilizando o mesmo e apertando para causar dano e quebra seus ossos...
avatar
Crowley

Data de inscrição : 02/12/2010
Idade : 28
Localização : Rio de janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Ghost em Ter Set 25, 2018 12:24 am

-Urgentemente, eu suponho. Ok, já...vou.
Viro para os lados com os olhos arregalados encarando a luz piscando e penso:
"Amy, por favor. Vamos resolver isso outra hora. Meu anjo. Papai precisa ir até o Príncipe ou ele não sobreviverá para vingá-la. Por favor...mais tarde..."
Se possível,volto para o olho mágico e tento ler a aura do sujeito que me espera do outro lado da porta.
avatar
Ghost

Data de inscrição : 29/07/2017
Idade : 21
Localização : Balneário Camboriú - SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Qua Set 26, 2018 4:29 pm

Capítulo V

A Queda.


Coberto atrás de uma caminhonete 4x4 Joeph tinha a cobertura ideal, claro, possivelmente estava cercado, a dupla se mantinha atrás de um outro carro, cobertos, a rua seria o campo de batalha, estava vazio, com a movimentação da dupla, dos gritos as poucas pessoas ali começaram a debandar, exceto dois garotos que começam a filmar, Joseph avança, correndo se joga no ar com os dois pés contra um dos agentes.
Jogadas:
Agente 1 rolou 2 dados de 10 lados com dificuldade 6 para absorver que resultou 7, 6 - Total: 2 Sucessos
Joseph rolou 5 dados de 10 lados com dificuldade 6 para dano que resultou 6, 5, 10, 5, 2 - Total: 2 Sucessos
Joseph rolou 7 dados de 10 lados com dificuldade 7 para voadora de dois pés que resultou 7, 5, 10, 5, 1, 7, 5 - Total: 2 Sucessos

O golpe acerta em cheio o agente, que é arremessado contra a parede, Joseph ouve um estrondo forte, a cabeça do agente contra a parede, Joseph se mantém de pé após o ataque, e parte para cima do segundo agente, então ele perce que tem uma arma apontada para ele.
Joseph sente o projetil lhe atingir o ombro, abre sua blusa e deixa um cheiro forte de pólvora no ar, ele avança sobre o agente, o outro estava inconsciente, o ataque de Joseph fez com que seu corpo fosse arremessado contra a parede, a cabeça dele bateu
socos:
Joseph rolou 3 dados de 10 lados com dificuldade 6 para dano que resultou 3, 3, 4 - Total: 0 Sucessos
Joseph rolou 3 dados de 10 lados com dificuldade 6 para dano que resultou 10, 8, 1 - Total: 1 Sucessos
Joseph rolou 3 dados de 10 lados com dificuldade 6 para dano que resultou 2, 6, 10 - Total: 2 Sucessos
Joseph rolou 2 dados de 10 lados com dificuldade 4 para soco de direira que resultou 8, 5 - Total: 2 Sucessos
Joseph rolou 3 dados de 10 lados com dificuldade 4 para soco de canhota que resultou 8, 1, 3 - Total: 0 Sucessos
Joseph rolou 4 dados de 10 lados com dificuldade 4 para soco de direita que resultou 8, 2, 2, 8 - Total: 2 Sucessos
Agente
forte e ficou desmaiado.

Primeiro golpe, o rosto do agente é atingido em cheio, maxilar deslocado, sangue pela boca e alguns dentes quebrados, segundo golpe, errou feio, mas no terceiro, novamente, acerto magnifico, Joseph é um lutar exímio, somado a seu dom sobrenatural de força vampírica, o agente caiu, desmaiado, ao olhar para o lado, dois agentes caídos, e do clube de Jazz Jack sai correndo em direção á Joseph, passado pelo jovem que filma tudo aquilo.
- Wow, você faz isso parecer muito fácil. Diz Jack limpando a boca suja de sangue. - Que tal ir atrás desse Chivral, precisamos ajudar seu irmãzinho.





Jim

Reserva de Sangue 4/10

Somente no chão que Jim percebeu de onde viam os disparo, a Ann tinha em suas mãos uma pistola automática, ele não havia percebido, pois estava focado n mal súbito a qual Rogers estava sofrendo, ele então cede um pouco de seu sangue o Tenente.

- Vamos tirar ele daqui, tem um hospital aqui perto. O sangue que você o deu vai manter ele estável, mas nesse ritmo ele não dura muito, a doença dele é grave. Diz Ann sacando um telefone.

- Ela digita alguns botões freneticamente, a luz ilumina o rosto da garota, deixando ainda mais nitida a beleza dela, sem linhas expressão, rosto fino, olhos claro e lábios pequenos, nariz fino e bem desenhado, ela usa um jeans, camisa branca e jaqueta preta.

Jim sente algo dentro dele subir até sua cabeça, que começa a girar, sente uma fúria incontrolável querendo tomar conta. Ele está com fome e todo aquele sangue aguça seus sentidos, instiga sua fúria assassina, desperta nele o monstro adormecido, ainda que obre provação, ele não consegue se alimentar devido a sua restrição, o único sangue naquele momento que parece apetitoso é o sangue de Ann.

- Oh droga. Diz Ann olhando para Jim.

Até agora a fme o havia deixado, fraco, sentindo dores, mas a besta por algum motivo, talvez auto preservação estava sobre controle, agora, que está seguro entre aliados, a besta resolve sair do controle, ele naturalmente iria se alimentar, porém a restrição alimentar o impede, inclusive ele sente um enjoo imenso só de pensar em beber do sangue dos soldados, o único sangue que parecer apetitoso e que clama a atenção da besta é o sangue vampirico de Ann.
Teste de Frenesi:
Jim rolou 4 dados de 10 lados com dificuldade 4 para resistir ao frenesi que resultou 3, 2, 1, 8 - Total: 0 Sucessos

Jim sente o calor queimar seu corpo, a fúria se tornando incontrolável, até o ponto em que a última coisa que ele vê é ele se atirando sobre Ann.


Jim Abre os olhos, está nu em uma cama de de madeira rústica, o quarto é bem parecido com a pensão de Nova Orleans onde ele estava noites atrás, a luz da lua adentra o quarto revelando objetos jogados ao chão, livros, canetas, roupas, discos de vinil.
Uma imensa Janela revela uma lua brilhante e gorda, o quarto está bem bagunçado, mas está limpo, em uma mesinha o terno de Jim, passado e limpo, uma pistola pesada, um bolo de dinheiro, uma garrafa de Vitae com o bilhete:
"Descanse, teremos noites difíceis pela frente, foi difícil, mas achei o tipo de vitae que te alimenta, Lucas me Falou antes de desaparecer"
Ann


Crowley e Miles


A dupla cerca a criatura no meio do jardim, muito suspeito aquela visita, para Miles, poderia ser um Sabá ancião deturpado ou algum mistico, mas ainda assim, suspeito e digno de atenção, até mesmo caso ele fosse algum tipo de espião da Camarilla.
Crowley, começava a ligar os pontos, o Bispo foi assassinado, Luci teve sua mente controlada, e surge esse vulto do nada, definitivamente um inimigo, e o fato de Miles ter percebido a tempo e ter cercado indica que a dupla está no caminho certo.

- Crianças, deixem minha passagem livre ou terei que castiga-las. Diz o vulto, sua voz, parece ecoar pela noite, como se houve mais de uma voz falando ao mesmo tempo, aquilo causa um certo receio na dupla.

Miles é o primeiro a tomar uma medida mais física, fazendo remendos de sombras, sombras espinhosas indo em direção ao vulto, as sombras se mantém assustadoras sobre a silhueta daquela criatura, Crowley e Miles estão na vantagem, mas mesmo cercado a criatura não cede, exceto por um leve movimento, guardando um livro antigo dentro de suas vestes, ao fazer isso seu antebraço fica exposto revelando para Crowley e Miles um desenho, uma tatuagem.


- Lhes darei uma última chance, abram passagem e o iniciarei em profundos conhecimentos do abismo. Diz a criatura, agora a voz parece se somar a um coro, embora ninguém esteja presente, exceto os três n jardim.


Jack

Ao usar sua leitura de aura, Jack obtém o resultado a qual ele já sabia, é verdade, é tudo verdade, os horrores que ele viu, uma cidade inteira dizimada por caçadores mortais, a Rainha, cercada, humilhada, e por fim decapitada, se ela caiu os outros também, provavelmente alguns fugiram ou ainda estão escondidos, nem o Sabá é tão eficiente. Quem poderia combinar tanta força assim para derrubar o coração da Camarilla e quem vai proteger o resto do mundo do Sabá, será que eles foram alvo também?

- Obrigado por conversar conosco Jack. Diz o homem velho coçando a barba.
- Por algum momento eu achei que você iria avançar sobre nosso grupo, usar algum de seus truques para tentar nos enganar, embora devo lhe dizer que será pouco efetivo, no momento em que meu comportamento mudar nossos homens o atacariam, as chances de você sair vivo dessa seriam drasticamente reduzidas. Completa homem caminhando espetando que Jack o acompanhe.
A dupla caminha até um pátio descoberto, parece um velho jardim cm borboletario, Jack persegue que homens fortemente armados estão por todos os lugares.


Ele solicita o telefone e novamente devolve á Jack, dessa vez uma reportagem na BBC, sobre um ataque da Al Quaeda em Viena, atacando um antigo castelo da cidade, o ataque acontece hoje por volta das 1:00 PM.

- Sim, fomos nós. Diz o velho novamente. Uma mulher negra se aproxima entregando uma pasta para Jack.

- Aí estão as fotos, estão todos mortos, destruídos por uma força conjunta, exceto pelo rei, deduzimos isso pois um sarcófago nas profundezas desse castelo estava vazia. Não puderam reagiar, a luz do sol e os explosivos incendiários somados a relíquias e conhecimento da Sociedade de Leopoldo....triste fim para os Vampiros de Viena. Lamente falsamente o velho.
- Me dê nomes e endereços, isso nos fará muito felizes, independente disso, você sairá daqui são e salvo, não vá pelo aeroporto, providenciaremos um vôo para a América para você, a embaixada americana ficara mais que satisfeita em deportar você, lá você está seguro, Hellen Bauer garantirá sua segurança.
- Aliás você conhece Joseph Zedwards, Jim Jacobson, Anastazia Drukov ou Marcel Verbeuax? Indaga o inquisidor.
Dos nomes apenas Joseph um anarquista assassino que era caçado por meio mundo e MArcel o príncipe de Nova Orleans que eram familiares para Jack.







_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Qua Set 26, 2018 5:18 pm

Enoch


Se concentrando Enoch conseque visualizar a alma do individuo a sua frente, a primeira camada é pálida, evidenciando que ele seja um Kindred, a segunda camada, na parte externa brilha um fragil azul claro, indicando que ele está um pouco entendiado, ou algo assim.
Enquanto Enoch e concentra a batida na por fica cada vez mais forte.

- Eu sei que esstá ai esquisitão. Abre a porta ou vou mandar ela para baixo. Berra o homem do outro lado, dentro do apartamento as luzes param de píscar, Enoch sente uma presença mais forte, pode ser outra aparição ou quem sabe seja Shade.
O caderno cai no chão, como se alguém tivesse batido forte nele, ao cair páginas se movem rapidamente, e uma escrita em vermelho.
" Ophelia está em perigo" Definitivamente era Shade.
Enoch então começa a sentir uma presença mais forte, mais agressiva, ele ouve alguns sons que parecem de alguém sufocando e pequenos passos correndo e uma outra porta batendo.
- Droga cara...abre logo isso aí, eu sei que esta aí.

_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Zed em Qua Set 26, 2018 8:54 pm

Pontos de Sangue: 11/13 (Reembolso pelo turno passado que eu não usei)
Força de Vontade: 6/7
Vitalidade: -
Efeitos ativos: -


Escondido atrás de uma caminhonete, devolvia os gritos dos agentes que estavam atrás de outro veículo atravessando a rua. Eram berros que serviam como declaração de guerra de certa forma. Saia do esconderijo em altíssima velocidade acertando com ambos os pés o peito de um dos agentes, que batendo a cabeça contra a parede saia do combate.

O agente remanescente atirava contra mim. O tiro apenas raspava em mim sem causar ferida alguma, mas o susto já era o suficiente pra fazer valer a surra que estava por vir. Apenas com os punhos, destroçava completamente com a face do desgraçado, se algum dia ele tivesse tido uma boa aparência, agora não teria mais, nem mesmo após a cirurgia de reconstrução facial. Ambos os inimigos eram vencidos com certa facilidade, me dando tempo agora para respirar e sorrir observando o campo de batalha. – Sorry mates, no time for chit chat. – Olhava em direção a boate a tempo de ver Jack saindo com a boca suja de sangue, passando ao lado de uma dupla de juvenis que estavam filmando toda a confusão.

- Bem, você me conhece, i`m THAT good. – Tinha um ego desproporcional ao meu real poder e idade, mas meu poder crescia muito mais rápido do que esse lado de minha personalidade, e muito em breve sentia que seriam valores equivalentes.

Procurava em meio aos corpos dos agentes a arma usada para atirar em mim. Uma vez que pegasse o objeto, iria checar uma última vez se estava carregada, ou preparando para iniciar os disparos. – Ei, vocês dois! – Elevava o tom chamando a dupla de repórteres amadores. – Soltem essa merda, AGORA! – Mantinha o tom autoritário, e caso eles ameaçassem querer fugir imediatamente abriria fogo, mirando contra o que tivesse segurando a câmera. Após o disparo iria correr até ele, perseguindo-o caso ele evitasse o tiro, ou simplesmente me aproximando para esmagar a câmera com o pé.

Caso ele obedecessem as ordens de simplesmente soltar o dispositivo, ou se mantivesse imóvel durante a aproximação. Puxaria com certa agressividade o aparato de suas mãos, soltando-o no chão e esmagando a peça antes de voltar o olhar uma última vez aos mortais. – Bom, saibam quando ouvir. Se eu ver qualquer um de vocês lidando com essas porcarias de tecnologia de novo, eu vou matar vocês. Entendido? Agora vazem daqui e esqueçam que essa merda aconteceu. – Balançando a cabeça esperava que os moleques se retirassem, para que assim pudesse a me colocar a caminho de meu real objetivo. Chivral.

- Achei melhor lidar com isso antes que complicasse ainda mais. – Me explicava ao Sire. – Claro, vamos atrás de nossos amigos.... Devemos levar um destes? – Perguntaria referente a um dos agentes, talvez pudéssemos obter algumas informações. Mas deixaria a decisão para o mais velho, e se ele optasse por isso levaria o que havia apagado com o chute duplo, este ainda tinha uma mandíbula apta para conversar.

Caso Jack recusasse a ideia, antes de ir embora, ao menos iria encher a reserva de sangue. Afinal pra algo aqueles dois teriam de servir. E agora sem a presença dos garotos, poderia me alimentar sem maiores preocupações.

Em seguida, procuraria por ali um carro da BMW, correspondente ao chaveiro. Me aproximando, apontando a chave e apertando todos os botões na esperança de alguma luz acender, ou indo em direção a outro carro do modelo por perto.

Após jogar ou não o corpo desacordado no porta-malas, iria assumir meu assento como motorista. - Pra onde? – Perguntaria a Jack. Uma vez dado um destino, me colocaria a caminho. Apressado, caso fosse um carro mais potente e esportivo, brincando no caminho com minha habilidade ao volante e com o potencial de meu novo brinquedo.
avatar
Zed

Data de inscrição : 08/04/2015
Idade : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Ghost em Qui Set 27, 2018 10:05 am


Fazendo o mínimo de barulho possível, eu me agacho para pegar o caderno. Minha mente está a mil. As vozes estão agitadas. Tudo que consigo pensar é: Tenho que dar um jeito desse cara do outro lado ir embora e dar um jeito de ir até minha melhor amiga. Não posso me dar o luxo de perdê-la assim.
Tateio os bolsos internos de meu cardigan em busca de uma caneta, assim como de meu celular: e digito a seguinte mensagem:
Oph, onde você está? Se estiver em casa, fique aí. Por favor, darei um jeito de ir até você o mais rápido possível. Não abra a porta para ninguém. Não deixe que ninguém veja essa mensagem. Pode parecer paranoia, mas confie em mim, sim. Te explico tudo depois, prometo. Abraço e até logo.
Tento me concentrar em Shade e escrever no caderno: Onde ela está? Com quem?


avatar
Ghost

Data de inscrição : 29/07/2017
Idade : 21
Localização : Balneário Camboriú - SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por HaSSaM em Qui Set 27, 2018 11:28 am

Jack se assombra com as visões da verdade. Nua, crua, tinha que engolir toda aquela merda e sorrir para seus companheiros. Não que o imortal fosse chorar pelos seus semelhantes, ele não era esse tipo altruísta, mas a morte deles significava a ameaça de sua própria Não-Vida, afetando seu estilo de vida, sua ambições. Sim, eles eram um problema grave, um câncer que cresceria gradualmente, espalhando o terror e o caos. Como haviam dito, seria como em 500 anos atrás. Inferno. A mascara ruiria em suas cabeças. Sangue antigo e novo escorreria pela sarjeta sem qualquer pudor. Usariam o nome de Deus. Seria o fim do mundo no qual conhecemos. Mas isso não impedia de Jack usa-los a seu favor, pelo menos antes de serem destruídos, a vantagem deles era o elemento surpresa. "Talvez o erro deles seja me deixar entre os vivos" Pensa Jack sorrindo mas sabia que estava sendo enganado de alguma forma. "Preciso descobrir logo seus planos para mim". Não fazia o menor sentido dar um recado. Eles não poderiam ser tão arrogantes nesse ponto. Será que os anciões do velho mundo esqueceram de como assustar as criancinhas?

- Agiram de modo sensato ao preferir uma conversa amigável, as coisas poderiam ser diferentes - Jack jogava aquelas palavras no ar tranquilamente de forma serena. Colocava as mãos nos bolsos enquanto caminhava até o jardim. Seus olhos prescrutam o lugar, não se detém no guardas altamente armados, mas sim nas borboletas. - Eu entendo vocês. - Jack dizia após ser advertido sobre tentar alguma coisa. - O Medo que sentem ao encarar a escuridão. O desconforto do anoitecer. O temor do desconhecido... - Jack alivia suas palavras com um singelo sorriso nos lábios ao retornar o olhar para o homem - ...A insegurança da evolução. - Ele firma o olhar agora severo nos olhos do mortal, deixando que o sorriso morresse em seu rosto enquanto se aproxima do homem.  - A arrogância de vocês será seu declínio... Mas não agora - Ele então suaviza o olhar, pegando o telefone novamente - Como eu disse, vocês foram sensatos esta noite- Jack assistia a reportagem. "Eles estão por toda a parte, preciso agir logo!" O velho responde orgulhosamente uma pergunta oculta. Jack perde o que ia falar ao ver a mulher se aproximando e lhe entregando uma parta na qual o imortal examina cuidadosamente. Procurando algum modus operandi. "Relíquias e conhecimento" Repete Jack mentalmente. "Vamos ter problemas" Ele conclui dolorosamente.

- Porque eu entregaria Nomes e endereços a vocês? - Jack pergunta realmente interessado. Eles pareciam abertos a uma negociação, e Jack adora uma boa barganha. O rato de esgoto não era nem um pouco altruísta, e ficar, mesmo que por tempo limitado, no time ganhador não faria mal algum, lhe daria tempo para organizar as ideias, talvez sacrificando alguns vampiros pudesse tirar mais informação da organização para proveito de alguma ofensiva futuramente, um agente duplo. E eles pareciam tão tranquilos em passar as informações a Jack, pareciam quase carentes por atenção de suas grandes conquistas.- Sim, alguns desses nomes me são familiares. O que deseja com eles? - Jack iria força-los a implorar para que traísse sua própria raça, e tentaria tirar o melhor proveito disso.  - Qual real objetivo de me levar de volta a América? - (Auspícios 4)

_________________
A ressurreição de uma lenda.

avatar
HaSSaM

Data de inscrição : 18/04/2010
Idade : 26
Localização : Mundo das Trevas

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Fox em Sex Set 28, 2018 11:01 am

Os dois Lasombra permanecem inabaláveis, apesar da situação não necessariamente favorável. Crowley faz o que pode para parecer que eles dois estavam do mesmo lado e Miles entende a mensagem. Ambos invocam seus poderes sobrenaturais da escuridão sobre o alvo, que, por sua vez, também permanece firme e ordena mais uma vez, ameaçando castigá-los caso sua liberdade não fosse garantida. A voz dele é estranha, Miles surpreende-se. Que tipo de ser era aquele? No entanto, sua mente não fraqueja. Ele recua alguns passos, fazendo parecer que a ordem tinha surtido efeito, porém, o Guardião apenas queria aproveitar a posição de seu recente companheiro e cercar a  criatura. É nesse momento que ele repara o livro sendo guardado e a tatuagem revelada. Miles faz uma nota mental, pois ao menos o livro parecia importante, embora a tatuagem pudesse ter algum significado escondido, algo a que ele não conseguia ligar no momento. Um símbolo demoníaco, talvez?

A voz do ser se expande mais uma vez, tendo o eco de várias vozes acompanhando-a. Agora era uma oferta, mas havia mais significado nessas palavras. Nos anos de não-vida de Miles, ele não havia nem arranhado a superfície do conhecimento do abismo. Ele não era um estudioso. Porém, sabia que seu clã detinha a maior parte do conhecimento dessa entidade, por assim dizer. Seria aquele homem um Lasombra. Isso explicaria o tentáculo que lhe entregara a adaga de ossos segundos antes, mas por quê? Ou quem sabe fosse ele próprio um ser abissal? As perguntas empilhavam-se, mas diante disso surgia um esclarecimento. A atitude de seu inimigo parecia desesperada. Ameaçar com imponência e logo após oferecer algo em troca por sua liberdade. Se ele fosse realmente tão poderoso assim, não precisaria barganhar dessa forma. Miles sorria com o canto dos lábios, não sendo seduzido pela oferta, e proferia sua resposta para também alertar seu companheiro, apesar de não haver garantias que os dois estavam na vantagem.

- Suas opções acabaram tão rápido para ter que barganhar conosco? Qualquer conhecimento que você tenha, podemos tirar à força.

Então, Keystone começa a se movimentar para o lado oposto de Crowley, circulando seu inimigo e flanqueando-o. Uma tática de batalha para seu alvo não ter como lidar com ataques vindo de duas direções. Ele também invocava seu próprio poder do sangue, fazendo surgir das suas sombras que envolviam o homem tentáculos negros e espinhosos (Tenebrosidade 3 - Braços do Abismo). Controlava-os para envolver a cabeça e o torso do ser, esmagando-o, mas também impedindo sua visão, reduzindo sua audição e restringindo seus braços. Caso haja tentáculos adicionais, Miles posiciona um a seu corpo e os demais atacando como os primeiros.

_________________
Conheça seus propósitos, lute suas batalhas. Arme-se e prepare-se, pois as noites de outrora são brandas comparadas às que estão para chegar.
avatar
Fox

Data de inscrição : 10/03/2010
Idade : 24
Localização : Natal - RN

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Crowley em Sex Set 28, 2018 1:30 pm

O sombrio era muito analítico no momento, agia com cautela, não sabia que diabos era essa criatura, sua voz não era de um único ser e sim de uma legião.

Antony via Miles usando níveis mais abaixo de Tenebrosidade para intimidar o alvo, então aproveita o momento e conjurar 04 tentáculos das trevas nas roupas do alvo mas os deixar na inércia, não parecendo que havia um tentáculo se quer, e nesses momentos a criatura guardava um livro, algo que ele tomara cuidado antes de entrar para um combate, mas nesse momento o sombrio pode ver uma tatuagem, em fração de segundos ele puxava em sua memória se já tinha visto aquele símbolo, mas era um símbolo talvez ligado aos infernialista, pois era muito sugestivo a imagem…

“ A inquisição tinha exterminado com quase todos, será que esse ser é um dos que ainda resistem?
Pois bem, todo cuidado é pouco, ele acabou com Bispo e apagou Lucy, obviamente não é aliado, mas a grande pergunta, o que significa essa adaga?”

Crowley se questionava sobre alguns detalhes após ver a tatoo, a criatura então tentava barganhar falando sombrio o abismo, o sombrio sabia apenas o superfícial sobre o abismo, mas erra era apenas uma estratégia da criatura pois estava bem evidente que Crowley e Miles eram lasombra, pois Crowley usou os tentáculos para absorver sua queda, Miles usou as mesma para intimidar o alvo, era tão óbvio o blefe, e quem blefava buscava obviamente alguma vantagem ou tempo, mas então Miles começava a movimentarse deixando o alvo flanqueado, uma ótima estratégia, e então indagava o mesmo…

Crowley ouvia com atenção, e sorria com as palavras do mesmo, pois ambos estavam entendendo a jogada o mesmo, mas Miles não sabia com quem estava lhe dando, então Crowley indagava logo em seguida para dividir informações de forma indireta com Miles e também buscar informações da criatura…

-- Barganhar? Hahahaha- O sombrio ria diante a isso, prosseguia -- Está mais para um blefe óbvio, pois os o mesmo viu um pouco de nossas habilidades e está usando isso como argumento para tentar nos ludibriar, mas antes que meu amigo aí arranquei a força as informações tenho três perguntas…-
O sombrio falava se movimentando para garantir que o mesmo estava flanqueado e dava uma pequena pausa quando chega na posição certa, sorria e então fazia as perguntas…

-- Como ousa atacar o Bispo, para quem você trabalha?
-- E o que significa a entrada dessa Adaga apois ao ataque?

Perguntas triviais que deixaram Miles mais atento, ao menos assim pensava Crowley que todo instante agia com cautela, então Miles conjurava das trevas tentaculos espinhosos para imobilizar o alvo, e nesse momento o sombrio via uma oportunidade e então antes dos tencáculos de Miles comessem a agir o sombrio tirava os seus da inércia e no meio daquela suruba de tentaculos o sombrio usavam dois dos seus para pegar o livro e arremessae em sua direção, afinal pelo cuidado que o mesmo tevê com o livro de alguma serventia teria…

O sombrio ia caminhando vagarosamente na direção da criatura, seu sangue fervia em suas veias aumentando sua agilidade (02 PDS destreza), queria se certificar que iria pegar o livro caso no fosse arrematando com tanta força, usaria um dos tencáculos que esta sobre seu sobretudo para pegar o mesmo e levar até suas mãos isso caso a criatura estivesse presa pelos seus tentáculos e os de Miles.
avatar
Crowley

Data de inscrição : 02/12/2010
Idade : 28
Localização : Rio de janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Samuka em Sab Set 29, 2018 11:39 am

PdS: 4/10
Humanidade: 6
FdV: 8/8
÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷

Jim ouvia os disparos atingirem a lataria da aeronave e, graças a isso, podia dizer de onde vinham. O corpo, o qual usava como escudo, absorvia o impacto e algumas delas (balas), Jim sentia isso. Afinal, sangue o sujava e pedaços de carnes se espalhavam pelo chão. Ele abria seu pulso com seus dentes fazendo a vitae verter, despejando-a na boca de Roger. “Anda filho da puta, reage”, pensava Jim olhando para o lado de onde vinham os disparos.

- Vamos tirar ele daqui.

“Pra onde?”, respondia ele à Ann.

tem um hospital aqui perto.

“Mas como vamos levar ele até lá?”, retrucava ele ironicamente.

Por um instante, ele observava ela. Não cria como Ann se mantinha tão resoluta em várias situações, não apenas aquela que, certamente com suas condições sobrenaturais, poderia facilmente ser ultrapassada. Mas, o problema é exatamente este: eles poderiam, já Roger não. E Jim abria mão de dar cabo à isso, pois é lei entre militares um colega não abandonar o outro. “Onde está sua fraqueza?”, se questionava ele e enquanto a observava fuçar o celular.

Neste meio tempo, enquanto que a via digitar algo no celular, percebia que ela estava armada, mas não apenas com, talvez, uma Colt automática e, sim, com a beleza. Na verdade, era algo que comumente ele percebia nela, isto é, sempre estar armada com a beleza e sedução. Por estar agachada e o jeans slim que usava, seu olhar se tornava malicioso e passeava por ela. Podia ver o reto da coxa, o grácil, pectíneo, da fáscia e do glúteo flexionados saltando pra fora daquele jeans, que vestia suas sinuosas pernas; os bustos destacados por aquela moldura preta da jaqueta; seu pescoço fino e longo; seu queixo delicado; seu rosto delineado; seus olhos claros e sedutores; seu nariz fino; e, por fim, seus lábios, duas cerejinhas.

Jim sentia algo subir e não era a ereção. Afinal, ele se recordava que estava morto. “Shit”, pensava ao se lembrar dessa sensação. Seu olfato instantaneamente se aguçava levando uma onda de odores de sangue: o seu, dos defuntos. Ele podia identificar a origem de cada um e nenhum deles lhe trazeria mais prazer do que da Ann, certamente.

- Oh droga. Diz Ann olhando para Jim.

O capacete destroçado do soldado refletia a cena de espanto de Ann. Pelo acrílico trincado do mesmo, podia se ver Jim pondo seus caninos para fora, seus olhos mais avermelhados que um rubi, as veias de seu corpo, de sua face e ele voando pra cima dela. E ao mesmo tempo que uma bala acerta o capacete e interrompe nossa observação, o cérebro dele também dá um blackout.

Seu sistema, então, retornava. Ele abria os olhos se vendo numa cama de madeira, num quarto bagunçado de alguma espelunca qualquer de Nova Orleans. Ele também percebia sua nudez e graças a luz da lua que invadia o quarto clareando com um índigo porquê não celeste? Dentre vários objetos espalhados, ele encontra os seus: seu terno, o qual vestia-o, uma pistola de grosso calibre carregada, um bolo de dinheiro e uma garrafa com um bilhete colado. Jim pegava o bilhete e lia após ligar a luz do quarto, que era banhado agora com uma luz amarela doentia. “Noites difíceis, descansar”, repetia Jim, enquanto que apanhava a garrafa e abria sentindo o odor do Oriente, quer dizer, daquelas mulheres sedutoras por natureza. Ele levava o gargalo à boca e bebendo, animosamente, seu conteúdo. Jim sentia como se estivesse com a boca sobre o corpo de uma delas: as mulheres do Oriente, que sua mão segurando a garrafa estivesse acariciando suas epidermes macias, pelo azeite, e morenas, pelo sol. Era muito prazer. Ele até penetrava sua língua no orifício do gargalo numa alucinação de que estava beijando a dona daquele sangue, ou fazendo amor com ela. Até abrir seus olhos e ver que estava só naquele quarto, jurava que a tinha. Custou aceitar que era apenas um sonho. E da janela do quarto, após apagar a luz, contemplava a visão, seu objetivo na verdade era se localizar. Ele acreditava estar naquele mesmo quarto de antes. “Quarto 1444, será?”, se questionava.

Ação:

Após se localizar, se é que conseguiu, ele sai do quarto. Caminha pelos corredores assustadores do prédio com um papel de parede amarelo de flor de lis e lustres baratos de parede, os quais mal iluminavam eles. Fora do prédio, Jim se dirigiria de volta para o Hell's Club. Há um assunto em aberto com “aquela puta da Madame Satan, e tenho algumas perguntas pra ela”, pensava ele.
avatar
Samuka

Data de inscrição : 22/12/2012
Localização : Rio de Janeiro/RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Sab Set 29, 2018 7:49 pm

Capítulo VI


Demônios internos.

Porque insiste em causar seu próprio sofrimento?
-Pois meus Demônios me fortalecem. Mas só com a paz dos Anjos que posso ver o mundo.

Jordy de Andrade Bueno



Joseph





Joseph procurando pelos dois corpos no chão localiza duas pistolas e munição, havia uma espingarda no chão também, o Agentes estavam completamente apagados, o caso do segundo era mais grave, seu rosto estava completamente desfigurado, inchado, sangrando e com diversos hematomas, distorcido devido a fraturas no maxilar.

Quando Joseph brada com a dupla eles imediatamente largam o celular no chão e saem correndo.



- Vamos levar sim. diz Jack levando a mão até o abdômen. - Maldição, odeio quando caçadores tem disciplinas também. Ao levantar a blusa revela uma grande queimadura.



A dupla então começa a procurar pelo carro, até o achar duas quadras dali.

- Que tipo de idiota anda isso tudo para estacionar o carro.?

O carro é uma BMW moderna, bem desenhada, escura, bancos de couro branco com um display de computador de bordo, está impecável, exceto por uma garrafa de Champagne.

- Que bom que o cara tem estilo. Brinca Jack olhando o Chandon.



- Vamos visitar o Hellsclub, parece que eles podem nos ajudar.



Alguns minutos depois a dupla cruza a cidade, a medida que vão se aproximando do clube vão percebendo que possui muitas ruas fechadas, quando a dupla fica de frente para o prédio do Hells club percebem que a construção aparentemente sofreu um incêndio.

- Merda, parece que alguém chegou primeiro, vamos dar o fora daqui, talvez seu amigo Caiphas possa ajudar.

Mais uma vez Joseph vai em direção do The Lounge o clube fachada de Caiphas.

Mais uma vez as ruas parecem ter sofrido desvios enquanto outras estão fechadas, apesar da movimentação do festival, as ruas estão relativamente vazias, bem diferente do French Quarter.

- Tem algo errado. Diz Jack.

Passando de frente ao The Lounge a dupla pode ver muitas viaturas de policia no lugar, muitas pessoas sendo presas, e curiosamente alguns padres.

- Alguma ideia? Indaga Jack já que as duas principais fontes de informação parecem ter sido "pegas"



Enoch

Rapidamente Enoch saca uma caneta em busca de resposta de seu "grilo Falante" Shade era uma espécie de guia, amigo, e em algumas horas confessor, algumas vezes ele falava dentro da cabeça de Enoch, outras apenas enviava mensagens em o menor sentido, mas que se conectavam posteriormente..

Não dessa vez, ele enviou uma mensagem bem clara e ainda por cima escrito no caderno de sua falecida filha, aquilo gerou uma miríade de sentimentos para Enoch, era um signo bem representativo, como e fosse uma mensagem direta de anjo de deus ou do diabo, seja como for a mensagem foi direta e isso gerou um ponto de atenção no vampiro do clã Malkavian.

As batidas na porta cessam, Enoch aliviado suspira instintivamente, embora internamente ele sabe que o capanga de Michael dificilmente desistiu, e por um momento pensou nas consequências em não comparecer na corte do príncipe quando esse o chama, e paralelamente nas consequências que aquele capanga sofreria caso aparecesse sem Enoch.

Michael em vida foi um mafioso extremamente violento, abraçado anos 30, vindo de Chicago, ele esteve no massacre do Valentine Day de Al capone, segundo rumores teria matada seu senhor, isso após arrancar as pernas dele e o deixar para ver a luz do sol, claro, que isso horrorizou a comunidade dos Membros locais.
Porém o príncipe anterior o tinha como um capanga leal, um forte apoiador e um dos homens que sabia onde enterrar os corpos dos assassinados.
Enoch, controlando sua ansiedade que parecia querer transbordar da superfície de sua personalidade espera, uma resposta.

- Ela está em perigo e você também. Mansão Hydden Park




Jack Hunter



As borboletas voam tranquilas na medida em que regadores automáticos esguichavam água, umidificando a folha da jardinagem, o borboletaria era uma redoma coberta com tela fina de plástico com pequenos furos de cor azulada, os buracos serviam para irrigar o ambiente com oxigênio, plantas altas serviam para alimentar e proteger as borboletas e outros insetos.

- Suas colocações são bem interessantes senhor Hunter, mas me permita, não estou negociando com o senhor, estou te usando como uma mula para levar informações para nós, acredite, seu bem estar é essencial, mas qualquer outro monstro poderia fazer isso, você só caiu na nossa rede. Diz o velho colocando as mãos no bolso, em seguida pega o celular e ao fazer isso e ler mais informações Jack saca o que ele viu, um ataque á Capela Tremere de Viena, o centro do poder do clâ onde os grandes anciões, o famigerado conselho dos sete residia.

Então Jack se concentra tentando perfurar as camadas de pensamento para obter uma resposta verdadeira após indagar o porque queriam o enviar par a América.
Telepatia:
Jack rolou 4 dados de 10 lados com dificuldade 8 para telepatia que resultou 9,0, 7, 3 - Total: 2 Sucessos


Então ele perfura a primeira camada, ele apenas vê brumas, gritaria, sangue e reuniões com homens de preto, a resposta de pergunta está mais funda, o homem parece saber bem esconder o que pensa e o que sente, um espião do MI5 britânico.
Ele também vê homens com crucifixos e hostilidade entre os católicos e o grupo do espião, mas ambos fervorosos na caçada á vampiros. Ainda mais fundo ele vê o plano dele, enviar Jack para a América apenas para criar alarde, caos e pane, assim o inimigo sentira medo enquanto a célula americana se organiza em uma empresa de cachada conhecida como Biotech, ele também vê apoio da Agencia de segurança nacional americana, FBI, Pentagono e padres americanos.

- Sabe Jack, você foi o mais razoavel de sua raça a qual conversamos, talvez seja porque é o primeira que não incineramos, ou acorretamos e torturamos por horas, mas inda assim, tudo o que você tem que fazer é dizer o que ouviu aqui, entregar esse dossiê para suas lideranças, nós já fizemos nossa parte, infiltramos informações que você está conosco, de um jeito ou de outro seus líderes vão te procurar, você só vai decidir como quer chegar lá, em pedaços ou inteiro como está agora. Diz homem sorrindo para Jack.


Miles


Sombras dançam ao ar noturno, os três Guardiões pouco se importam com mortais e outros Sabás, estavam pouco se importando para qualquer tipo de discrição, naquele momento tudo o que importava é que um outsider, possivelmente Lasombra destruiu o Sabá mais poderoso daquela região, o Bispo Dominick Hustem.

Miles podia enxergar que todo o ambiente era cercado por sombras do abismo, a essa altura era difícil saber qual era de quem, exceto por uma estranha conexão mistica que o praticante de Tenebrosidade tinha com o remendo invocado nesse plano.


- Vocês nada tiraram de mim a força, mas eu poderei violar seus corpos e enviar o resto de suas mentes para o Abismo, nesse plano irei violar cada pedaço de suas almas podres. A criatura gargalha a medida em que canta em uma língua bizarra e cheia de consoantes.


- Ofereci conhecimento e negaram, agora ofereço suas não vidas e dos demais, caso neguem, terei que reclamar suas carcaças podres. Brada a criatura como se o número de vozes aumentassem, e então Miles percebe, quando ele fala, as sombras projetam bocas, agora na ausência da luz as bocas repetem o que ele diz e continuam o cântico.
Miles então resolve agir, mentalmente ordena que seus tentáculos cerquem e imobilizem o alvo, que não resistem, em seguida retiram o livro da posse da criatura, as vozes vão se intensificando, naquele momento Miles ouve um grito e da janela do segundo andar da casa, a mulher que ele vira mais cedo com Crowley cai e antes que ela possa atingir o chão um monstro alado, asas, espinhos e rabo, com quase 3 metros de altura a pega pela cabeça a jogando no gramado.
Braço do abismo:
Miles rolou 7 dados de 10 lados com dificuldade 7 para braços do abismo que resultou 5, 4, 9, 1, 7, 2, 2 - Total: 1 Sucessos

A questão é, por que o tentáculo retirou o livro da criatura?
Crowley

Sombras dançam pelo ar noturno, Crowley acompanha a conversa de Miles e da criatura, a essa altura ele percebeu que Miles cercou o alvo com suas sombras e furtivamente roubou o livro a qual o invasor aparentemente roubou do Bispo. Tecnicamente aquele livro deveria ser imediatamente entregue a Crowley, ele é a autoridade presente, o Paladino do Bispo é quem deve ter a posse dos bens do Bispo.

As bocas invocadas do abismo fazem um cântico negro, Crowley conhece aquela canção, chamada pelos antigos de Clamor da Escuridão, quando o praticante deseja invocar poderes do abismo, e se Crowley estiver certo, aquela criatura não está ali, quem está falando provavelmente é algum espirito abismo, o LAsombra que deveria estar ali, mais provável que esteja no abismo.
O livro é retirado por um tentáculo que não é de Crowley, ele identifica como sendo de Miles, pois o mesmo vai em sua direção com o livro sendo protegido, a essa altura borrões de sombras decoram o ambiente.

Quando está se aproximando daquele invasor, o corpo de sua senhor é arrmesado do segundo andar, e ante que ela atinja o chão, um monstro alado, cheio de espinhos, chifre e garras a pega pela cabeça a atira no chão, fazendo com que um suspiro seja emitido pelo corpo ferido de Luci, naquele momento uma bolha de sangue brota de seu rosto esmagado.






_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Zed em Dom Set 30, 2018 12:38 am

Pontos de Sangue: 11/13
Força de Vontade: 6/7
Vitalidade: -
Efeitos ativos: -


Assim que gritava com a dupla, os jovens de imediato se colocavam pra longe da confusão deixando o aparato para trás como ordenado. Não havia necessidade em persegui-los, gastar munição e fazer ainda mais barulho do lado de fora não era sábio, principalmente com o tempo escasso, então me dava por satisfeito em quebrar o celular caído antes de voltar aos corpos. Apenas faria uma última checagem por dinheiro, joias ou objetos de valor. Documentos e informações também podiam aparecer, ainda que não fosse meu interesse primário.

Jack estava com marcas em seu corpo, feridas do combate. E suas palavras não deixavam de chamar minha atenção, mesmo enquanto colocava um corpo em minhas costas e caminhava com ele até o carro. – Disciplinas? Achei que no máximo um carniçal pudesse ter algo assim. Caçadores?... – Quando a coisa começava a complicar com esse tipo de pessoal, meu procedimento padrão seria desaparecer, seguir para a próxima cidade esperando por uma melhora no estilo de vida. Mas não podia simplesmente abandonar tudo para trás, ao menos não enquanto ainda tinha aquela pendencia a ser resolvida. “Culto filho de uma puta... Maldita perseguição aos Caitiff... ” Ainda que sofrêssemos de muitos males comuns a todos os Cainitas, estávamos imaculados dos defeitos “genéricos” que haviam nas famílias. Eles tinham medo de nosso potencial e liberdade e por isso nos perseguiam e nos taxavam como inferiores para que assim pensássemos ser.

Após duas quadras de caminhada, finalmente achávamos a BMW preta com uma garrafa de champanhe que parecia um conjunto caro. – Não é meu tipo de bebida.... Afinal, como você consegue beber isso? – Retomava a pergunta, mas sem parar de agir, como planejado, jogava o corpo desacordado no porta-malas, e então assumia o volante, cheio de botões e visores modernos e tecnológicos. – Bloody computers... – Suspirava reticente, dando partida no veículo e seguindo até um bar indicado por Jack e que também havia sido mencionado por Ted antes de seu falecimento. Porém o local estava incendiado e diversas ruas estavam fechadas ou bloqueadas por algum motivo, o mesmo se repetia quando tentávamos nosso segundo contato, Caiphas. – Esses mortais fudidos estão por toda parte! – Esmurrava o painel, mantendo a potência sob controle. Tentava lembrar de qualquer pista, mas não tinha muito com o que trabalhar.

Não... “Alguém” meio que acabou matando o policial antes que eu conseguisse extrair tudo. – Dava um olhar sugestivo de “tu fez merda brother” ao vampiro. – Ele só disse que eu encontraria no Hells Club um convite pro tal Mercado da Dor.... – Coçava o queixo tentando lembrar de algo mais significante. – ... Ah... O Caiphas ia me levar até um tal de St John, um Tremere daqui. Mas nunca cheguei a encontrar com ele... – Eu não sabia como encontrar os Tremere da região, muito menos sabia que era o tal John, mas talvez Jack pudesse ter alguma ideia. – Talvez o corpo no porta-malas possa saber de alguma coisa.... – Era meio que minha última jogada de desespero, e ainda assim não tinha nenhuma disciplina propicia para isso, necessitando apelar para intimidação, surra ou algo do gênero.

Caso não houvesse nenhuma nova direção a ser seguida, iria voltar com o carro até um de nossos refúgios. Fosse o de Jack ou o que estivesse usando em minha estadia na cidade. Provavelmente um apartamento mais afastado, simples e pequeno. Apenas o suficiente para dormir com segurança e privacidade. Lá poderíamos ter uma conversa apropriada com nosso refém.
avatar
Zed

Data de inscrição : 08/04/2015
Idade : 22

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Ghost em Dom Set 30, 2018 3:38 pm

Apago as luzes, me visto com um sobretudo marrom escuro, boina preta e um conjunto de roupas sociais (camisa branca, gravata azul marinho, calça preta e sapatênis de couro marrom) e pego carteira, celular, a foto da Amy, as chaves do carro e ainda com o caderno aberto e Sentidos Aguçados ligados, me concentrando na visão, seguro o caderno aberto em uma página em branco e a caneta à prontidão:
E como me resolvo com o Michael depois?
avatar
Ghost

Data de inscrição : 29/07/2017
Idade : 21
Localização : Balneário Camboriú - SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por HaSSaM em Ter Out 02, 2018 11:25 am

Medo. Um sentimento tão primordial que qualquer criatura viva, e ate mesmo morta em alguns casos, era involuntariamente capaz de sentir. Jack experimentara isso no inicio da noite. A ideia de que uma imortal tão poderosa quanto a Rainha queria vê-lo e fechava o cerco a seu redor era o suficiente para abalar sua confiança. Mas estava enganado, a verdade era ainda mais amarga. Ela havia sido destruída, assim como centenas de Kindred ao redor da Europa. Hoyt havia lhe dito, e mais, ele assumia a autoria de toda aquela chacina. Não que a palavra daquele mortal fosse de alguma forma valida para o rato de esgoto, mas além disso, ele apresentou provas, na qual, uma delas era estar no momento dialogando pacificamente num dos Elísios mais famosos de Londres. E apesar disso tudo, Jack viu com os próprios olhos as impressões deixadas no ambiente. Ele viu o ultimo olhar da Rainha ao ser decapitada. Não foi bonito. Pela primeira vez, ele temeu os humanos. Criaturas patéticas que serviam apenas de alimentos e jogos para entreter a eternidade. Claro que a mascara era preservada, mas por temor dos anciões, príncipes e xerifes de todas as cidades, que ainda guardavam recordações dolorosas do passado. Não porque os humanos podiam novamente se organizar de tal forma para se tornarem uma ameaça, quem em pleno seculo 21 acreditaria em vampiros? Pelo menos era no que Jack acreditava e descobriu que nunca esteve tão errado em toda sua Não-vida, por sorte, ainda havia concerto.

Os minutos avançavam, o ponteiro do relógio girava. Por trás de todas aquelas ameaças, Hoyt lhe passava segurança, de um modo duro e distorcido. Nada aconteceria a Jack se seguisse as regras. Assim eles diziam. Jack por um momento acreditava neles. Mas nunca foi muito bom em seguir regras. E no final, medo não era a palavra para o que estava sentindo no momento. Assim como os mortais no inicio da noite, Jack estava ansioso. Ansioso pela tal guerra que os humanos declaravam, ansioso para os jogos políticos que se seguiriam nas fileiras da torre de marfim, e sobre tudo, ansioso para derrubar seus inimigos e subir na hierarquia. começando é claro com James Holland e Muslin. O momento era oportuno demais para ignorar levianamente com pensamentos altruístas de união e força, assim como era perigoso demais te-los por perto quando o conclave começasse. Afinal James já impediu Jack se tornar Xerife uma vez, não cometeria o mesmo erro.

- Que bom que esclareceu a relação de poder - Ele dizia decepcionado.

Jack novamente se equivocou, mas isso não era ruim, dizia mais sobre seu inimigo do que imaginavam, mostrava o quão inexperientes eram confiando presunçosamente que seriam capazes de destruir toda uma raça de mortos vivos sozinhos. Jack então passa tudo que sabia sobre Muslin e James Holland a ele. Endereços conhecidos, descrição física e área de atuação, deixando de fora é claro a nomenclaturas de clãs ou disciplinas, nunca se sabe o que isso pode trazer a eles. Afinal Jack era um Nosferato e conhecia o poder das informações. E não parava por ai, revelava tbm sobre Joseph Zedwards, um dos motivos foi para passar imparcialidade ao que estava informando, e tbm um pensamento a longo prazo que passou por sua mente. O caos puro e intrínseco se aproximava. Longas noites. Dias incertos. Não era aconselhável manter um rebelde a solto por ai criando ainda mais revolta com seus discursos infantis sobre Estado Livre e sobre como os anciões eram cruéis com suas crias. Pouco importava. Os anciões Fariam o que fosse preciso para se ocultarem novamente, como fizeram a 500 anos atrás. Por isso Jack delatou seu companheiro, Omitindo é claro que o mesmo era caçado por todos os lados e um Anarquista confesso. Nenhuma informação revelaria algo sobre a família, apenas sobre os indivíduos para que fosse capturados e mortos, como assim desejava.

- Com isso, espero que tenhamos uma conversa mais amigável se nos encontrarmos novamente. - (presença 1 )Jack sabia que o mesmo não hesitaria em espalhar seus miolos por ai depois que terminasse o serviço, mas não cometeria o mesmo erro que eles em deixar tão claro suas intenções e emoções. E faria uma forcinha para que se simpatizassem com ele antes de agir.

Eles tinham armas, organizações governamentais, padres ungidos com o nome de Deus, homens para dar reforços, toda artilharia que os colocava na dianteira daquela guerra. Bem, Jack tinha experiencia. A ganancia de quem esteve na lama e jurou aos céus que nunca mais retornaria. E por fim, seus truques. A mente do mortal se abre como um livro. Revelando o que qualquer um ali naquela sala daria a vida para manter em segredo. Eles não sabiam com quem estava lidando. Mula? Key, Giovanni de Las Vegas tentou fazer o mesmo com Jack anos atrás, o fim dele foi trágico, teve a cabeça separa pelo assamita que tentou forçar Jack a destruir. O mesmo acontece essa noite. Novamente, ele era subestimado. Não havia nada de novo, a historia apenas se repetia. Como sempre, Jack colhia o máximo de informações sobre o inimigo. Havia descoberto quem eram, que organizações estava apoiando aquela investida sangrenta, como eles planejavam realizar isso e sobre tudo, o mais importante,  uma rachadura na união daquela gigantesca força tarefa. Seu serviço ali havia acabado, pelo menos por ali. Já sabia para o que precisavam de Jack e como poderia escapar de seus algozes. Só precisava agora de uma ultima coisa.

- Tem a minha palavra de que entregarei a mensagem a todos. - Jack se aproxima ainda mais dele e estende as mãos para cumprimenta-lo e firmarem um acordo - Mas quero que me garanta de que irão retirar o rastreador que implantou em mim e assim, não terei motivos para não continuar sendo razoável.  - Jack aguarda uma resposta antes de caminhar lentamente para fora do Borboletaria esperando que Hoyt o seguisse, observando todos os soldados e refletindo sobre tudo aquilo. Provavelmente eles iriam tentar grampeá-lo novamente, não dava para confiar, essa seria a primeira coisa a se fazer depois que chegasse na América - Hellen Bauer me manterá seguro de vcs mesmos ? - Ele pergunta intrigado. - Ou há alguma outra ameaça que desconheço?

_________________
A ressurreição de uma lenda.

avatar
HaSSaM

Data de inscrição : 18/04/2010
Idade : 26
Localização : Mundo das Trevas

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Fox em Ter Out 02, 2018 2:16 pm

Em meio à noite sombria, Miles, Crowley e a criatura trocam palavras num clima de tensão. Seu consanguíneo também entendia o esquema do ser. Não era algo difícil de perceber, claro. Em seguida, ele usa seus próprios questionamentos para deixar Miles a par da situação. O Bispo havia sido atacado e, aparentemente, a adaga tinha tido algum papel nesse ato. O Lasombra se pergunta mais uma vez o porquê de ter recebido aquele item, mas sua maior dúvida agora era sobre a sobrevivência do líder local do Sabá. Se aquele ser tinha realmente dado cabo de Dominick, ele era poderoso.

A criatura bradava enquanto os tentáculos dos Lasombra agitavam-se e puniam-no. Miles percebe que o eco sobrenatural é emitido por aberturas que surgem das sombras. Era uma cena, no mínimo, tenebrosa. Um mortal já teria perdido a consciência em meio a tudo, mas o Cainita já tinha provado do desconhecido uma vez e não perdia o foco. Ao ordenar sua sombra, porém, ela desempenha uma ação fora de seu controle, retirando o livro da posse do ser. Teria ele se confundido com o que viu em meio a tantas trevas? Não, sua suspeita era que aquilo era obra da criatura. Com um poder assim, seria difícil, mesmo para os dois Lasombra, neutralizá-lo. Ele tenta forçar o controle novamente. Já que o livro estava com seu tentáculo, que jogasse para ele então, antes se enroscar de novo no seu inimigo.

No entanto, uma terceira parte surge no campo de batalha. Uma besta em fúria que ataca o corpo da Guardiã vista mais cedo. A aparência do monstro é aterradora. Que merda. Não havia como lidar com dois inimigos poderosos. Caso os dois Lasombra se voltassem para o monstro alado, havia uma grande chance do ser sombrio fugir ou pior, atacá-los de volta. Então, Miles se mantém concentrado no alvo inicial, saca a adaga de osso e começa a se movimentar aos poucos de volta para perto da janela. Entretanto, Crowley teria que lidar com o monstro sozinho por enquanto, só receberia ajuda em caso de emergência.

_________________
Conheça seus propósitos, lute suas batalhas. Arme-se e prepare-se, pois as noites de outrora são brandas comparadas às que estão para chegar.
avatar
Fox

Data de inscrição : 10/03/2010
Idade : 24
Localização : Natal - RN

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Qua Out 03, 2018 11:56 pm

Capítulo VI



"(...) qualquer operação militar tem na dissimulação sua qualidade básica..."



Sun Tzu " A Arte da Guerra"





Jim



Jim Jacobson não era um típico Ventrue, bom, e também com certeza não era uma aberração, era além de um tipo mediano e abaixo da expectativa da maioria dos demais Kindred, sejam eles Ventrue ou não, embora a expectativa de padrão interna dos Ventrue ao que parece era bem baixa aos olhos de Jim e a opinião do resto dos clãs era no mínimo condescendente. No fim, Jim era uma espécie rara, e algo valioso que os Ventrue perderam séculos atrás quando a cavalaria perdeu espaço para a indulgência prazerosa do mercantilismo até as noites modernas onde o capitalismo facilita tanto que eliminou boa parte da Dignitas Ventrue. Jim ouvira sempre Clark dizer que muitos defendem que os Brujah são uma casca morta viva do que foram um dia, mas os Ventrue são muito mais pálidos, por isso seu criador sempre abraçou soldados, ele próprio um soldado e toda a linhagem até o fundador, que segundo alguns foi eliminado por um Brujah anarquista. Jim era um soldado, Ann era uma espiã militar, clark foi um soldado que inclusive atuou na guerra civil americana, Louis Franco foi um soldado na revolução francesa e Magnus falou da glória de Roma, todos soldados e não almofadinhas viciados no capital e no prazer.



Jim se recuperou de um frenesi e antes disso teve sua não vida salva por Rogers, e nesse momento ele pensa onde poderia estar o sargento, provavelmente Ann o levou para algum hospital militar, assim Jim espera, agora que está devidamente alimentado o jovem Ventrue recobrou sua consciência e é capaz de discernir longe da prisão da fome e de algozes mortais. Seja como for, ele tem assuntos pendentes, então se lança na noite, em busca de respostas, o HEllsclub parece ser o mais óbvio, era hora de acertar algumas pontas, a começar por quem o traiu, ou ajudou ou deixou que o fizessem, Lucas, jogada de meste, parece que a vivência na mansão dos grandes anciões o deixaram bem esperto, não importa, ele está morto.





Hellsclub

Nova Orleans

03:47PM





Madrugada a dentro as ruas parecem estar mais calmas, é o festival Burlesque, trazendo mortais e outras coisas fantasiadas, deixando aflorar o espirito da sensualidade, roupas stripers e sadomasoquistas, ou apenas lingeries e sungas, são as fantasias usadas pelos mortais que vagam na noite encoberta por uma fina camada de neblina da cidade, Jim percebe também que muitas ruas estão fechadas pela polícia e ele pode ver ao menos uma viatura do FBI ou de outras autoridades americanas, ao caminhar pela rua do clube, já que a mesma foi fechada para trânsito de veículos, Jim avista um caminhão do exercito e instintivamente esconde seu rosto e caminha mais nas sombras, não queria ter que enfrentar a rainha branca de novo dentro de um quartel sujo.

Ao mesmo tempo que existe um clima noir de sensualidade burlesca também emana desolação, ele está só, caminhando solitário naquela cidade assombrada, antiga e escura.

Então ele pode ver o prédio do HellsClubb, outrora glorioso, luminoso e seu ar gótico agora é apenas uma carcaça retorcida, queimada diante de um grande incêndio que já foi controlado, mas deixou marcas indeléveis, o local foi fechado pela polícia, as fitas amarelas deixam bem claro que as autoridades locais ainda não terminaram sua investigação, embora aparentemente não tem ninguém dentro do prédio.

Jim adentra nas entranhas do prédio retorcido pelas chamas , está tudo muito escuro, as chamas deixaram tudo enegrecido, fuligem mancha todo o local, tudo destruído em um cenário de pesadelo, ele caminha mais um pouco e tem a sensação que está sendo vigiado, embora não consiga ver ninguém. Continua caminhando, como se o prédio queisesse falar algo com ele, então ele entra na sala onde encontrou as garotas Ventrue, pode ouvir a voz delas, os gritos de horror da assistente quando é assassinada a sangue frio, no chão ele ainda vê a marca retorcida do cadáver, queimou junto com o prédio, o corpo foi retirado, mas a marca dele ainda está no local, ele pode ouvir a voz monótona de Lucas, ele falando de sua morte de forma natural, quase sorridente, e como ele enviou aquele vídeo para cada Ventrue da região, se isso for verdade, Jim vai ter problemas.

Então ele tem um Insight e pode ver o que de fato aconteceu, a mulher gritava com ele enquanto ele agonizava, o veneno o devorava de dentro para fora, fazendo o agonizar no chão, vomitando sangue e gritando de dor, uma armadilha.

Então ele fala, em como ela vendeu carniçais e vampiros desgarrados para a Biotech, fazer experimentos, entregava vampiros persona non grata, tudo autorizado por um dos homens do príncipe Marcel Gibraux, Clark foi radicalmente contra, mas havia Ventrues de alta hierarquia apoiando esse genocídio, ela até dá um endereço.



- Não acredita pequeno Jim, vá até o road 56 na entrada B. Bradava ela enquanto chorava, ciente que estava cometendo uma atrocidade.

Repentinamente luzes e um helicóptero, gritos e homens com roupas militares, Jim é jogado ao chão, apreendido facilmente, seus dons de sangue o traem, a garota é decapitada por rum velho padre, a Rainha Branca entra em cena.

- Leve esse para a base. Diz ela olhando a seu arredor.

Quando Jim é levado arrastado, preso por meras algemas, é jogado dentro de uma viatura do exercito, ao olhar para tráz agonizante, ele vê uma imensa bola de fogo, golfando o que foi o maior clube anarquista do Sul..



- É eu sei, esse lugar me causava arrepios quando funcionava, agora é mais terrível ainda. Diz uma voz de barítono, rouca, porém firme. Das sombras surge um homem negro, usando boné negro, jaqueta escura de moleton e calça jeans.

- Olá Jim, parece que você ainda não se apresentou ao príncipe da cidade. Diz ele de forma suave.





Saint Charles Avenue 2666

Nova Orleans.



Jim é levado, o homem que o abordara era Vincent Black, o Xerife da cidade, ambos entraram em um land Roover escura blindada e partiram para a apresentação ao príncipe da cidade, Vincent é bem educado e solicito com Jim todo o tempo, o carro era precedido por um Prius sedam e precedido por um ford Focus, o grupo troca de carro antes de chegar no endereço, uma suntuosa propriedade de meio quarteirão, na principal avenida da cidade, a entrada um imenso jardim com chafariz e iluminação precária, a propriedade contava com pelo ao menos 5 construções, sendo a principal uma mansão de três andares, branca, estilo colonial porém com aspecto lembrando a casa Branca americana.

O hall de entrada era abarrotado de mobília antigas e fotos da guerra civil, Jim pode ver vários outros Kindred, é a primeira vez em anos que vê tantos, de diversos clâs reunidos, ele não vê nenhum que possa parecer com o estilo selvagem dos Gangrel ou com aparência exótica dos Brujah, a maioria são bem vestido, em um estilo de gala.No centro de um pequeno grupo um homem loiro, cabelos longos até o ombro, usando um terno renascentista toca um piano, uma música triste, lenta. O lugar é pouco iluminado e serviçais servem vitae e vinho, mortais seminus replicando o festival Burlesque caminham pela multidão oferecendo seu sangue, obviamente estão dominados.

- Espere na biblioteca lá encima, Marcel irá vê-lo. Diz Vincent black de forma tranquila enquanto caminha pela multidão em direção ao príncipe, Jim pod ever o Xerife falando algo ao pé do ouvido do príncipe da cidade.



Biblioteca George Washington

Le Maison Dulac.

Charles Avenue Nova orleans

04:25PM



A porta se abre revelando a silhueta de Marcel, ele parece ainda mais elegante do que quando estava sentado ao piano, ele está descalço, e é mais alto que aparentava, seus cabelos loiros lhe cobrem uma parte da face, em forma de caixos delicados.



- Merci. Diz o ancião enquanto entrava e se sentava em uma poltrona da biblioteca ignorando o grande trono presente.

- Finalmente conheci o famosa Jim Jacobson, cria de Clark e descendente de Magnus o Antigo, respeito meus aliados e os descendente de meus inimigos ainda mais. Diz ele sorrindo enquanto bebericava sangue de uma taça de cristal.



- Me diga Jim, a que devo a honra de estar na minha cidade?






_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Crowley em Qui Out 04, 2018 11:32 pm

A noite estava apenas começando, e ao menos estava rendendo adrenalina o suficiente para o sombrio que a achava que sua nova função seria um tédio, mas a mesma chegava ao seu fim de forma inesperada, aquela criatura, aquele ser....

“Não consigo identificar com o que estou preste a enfrentar, mais que merda! ”

O sombrio reconhecia parte do cântico, então puxava em sua memória do que exatamente se tratava, sabia que estava por invocar alguma poder do abismo e que seu tempo estava curto então sem pestaneja usava seu tentáculos que por hora o envolvia em uma forma de casulo, contraindo para quebra seus ossos ou seja lá do que seja feito essa criatura e com isso tentava silencia-lo para interromper sabe-se lá o que  mas sua atenção era parcialmente desviado quando sua mentora tentava fugir da aberração, a mesma falha e é arremessada contra a grama daquele pequeno jardim, o sombrio fica em dúvida sobre qual ação tomar, a criatura poderia invocar um poder capaz de destruir todos no local, a  criatura poderia dar um fim em Lucy ou ir para cima dele mesmo, eram  muitas variantes e sabia que estava sozinho pois momentos atrás Miles parecia recuar e um dos tentáculos de Miles agia primeiro e jogava para o mesmo...

“E agora? ”

O sombrio se perguntava enquanto queimava seu sangue e levantava sua guarda, teria ele três opções, mas qual seria a melhor, que não o levaria a sua destruição. Seu sangue agora espalhava por seu corpo, aumentando sua habilidade físicas (01PDS Rapidez, 01PDS Vigor), e enquanto seus tentáculos destruíam aquela forma humanoide ele se preparava para sua próxima ação que estaria mais para uma reação em desencadeada...

(OFF: segue Opções das ações possíveis levando em consideração algumas resoluções da cena)

1º Opção”:
   
“Bom caso essa besta aterradora taque Lucy vou saltar para cima da mesma e vou usar 04 dos meus 05 tentáculos que possuo para imobilizar e em seguida vou desferi meus golpes com a katana usando minha velocidade, quero ver essa coisa conseguir desviar disso tudo! (01 tentáculos fazendo a minha proteção, e a criatura teria que desviar de cada tentáculo e depois dos meus ataques de rapidez, total 09 testes de esquiva)! ”

2º Opção”:

“Caso essa criatura tente me atacar vou usar 04 dos meus 05 tentáculos que possuo para impedir, e se mesmo assim ela ainda continuar atacando vou usar minha velocidade para apara (manobra de combate) os ataques com a minha espada (01 tentáculos fazendo a minha proteção, e a criatura teria que desviar de cada tentáculo e depois do teste de aparar com rapidez)! ”

3º Opção”:

Caso a aberração  que jogou Lucy contra o chão descida atacar Miles ou o outro ser no jardim o sombrio em sua primeira ação padrão antes da rapidez surtir efeito vai conjurar “mortalha das trevas” em todo o local e depois com a ação de rapidez ativa ele vai usar a adaga de osso para desferir o dois primeiro ataques na  brechas que seus tentáculos deixaram para que seja desferido os ataques contra a criatura do abismo, porem o sombrio não estar com a intenção de destruir o ser por completo sua intenção é saber do que ele e a adaga são feitos, e por tanto caso os ataques com adaga não surta efeito contra a criatura do abismo ele vai finalizar os ataques com sua katana.
avatar
Crowley

Data de inscrição : 02/12/2010
Idade : 28
Localização : Rio de janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Samuka em Sab Out 06, 2018 7:42 pm

PdS: 04/10
FdV: 08/08
Humanidade: 06
÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷

O sangue minava de uma fenda de mármore, descia pela estrutura e escorria pelo rodapé da parede até os corredores. Os ratos e outras pragas se alimentavam daquele sangue. Poucos seres conheciam aquele lugar, uma necrópole abaixo da Rosslyn Chapel, abarrotada de mausoleums e galerias com “mortos” cavaleiros. O que poucos sabem é que ali foi, ou ainda é, o QG da Ordem dos Cavaleiros de Sangue. A tropa de elite que manteve por muito tempo o Status Quo até a criação da Camarilla. Há quem diga que, na verdade, eles controlam a Camarilla, essa é apenas uma criação para tratarem de assuntos mais diplomáticos e políticos. Além disso, que a grande maioria dos Justicars são ordenados cavaleiros da Ordem, ainda que sejam de clã distintos, como acontece com Alastors; no princípio, se restringia somente aos Ventrue, agora vemos uma grande mistura, os quais seus títulos ainda permanece entre as dignitas do clã como prova.

São coisas que permeiam o imaginário de todos neófitos sangue azul, e no caso de Jim havia um agravante: sua estupidez, que acabava gerando, consequentemente, uma profunda curiosidade. São coisas que ele quer conhecer, mais: fazer parte. Afinal, o poder é seu sonho de consumo, ainda que possa trazer seu fim mais rápido. “Pelo menos, poderei me defender sem medo”, concluía ele. Após saciar-se, o agora tomava sua atenção e estava profundamente relacionado com o Tenente, Ann e, sem dúvida, com Lucas. “Como esse filho da puta mesmo morto consegue ainda me trazer problemas?”, se questionava ele indignado.

Clark poderia lhe ajudar a responder muitos questionamentos, mas ele não era fácil de se encontrar. Não era quando Jim queria. Os seus encontros eram breves e imprevisíveis. Jim não estava mais no Agoge. Ele estava livre e a mercê de sua sorte. Sua mente volta, como uma fita rebobinando e parando na Amanda, justamente no Hell's Club. “Tenho que falar com ela, saber mais desse Marcel”, pensava ele. Então, ele sai. A baixa temperatura, da madrugada em Nova Orleans, condensava pequenas gotas de água formando um véu. O mar estava quente, mas na superfície uma brisa úmida e gelada vinda do Norte, provavelmente. As ruas desertas diziam muito, era carnaval. Os sentimentos mais primitivos da sociedade eram liberados, na verdade era quando podiam ser expressados, literalmente. Uma válvula de escape da loucura social que é repreendê-los. Muitos, com certeza, agradecem, como sanguessugas também. Contudo, os giroflex em cada quarteirão e esquina do Centro dá o tom, o ritmo: estão livres, mas nem tanto assim - ainda. Apesar do frio, das pessoas emanava calor - literalmente. Em cada beco, praça e carros estacionados ouvia-se gemidos, ainda que baixos. Certamente, em cada mesa de cabeceira, em cada porta luva, em cada bolso ou por dentro de cada sutiã deve-se haver uma aliança escondida. O sexo estava no ar e começava com apenas um olhar. Olhos seguiam Jim e ele apressava seus passos rumo à boate do inferno. Afinal, depois de tudo “já devo ter uma penca de amigos que querem me fuder, literalmente”, concluía ele.

Finalmente, ele chegava no clube, ou no que restou. “Shit, o que aconteceu aqui?”, se questionava ele, enquanto que ultrapassava as fitas e adentrava no prédio destruído, além de aparentemente abandonado. Seus olhos ora podiam ver o prédio atual e o que fora com pessoas dançando etc. Ele se lembrava da primeira vez que esteve ali e de como fora recebido pelos cainitas refugiados ali. Ele sorria ao entrar pela porta principal, a qual caía no chão pelo movimento e fazia flutuar as cinzas. Pensava consigo que isso fosse uma consequência por como o trataram. Não havia nada além de cinzas e coisas carbonizadas ou retorcidas. Jim caminha pelo prédio, até se perde. Afinal, na última vez havia entrado pela porta dos fundos. Mas, ele alcança o lugar onde teve sua reuniãozinha com Amanda e até podia ver ela ali junto com a Sophia. Eram apenas fantasmas da sua mente. Uma marca, contudo, lhe chama atenção, pois certamente era de algum morto. Sua linhagem não permitia descobrir nada além disso: uma marca, um morto. “Mas quem? Será de Amanda?”, se questionava Jim que caminhava até onde caiu de joelhos por causa da peça que Lucas lhe pregou.

E enquanto seus sapatos ficavam poucos centímetros do ponto onde tudo aconteceu levantando poeiras, cinzas, que eram iluminadas pelos postes de rua, como faróis de carros que contornavam a área e suas luzes invadiam o recinto, Jim tinha um insight. Ele levava a mão ao queixo, assim que as lembranças vinham e invadiam sua mente. Amanda falava algo sobre experimentos com carniçais e vampiros desgarrados. Falava sobre Biotech, que coincidentemente ele pesquisava. Falava também de Marcel, que não era muito amigo de Clark nem de Lyanna.
“Road 56, entrada B”, repetia Jim, que ao ameaçar se retirar do lugar era atordoado por várias luzes contra seu rosto. Ele ouvia barulho de helicóptero e dele algum oficial gritavava no megafone: “Freeze! Hands up!”.

Jim simplesmente erguia as mãos. Mas voltava atrás, não iria se entregar fácil. “Só helicóptero?”, concluía erradamente ele que ao se pôr em correr recebia uma cacetada nas pernas e muitos homens de preto se atiravam sobre ele. No chão e algemado, ele via Amanda cair decapitada pelas mãos de um velho padre, logo em seguida a Comandante ariana. Foi assim que ele foi pego pelos militares. E foi assim que Amanda e Cia do inferninho de Lyanna caíram.

Então, uma voz rouca interrompe seu insight trazendo-o de volta. Ele olha em sua direção e da escuridão vê surgir um homem negro vestido como burglar.

- É eu sei, esse lugar me causava arrepios quando funcionava, agora é mais terrível ainda.

“Quem é você?”, questiona ele.

- Olá Jim, parece que você ainda não se apresentou ao príncipe da cidade. Diz o sujeito de forma suave.

O sujeito se apresentou como Vicent Black, que rapidamente ele associou como provavelmente o Xerife. Afinal, “era ele quem Amanda também queria ferrar”, concluía Jim que depois disso não tirava seus olhos curiosos sobre tal Black.

“Black!? Acho que inevitavelmente não tem como nenhum de nós não saber de você”, respondia Jim que prosseguia, “realmente, ainda não tomei cházinho com Vossa Alteza, com um convite desses também não rejeitaria, vamos à ele”, finalizava Jim sério, mas com tom zombeteiro.

Vincent o levava até um veículo próximo ao destroços do Hell's Club. Vincent manobrava o veículo e Jim percebeu quando este piscou o farol para um outro veículo. Não era mais uma carona, mas uma condução coercitiva. “Isso não é legal, legalmente falando”, pensava Jim que, descaradamente, jogava uma piadinha para Vincent, “parece que esse tal Marcel é precavido para caso alguém rejeite o chá das 5, né? Pelo jeito, o não é um tipo de resposta que ele não gosta muito de ouvir”. Vincent apenas olhava pelo retrovisor para Jim. “Isso é o suficiente”, concluía ele. Eles seguiam escoltados pelo outro veículo e na rodovia Vincent e Jim trocaram de carro. “Para não seguir-nos”, pensava Jim ao se sentar no outro carro.

Logo depois, Jim se via entrando numa mansão esplendorosa. Chic uns diriam. Além disso, vários outros cainitas reunidos. “Wow, aquele é um como eu, aquele outro também e aquela lá também”, concluía ele atônito pela quantidade, era a primeira vez que se encontrava com tantos num só espaço. Ele até podia identificar as linhagens de sangue deles pelo estereótipo. Contudo, um lhe chamou mais atenção. Este tocava piano, tinha uma aparência européia e estava rodeado de belas lacaias e lacaios. Vincent, então, dizia:

- “Espere na biblioteca lá encima, Marcel irá vê-lo”, que caminha pela multidão em direção ao príncipe, Jim pod ever o Xerife falando algo ao pé do ouvido do príncipe da cidade.

“Tudo bem”, respondia Jim que após observar com atenção a cena subia as escadas.

Jim era surpreendido pela chegada inesperada do Príncipe e subitamente se levantava a sua entrada. “Excêntrico”, pensava Jim, enquanto o olhava melhor agora mais próximo.

- Merci. Diz o ancião enquanto entrava e se sentava em uma poltrona da biblioteca ignorando o grande trono presente.

Seja pelo sotaque afrancesado ou pela atitude inusitada do Príncipe, Jim deixava escapar um leve sorriso na cara. Ele rapidamente tirava de seu semblante. “Realmente excêntrico”, concluía ele que respondia, “nothing, my highness”.

- Finalmente conheci o famosa Jim Jacobson, cria de Clark e descendente de Magnus o Antigo, respeito meus aliados e os descendente de meus inimigos ainda mais. Diz ele sorrindo enquanto bebericava sangue de uma taça de cristal.

“Eu mais ainda por saber suas boas intenções”, replicava Jim logo que o Príncipe se auto silenciou ao beber da taça. Era evidente que era uma declaração irônica, perigosa, mas ele sabia que se tratava de um elysium e ali havia leis maiores do que o Príncipe. Marcel, então, o questiona:

- Me diga Jim, a que devo a honra de estar na minha cidade?

Jim iria responder com outra ironia, mas se refreou e sabiamente. Não é bom abusar delas numa conversação. “Estou apenas de passagem, my highness, e como manda nossas tradições estou eu aqui lhe pedindo autorização para permanecer em seu domínio enquanto for necessário. Meus assuntos estão longe da magnitude que devem ser os seus. Meus objetivos aqui também não são tão grandiosos quanto devem ser os seus. Sou apenas um mero vassalo indigno de sua exclusiva atenção”, finalizava Jim se curvando levemente ao Príncipe, que esperava ter saciado a curiosidade de Marcel mais do que aquela vitae na taça.

Príncipes geralmente gostam de pessoas bem informadas, Jim sabia disso. Quer dizer, qualquer um no poder gosta de ter pessoas que lhe traga o maior número possível de informações. Caso o interesse do Príncipe em Jim permanecesse, ele o encheria de informações, mas sobre mortos. “Na verdade, my highness, um lacaio foi descoberto conspirando contra sua pessoa, o que é abominável entre nós, filhos de Ventru. Independentemente das relações de nossas famílias, um lacaio jamais deve conspirar contra cainitas”, era uma distorção de uma tradição entre os sangues azuis, a qual diz que se um lacaio se pôr contra seu Sire é digno de morte, mas Jim queria deixar uma boa impressão ao Príncipe e que tinha as melhores das intenções, assim como Clark - o que não era verdade -, então finalizava, “este lacaio está morto, eu o matei e soube que outros cainitas, talvez, estivessem dominando-o, estes, que desejam seu mal, estão sob sua majestade descaradamente maquinando sua queda, aliás não pude eliminá-los por um contratempo”. Ele esperava que isso venha mudar o coração morto real ao seu favor.
avatar
Samuka

Data de inscrição : 22/12/2012
Localização : Rio de Janeiro/RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Dom Out 07, 2018 5:13 pm

Capitulo VII


"O curioso caso dos Tremere"

Joseph

As coisas encontram um imenso nó quando as principais saídas parecem estar anuladas, O Lounge de Caiphas aparentemente inacessível, o hellclub incendiando, ruas tomadas por caçadores de vampiros, as coisas iam de mal a pior, mas nesse caos, Joseph sente uma pontada de satisfação em saber que agora os outros vampiros sentem o que ele sente toda a noite, o ostracismo a perseguição e o estado de pânico e fuga a qual ele está mergulhado.

- Não é uma boa hora mas eu menti para você em algumas coisas. Diz Jack pela primeira vez sem esboçar um sorriso.

- Mas antes de falar sim, eu realmente queria ver você e Morretes, são minhas crias, meu sangue..cara como é difícil, mas lá vai. Eu fugi do velho mundo, as coisas meio que saíram do controle, eu fiz as pazes com Zakary, eu estava em Viena quando aconteceu a mesma coisa que tá acontecendo aqui, mas lá às coisas foram piores, vampiros foram arrastados no meio do dia, explodiram o Elísio, a Capela Tremere, eu escapei por pouco, Fugi com Zakary, parece que atacaram a base dos Tremere, depois disso não vi mas nenhum deles, estão sem líderes e o conselho dos sete anciões parece ter desintegrado diante das bombas incendiárias e homens Santos, na mídia falaram que foi o Estado Islâmico, em seguida atacaram Londres e Paris, essa última ainda resiste, não sei por quantas noites, mas resistem, Zakary gostaria de ver você, ele queria se desculpar, e eu também. O ancião diz essas palavras obliterando todas as linhas de pensamento de Zés, que dirige o carro sem prestar muita atenção mas feliz por não ter ninguém perseguindo ele, exceto a polícia federal mais assertiva do planeta.

- Caiphas provavelmente está escondido ou morto, mais provável escondido, quando ele te visitou eu segui onlacaio Dele, é um funcionário do museu de história oriental da universidade local, depois de interrogação desse mortal podemos dar um pulo lá,não recebi o Tremere, eu soube que agora são vendedores de segredos e magias. Tudo aquilo deixa Joseph atônito e muito curioso, mas então ele começa a ver vultos, sombras começam a circular o carro, vultos distorcidos e repentinamente algo bate no carro virando o veículo.



_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum