Sombras e Pesadelos

Página 5 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5

Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Ghost em Sab Nov 03, 2018 1:24 am

Tudo o que eu consigo pensar é em Ophelia, me perguntando com estaria sua integridade física. Observo todo aquele lugar, tentando mostrar um misto de curiosidade e nervosismo, até me voltar para o Príncipe, quando este se dirige a mim. Tento esboçar um sorriso descontraído e confiante:
-Bom, pelo menos teve a gentileza de me convidar, não é mesmo? Boa noite, Alteza. Perdoe-me ser tão direto, mas, o que deseja de mim, senhor?
avatar
Ghost

Data de inscrição : 29/07/2017
Idade : 22
Localização : Balneário Camboriú - SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Crowley em Sab Nov 03, 2018 2:04 am

A noite de terro estava apenas no início, o sombrio via-se no meio daquele inferno provocado por alguém que continha o segredo de seu clã e isso era vergonhoso para o mesmo. O sombrio queria dar o fora do local antes que os federais chegassem e deixassem as coisas  mais caóticas, mas antes ele tentava levar mais alguém além dos dois pedaços de carne que carregava no momento, então ia para a casa da qual o Miles havia sido arremessado momentos atrás, o sombrio adentrava a casa, via vultos no andar de cima após chamar por Miles, o sombrio subia as escadas sorrateiramente mais ao chegar no local o vulto que era de um homem com um dos olhos vermelhos desaparecia e agora ficava apenas os dois guardiões naquele local, o sombrio sabia que aquela manifestação todas se tratava de alguém muito poderoso, talvez um antediluviano ou de suas crias os matusaléns, mas por hora o sombrio só pensava em se reagrupar e dar o fora do local, mas durante esse flash de acontecimentos era indagado por Miles que estava no mesmo o local, o sombrio estava com um olhar distante antes disso mas Miles tinha sua atenção...

Miles- - Então acabou?! Quem sobrou além de nós? Presumo que a criatura tenha desaparecido.

-- Por horar acredito que sim. Temos mais dois de nós lá na entrada perto da caminhonete. Sim, ela se foi, fez seu papel, destruiu, separou e retardou nossos planos! - Dizia o sombrio colocando sua katana de volta na bainha e fazendo com que suas sombras de acalmassem e voltassem para dentro de seu sobretudo.

Miles- E o que realmente aconteceu com o Bispo? Você disse que ele foi atacado.

-- Uma longa história, venha, lhe conto no caminho. Precisamos ir antes que os federais cheguem nesse lugar. – Diz o sombrio voltando a descer as escadas, no caminho procurava chaves de carro e ia em direção a caminhonete.

(OFF: presumindo que Miles o siga, ele continua)

-- Há muito mais em jogo nessa história- Dizia Crowley parado olhando para as duas imortais em torpor.
O sombrio pegar os corpos e os colocavas dentro da caminhonete, caso não tivesse as chaves iria usava suas habilidades para fazer uma ligação direta. Durante esse processo ele explicava algumas coisas a Miles...

--Não se sabe o que houve de verdade com o Bispo, pois assim que tivemos aquela nossa conversa no salão, lembra? Então em seguida fui até os aposentos do Bispo e chegando próximo vi a porta aberta coisa que o incomodava, achei estanho, mas ao entrar me deparei com Lucy no chão, ferida e confusa com se alguém tivesse entrado em sua mente, o vento soprava pela janela então vi o vulto no jardim e pulei, onde me deparei entre você e aquela criatura.

--O demônio voador aí- dizia o sombrio no momento que colocava o corpo da paladina no carro. – Acredito que seja uma paladina também e ao ver a mesma cena que presencie perdeu o controle e atacou todos nós, estava descontrolada argumentar não seria possível, eu mesmo quase perdi o controle e todo o resto você presenciou.
Logo em seguida ele dava a partida no carro e virava para Miles...

--Precisamos rever os próximos passos, mas por hora tudo o que podemos fazer é se reagrupar no Diocese em Gary, o Templo dos Murmúrios eternos.

-- Vamos? Assim no caminho poderá me contar o que aconteceu no salão e como você foi parar no jardim? E já estava esquecendo quem lhe deu a adaga de osso?
avatar
Crowley

Data de inscrição : 02/12/2010
Idade : 28
Localização : Rio de janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Fox em Sab Nov 03, 2018 2:52 am

Miles já imaginava que todos os Sabá restantes haviam dispersado. Reuni-los uma vez já foi difícil, faze-lo de novo iria ser praticamente impossível. Se o objetivo do ser sombrio era atrapalhar os planos da Espada de Caim, ele realmente fez um ótimo trabalho. Os dois Lasombra descem pelas escadas para sair da casa. Miles continua atento, observando os arredores para não ser surpreendido por outra aparição repentina. Ao chegar no veículo, eles continuam o diálogo.

"..."

- Vamos? Assim no caminho poderá me contar o que aconteceu no salão e como você foi parar no jardim? E já estava esquecendo quem lhe deu a adaga de osso?

- Ah, então você viu a adaga?! - fala Miles, entrando no carro e mostrando o item por baixo de sua jaqueta - Ela simplesmente apareceu na minha frente, segurada por sombras. Peguei por instinto logo após uma briga começar entre os bandos no salão. Depois disso, avistei o intruso no jardim e o segui. O resto você já sabe.

- Eu vi como você ficou ao atacar com a adaga. Sorte que recuperou o controle. Como conseguiu a sua?

Miles faz uma pausa para colocar os pensamentos em ordem e, então, mudar de assunto.

- Na pior das hipóteses, o Bispo teve seu fim e não sabemos como. Nossa melhor chance é sua companheira despertar e lembrar do que aconteceu. Apesar de não resolver o problema, isso pode nos ajudar a decidir o que fazer depois. Se não der certo... bem, vai ser um problema. Você conhece esse templo para onde estamos indo e quem é responsável?
avatar
Fox

Data de inscrição : 10/03/2010
Idade : 24
Localização : Natal - RN

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Crowley em Sab Nov 03, 2018 9:18 pm

A noite estava sendo um desastre, mas nem tudo estava perdido, ainda havia esperança para a tomada daquela cidade, mas acreditava que por hora seria mais sábio deixar os federais enfraquecer a seita rival, isso daria tempo para um novo plano.

O sombrio voltava para o carro, Miles vinha logo atrás com a guarda alta, não queria ser pego de surpresa, já Crowley estava com a mente em outro lugar, precisava contatar outros membros para informa o ocorrido e talvez o templo dos Murmúrios fosse o próximo alvo.

Ao chegar no carro o sombrio contava tudo a Miles como havia prometido e ambos mantem o dialogo enquanto o sombrio fazia os preparativos para a fuga, o sombrio comentava sobre a adaga então Miles diz:

Miles- - Ah, então você viu a adaga?! - Falava Miles, entrando no carro e mostrando o item por baixo de sua jaqueta - Ela simplesmente apareceu na minha frente, segurada por sombras. Peguei por instinto logo após uma briga começar entre os bandos no salão. Depois disso, avistei o intruso no jardim e o segui. O resto você já sabe.

--Eu me fiz muitas perguntas quanto a isso no caminho para o escritório do Bispo, por hora pensava que estava sacando a arma contra minha pessoa mas vi que ela lhe foi entregue como se estivesse sendo oferecida e não quando estamos usando nossas sombras para sacarmos as armas...

Então o sombrio tentava dar a partida no veículo enquanto Miles prosseguia...

Miles - Eu vi como você ficou ao atacar com a adaga. Sorte que recuperou o controle. Como conseguiu a sua?

-- Nem me fala, elas cotem algo que nos controla, parece ter desejos próprios, nem pensem em usar se não estavam com suas intenções em ordem, ela pode te corromper facilmente. Ela estava no chão do escrito do Bispo ao lado do corpo catatônico de Lucy...

Miles- - Na pior das hipóteses, o Bispo teve seu fim e não sabemos como. Nossa melhor chance é sua companheira despertar e lembrar do que aconteceu. Apesar de não resolver o problema, isso pode nos ajudar a decidir o que fazer depois. Se não der certo... bem, vai ser um problema. Você conhece esse templo para onde estamos indo e quem é responsável?

--Realmente nossa melhor opção para descobrir a fundo é trazer Lucy de volta do Torpor, mas o que temos que fazer por hora é reagrupar e irmos para Templo dos Murmúrios eternos. Sim conheço, fica em uma fábrica abandonada numa área industrial  morta em Gary, o responsável pela diocese é o Bispo SuggarDog. Mas acredito que eles possam estar em perigo, se tivemos um dos antediluviano ou um de seus filhos, os famigerados Matusaléns de 4° geração em nossos sapatos estamos muitos ferrados, isso poderia fazer nossa seita regredir heras de conquistas – Terminava a frase com uma cara de muito preocupado e com olhar distante, parecendo poder ver toda essa merda que acabou de dizer, ver suas batalhas seus sacrifícios de servidão irem ralo abaixo.

Mas o sombrio não era de desistir assim tão facilmente, então ele virava para Miles...

-- Se importar de conduzir o veículo?
-- Preciso fazer uns contatos pelo caminho, vou lhe guiar para evitarmos as estradas principais e assim evitarmos os federais.

(OFF: considerando que Miles pegue o volante o sombrio prossegue)

Dando a volta para trocar de lugar o sombrio vai até o corpo de sua mentora e pega seu celular e se senta ao lado de Miles...

--Vamos dar o fora daqui!

Então o sombrio começava a vascular o celular de sua senhora sabia de um nome, um alguém que sempre esteve em contato esse era Kristen, talvez pudesse ajudar com o que estava por vir, então o sombrio quando mexia no celular ele retirava no livro de seu sobre tudo e indagava Miles.

--Temos que descobri o que essa criatura queria com os Livros do Bispo. Nesse momento ele achava o contato de Kristen, mas o que fazia se perguntar antes de ligar...

“ Por qual motivo Lucy salvaria o contato dele com M. Kristen? ”

Então ele discava o número, fazia sinal de silencio para Miles e ia apontando as direções para roda te fuga que estava em sua mente graças sua qualidade de nunca esquecer das coisas, mas então nesse momento vem um estalo em sua mente quanto o número chamava, ele se esticava para o banco de trás e olhava as mãos de sua mentora,, não sabia o certo o que procurava mas já ouviu muitos boatos sobre o que veio em sua mente...

O sombrio tinha e mente  que assim que o mesmo atendesse iria contar o ocorrido e suas suspeitas sobre um possível ataque ao templo, e que estava indo em direção ao mesmo e se ele conseguiria ajudar com algo.
avatar
Crowley

Data de inscrição : 02/12/2010
Idade : 28
Localização : Rio de janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Ter Nov 20, 2018 2:44 am

Capítulo XV



Joseph Zedwards





A porta se abre revelando um pequeno grupo, na verdade três figuras entram, a primeira é uma mulher negra, usando jeans e uma camisa regata branca, seus cabelos são crespos e amarrados em um rabo de cavalo, tentando em vão prender seus cabelos selvagens e crespos. Seu rosto é fino, porém não possui delicadeza, sua boca contornada por lábios grossos se mantém inchada na parte da frente, obviamente ela está escondendo presas.

Uma vampira.



O segundo um homem oriental em um terno escuro, tatuagens no rosto de um dragão luvas negras e olhos afundados pela olheira, ele carrega um baralho de tarot nas mãos e ilumina o quarto com chamas que nascem de suas mãos e misteriosamente não queimam as cartas.



O terceiro possui porte físico atlético, boné negro, jaqueta pesada e jeans reforçado, estão com uma espécie de celular nãos mãos, a luz irradia jorrando em sua face pálida.



Segundo Homem: Alguma coisa Mike?

Terceiro: O sinal indica que ele está aqui, provavelmente está usando algum truque para se esconder, lembre se, ele é muito poderoso.

Enquanto isso a mulher se aproxima do cadáver do policial.



- É da Segunda Inquisição, parece que Zakary matou esse desgraçado, não faz muito tempo. Diz ela ao tocar o corpo do policial.



- Zakary. Grita o oriental, StJohn nos enviou, viemos pois ele tem uma oferta de paz.







Miles Keystone e Crowley.





Templo dos Murmúrios Eternos

Gary, Indiana

04:55 PM



A paisagem de Gary era de longe algo agradável, a cidade estava abandonada, ruas vazias e cheias abarrotadas de lixo, grupos mendigos enchiam as calçadas, era possível ouvir sirenes de polícia e tiros na noite, a cidade era um caos, um pesadelo urbano daqueles que fazem do Sabá um motivo maior de desespero e desolação.

A cidade era fortemente industrializada, porém a economia local quebrou, pessoas oram embora, as que ficaram se tornaram ao longo dos anos muito pobres, a miséria trouxe crimes violentos, uma cidade perfeita para o Sabá se infiltrar, exceto por gangues e funcionalismo publico não há nada em Gary.

Exceto desespero.



O templo fica em uma usina abandonada, aos arredores de uma rodovia abandonada, no caminho a dupla pode ver carros abandonadas e um ferro velho de aviões, uma cidade fantasma com mortos andantes, de longe a dupla pode ver que a única fonte de iluminação vem de tambores com chamas, um cheiro forte de sangue e ferro toma o lugar, assim que se aproximam mais um localizador é disparado, como um rochão corta o céu noturno.

A dupla é recebida por uma garota latina usando jeans e um bustiê negro tatuagens pelo corpo moreno, ela se aproxima do carro com uma espingarda, provavelmente ela quem disparou o sinalizador.



- Crowley. Diz ela acenando. - Onde está Luci? Em seguida ela coloca seu olhar sobre Miles, franze a testa desconfiada.





Jim

- Você vai saber quando te perguntarem, sentira tentado em responder com raiva ou violência, mas pondere antes. Responde categoricamente o príncipe.



- A honra é minha Senhor Jacobson, soube que além de ser cria do Gransire Clark, você sobreviveu a Alejandro " El diablo"Guarrón, Diz o Seneschal calmamente.



- Sim. diz o príncipe. Lord Stjohn James irá ratificar esse acordo, nós dois assinaremos, e uma cópia será entregue ao conselho da Primigênie local, somos tradicionalistas e ritualísticos, são praxes vampíricas necessárias, muito importantes para manutenção do poder.



- Lord James tome nota. Diz o príncipe em sua voz grave.



Nessa Noite,





O senhor Jim Jacobson, cria de Clark,cria de Adelle( in memorian) cria de James Louis Franco, cria de Haroldine ( in memorian) cria de Magnus Severanus, cria de Lord Swyan Stephenwards, cria de Carl de Viena, cria de Methos, cria de Tiamat cria de Verdatha o senhor do clã Ventrue e Marcell Giebreax, cria de Methos, cria de Tiamat cria de Verdatha, senhor do Clâ Ventrue, príncipe de Nova Orléans;;;;;;



Através desse contratus, institui acordo entre as duas partes, que visa benefícios mútuos em busca de prosperidade e segurança para a cidade de Nova Orleans, esse acordo visa fortificar a segurança da cidade através dos espólios de Magnus Severanus;;;;

Haja vista que Magnus desapareceu no evento aqui denominado Becoming, e que essa corte reconhece seu desaparecimento e Jim Jacobson e Anastazia Drukov como dignitários desses bens, que devem ser captados e entregues ao senhor Giebreax, em troca de reconhecimento e um território a ser detalhado conforme cópia da escritura em anexo.



Testemunha e lavrador



Stjames Jonh

Cria de Winner

Cria de Johann Kaspar

Cria de Cornelius Stanges

Cria de Merlinda

Cria de Tremere, protetor e fundador do clã

- Então é isso Jim. Diz o Seneschal olhando para o neófito Ventrue enquanto caminha até a mesa pegando um pouco de cera que ele derrete apenas tocando, como se chamas nascessem de sua mão, em seguida ele em um gesto com a mão entrega o contrato ao príncipe que com um anel aperta delineando a cera quente vermelha, dando um símbolo, o cetro Ventrue com as letras MG.



- Está feito! diz o príncipe. naquele ínterim Stjohn James pega uma escritura na escrivaninha do príncipe da cidade e entrega para Jim.



- Essa é a primeira parte do acordo. Diz o príncipe. A segunda virá quando você retornar com resultados necessários para lutarmos contra a influência do Inquisição no exercito americano, o que só poderá ser feito com a extensa influência de Magnus. Estamos entendidos?





Enock " Nook" McKinley



- Sabe Enock, desde minha Ascenção ao principado tenho lidado com muitos inimigos, tenho preservado Máscara, um trabalho árduo, noite pós noite, tenho também tomado ações que moralmente podem ser questionadas, mas tudo isso para manter a segurança de nosso povo. Infiltrei gente na polícia, em associações, em jornais, e em uma de minhas como posso dizer, ah....reuniões, recebi isso. O príncipe está bem distante da imagem colérica, irascível, brutal a qual ele é pintado pela maioria, fala pausadamente, fala em um tom ameno.



Nook vê algumas páginas impressas com o título vampiros entre nós, a mesma página a qual Nial Turner enviara para ele por Email,

- Parece que uma repórter freelancer está juntando material sobre nós, e em algum momento algum jornal vai comprar, já conversarmos com os principais editores, impedimos no momento a veiculação, mas ela está perturbada, parece que seu irmão morreu, um atentado poderia causar problemas maiores, e uma tal Ophelia parece acobertar essa garota. O que pode nos dizer sobre isso?






_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Zed em Ter Nov 20, 2018 1:09 pm

Pontos de Sangue: 10/13
Força de Vontade: 6/7
Vitalidade: -
Efeitos ativos: + 1 Destreza


Assim que as luzes se apagavam procurava esconderijo na segurança de um armário. Ficando imóvel, apenas observando através de uma fresta o trio misterioso entrar o apartamento. “Uma vampira neguinha, um chinês mágico, um parrudinho com gadgets... ” Estereotipava-os enquanto os ouvia falar, para minha surpresa, descobrindo apenas que eles estavam à procura de meu gêmeo maligno.

Desanimadamente abria a porta do armário, me revelando e indo até um sofá qualquer, sentando antes de começar a falar, ainda naquele tom melancólico. – That's disappointing... casa errada, Mike. – Dirigia o olhar ao sujeito com o eletrônico rastreador. – Deixem-me contar pra vocês sobre como eu perdi minha virgindade... – Olhava agora para o grupo como um todo, tentando chamar a atenção deles para uma história que posteriormente poderia ter algum sentido.

- Eu ainda era mortal, invadi uma casa aleatória. Matei o marido e o filho, rendi a esposa. Depois de roubar tudo que eu queria, antes de ir embora eu achei que podia ser daora comer a coroa... Bem, ela ficava gritando o nome do marido morto e isso foi realmente broxante... Mas depois que eu quebrei a mandíbula dela foi de boa. – Coçava o queixo olhando o horizonte, refletindo sobre o conto.

- Ah sim, o ponto.... Eu não sou o Zackary e é realmente broxante quando vocês ficam confundindo a gente. Olha bem pra mim, eu pareço aquele viadinho afeminado? – Era uma semelhança que eu odiava admitir. – Podem me chamar de Zed, antes que eu esqueça. – Principalmente após o nome “Joseph Zedwards” ficar infame na Inglaterra, tinha adotado essa nova “identidade reduzida”. Não que isso realmente fosse capaz de despistar os mais informados.

- Agora, quanto a vocês.... O que caralhos vieram fazer aqui atrás do Zack? Quem são vocês? – E a última pergunta seria direcionada apenas ao cara de boné. – E esse rastreador aí? Bem interessante ele, onde eu consigo um igual? – Seria ter um meio de encontrar meus semelhantes, principalmente se podia encontrar até mesmo sinais de vampiros ofuscados por dons de sangue.

Por hora evitaria comentar sobre meu interesse em seu “contratante” e o acordo que havia feito com o monstro possuindo o corpo caído.

Assumiria a princípio que eles não iriam me atacar, mas caso algum deles resolvesse tentar algo do gênero, já tentaria responder a tempo de saltar para trás em uma acrobacia e tentar esquivar de possíveis ataques.
avatar
Zed

Data de inscrição : 08/04/2015
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Samuka em Qui Nov 22, 2018 12:40 am

PdS: 04/10
FdV: 08/08
Humanidade: 06
÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷

Um certo orgulho entre risos era vislumbrado naquela cara de 'dumb’ do Jim. Para ele aquilo significava muito. Certamente ele não tinha noção da gravidade que estava fazendo: cedendo algo que não era dele assim, e pior, em benefício de um adversário. O vovô quando aparecesse, e se aparecesse, iria ficar muito 'p’ da não-vida. Além disso, para ele a tranquilidade do Mr Abrakadabra deveria ser proveniente da sua função e só isso.

Quando ousou responder o gracejo, Marciel interrompe completamente indiferente e desinteressado. Estava apressado em terminar com aquilo, com certeza.

Lord James tome nota. Diz o príncipe em sua voz grave.

Jim observava Marciel pronunciar tudo aquilo com um olhar surpreso. Alguns nomes familiares do Agoge e da 'históriografia’ cainita. E o imbecil do Jim, além disso, atônito com a capacidade do Mr Abrakadabra em derreter a cera com a mão.

- Está feito! diz o príncipe.

Jim ouvia Marciel sem entender muito sua observação, quase uma sentença irrevogável. Ele prosseguia sobre a condição necessária para poder receber o restante do prêmio. Jim não sabia como faria isso, mas à pergunta do Príncipe responde: “Sem dúvida”.

Ele, então, abre o pergaminho à frente de Marciel e lendo como se entendesse tudo aquilo.

“É, então, Vsa Alteza, isso aqui é a escritura dos negócios? Ou seria a carta pro banco, pra transferir os milhões?” - perguntava Jim ora olhando para Marciel e para o papel.

Após isso, Jim buscaria participar do baile dado pelo Príncipe ou, caso não fosse concedido a permissão para participar, buscaria encontrar Ann. Ele precisava falar com ela para saber de algumas coisas para dar prosseguimento a segunda parte. Era arriscado, porque ela poderia descobrir. Mas, ele precisava e tentaria o máximo ocultar fazendo perguntas, ou se fazendo, de idiota - o que não é muito difícil para ele, é quase natural.
avatar
Samuka

Data de inscrição : 22/12/2012
Localização : Rio de Janeiro/RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Fox em Sex Nov 23, 2018 8:05 pm

Miles pegava no volante, enquanto Crowley fazia suas coisas. Ia relembrando mentalmente tudo que acontecera até então. Não queria deixar passar nenhum detalhe que o fizesse se arrepender depois. Da mesma forma, tentava pensar em soluções futuras caso as coisas dessem errado. "Como se já não tivesse dado errado o suficiente", ele pensa. Era um realismo necessário, pois o Sabá precisava de um pé no chão para sustentar o erguimento que a seita buscava.

- Então, o que tem de tão importante nesse livro? Espero que algo que nos ajude. - Miles fala para o Guardião após o diálogo ao telefone se encerrar.

Enfim, Gary era avistada. Um ambiente desolado e depressivo. Ironicamente, também era aconchegante para muitos ali. O Sabá aprendeu a viver em lugares como aquele. Droga, o Sabá construiu e constrói lugares como aquele. Era seu símbolo, apesar de não ser exclusivo nem obrigatório. Miles olha para os drogados que andam pelas ruas, lembrando que aquele já foi seu ambiente um dia. Sua vida humana havia sido um mar de reviravoltas, porém tudo aquilo não mais importava. Havia uma nova moral, novos objetivos e uma nova forma de ser. Agora, ele tinha que lutar pra que tudo isso não se despedaçasse.

Ao se aproximarem do templo, as coisas parecem normais. O que quer que tenha os atacado, havia focado sua atenção em um só local. Por enquanto. O lugar, como sempre, era discreto e simples, mas um Sabá verdadeiro poderia identificá-lo facilmente. Não era esperado muito além disso. Mais vigias talvez. Apesar de que estes talvez estivessem ocultos, alertados pelo sinalizador, esperando para emboscar algum intruso indesejado. De toda forma, a garota que os recebe parece conhecer Crowley, o que facilita as coisas. Miles estica-se no banco. Levaria um tempo para seu companheiro explicar as coisas e não ia acelerar as coisas ele se meter na conversa com sua cara de poucos amigos.
avatar
Fox

Data de inscrição : 10/03/2010
Idade : 24
Localização : Natal - RN

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Ghost em Sab Nov 24, 2018 8:47 pm


Merda. Espero que ela esteja bem e eu consiga resolver as coisas -Foi a primeira coisa que me veio à mente
Mas espera só um pouco, esse almofadinha Ventrue realmente está me acusando de Quebrar à Máscara? Quer dizer que o maldito mata o irmão da garota, a Camarilla não mexe um dedo e eu tenho que ouvir isso. Já vi isso antes. Minha filha morta por um monstro, um monstro que, além de tudo, é meu senhor e eu tenho aceitar o fato de que ele ainda está por aí. Minha vontade era de dizer mil coisas obscenas naquele momento, mas não. A vida de Oph ainda estava nas mãos daquele Sangue Azul maldito. Infelizmente terei de mais uma vez me rebaixar ao nível dos Camarilla
-Acobertando, senhor? Como assim? Eu não sabia disso. Eu e Oph não nos falamos há um bom tempo. Mas eu acredito que posso convencê-la a deixar esse "caso", por assim dizer de lado. Nem que para isso eu tenha de sabotar a garota
avatar
Ghost

Data de inscrição : 29/07/2017
Idade : 22
Localização : Balneário Camboriú - SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Dom Nov 25, 2018 9:50 pm

Ato III




O fim determina o valor do esforço.
Textos Judaicos



Capítulo XXI



Joseph Zedwards





Quando Joseph se revela diante dos olhos incrédulos do trio, imediatamente a atenção é voltada para ele, o grupo fica em silêncio enquanto demonstravam um profundo receio em suas faces pálidas.

A luz agora é apenas um lampejo vindo da rua, o grupo então se entre olha, como se esperassem a reação de algum deles, estavam surpresos, embora vieram atrás de Joseph, melhor, de Zakary o matusalém de Quinta geração.

É como um cachorro, que corre atrás de pneus de carros em movimento e quando consegue morder, percebe o erro que cometera.

Mas quem fala primeiro é a mulher negra, que parece exercer liderança sobre aquela Coterie, fazia tempo que Joseph não lidava com uma coterie, tecnicamente uma coterie é um grupo, um círculo de vampiros que mantém algum interesse ou patrono em comum, eram raras, dada a sociopatia vampírica. Mas aquelas que existiam eram terrivelmente eficientes, combinando o melhor e o pior do sangue dos clâs de Caim.



- Lorde Zackary. Diz a mulher abaixando a cabeça. - Sua Majestade o príncipe de Nova Orleáns, o convida humildemente á sua corte, StJohn James o emérito Senescal e conselheiro de sua Majestade lhe faz bons votos, e disse o quão amigos são, de tempos antigos ainda do velho mundo. A mulher mantém a cabeça abaixada evitando os olhos do que ela pensa ser um poderoso ancião do velho mundo.



- Ele disse que o senhor agiria assim. Diz o oriental erguendo a cabeça, mas desviando o olhar.

- Mas devemos lembrar ao senhor que destruímos Joseph com a ajuda de Theobell, se mostrou bastante poderoso, isso porque ele fez um pactos com demônios, Stjohn o aguarda.

O trio se mantém a espreita, ansiosos, um deles, o oriental aperta algo dentro de seu casaco, parece uma katana, era evidente que todos temiam que Joseph fosse reagir, teriam que enfrentar a fúria de um ancião.

A seu turno, Joseph percebe que essa é uma jogada de Stjohn, se tudo desse certo ele é quem faria o pacto a qual ele acabara de selar.







Jim Jacobson







- Por enquanto somente a escritura e o reconhecimento que o senhor é o vampiro mestre daqueles domínios, o dinheiro foi transferido para uma conta. Retruca Stjohn enquanto anotava em um papel alguns números.



- Você terá acesso por hora de apenas 1 milhão de dólares, poderá fazer a transferência quando quiser, mas recomendo cautela, o governo americano está de olho em transações como essa, a Segunda Inquisição pode ver em você um alvo fácil, mas fica a seu critério, esse é o número da conta, a senha e o banco, abaixo o telefone de Hans Zuither, nosso banqueiro. Stjohn entrega o papel par a Jim.



- Agora recomendo que o senhor caminhe um pouco com sua majestade pelo Elísio, eu tornarei publico que você recebeu um domínio na cidade, em alguns minutos o conselho da Primigênie se reunirá, o clâ Ventrue está sem representante, te aconselho se reunir com seu clã após transitar com sua majestade pelo Salão do Elísio. Stjohn diz aquelas palavras com tamanha naturalidade que a principio assusta Jim.

Então é assim que eles constroem e também destroem reputações, estão manipulando Jim, por algo maior, ou talvez apenas um jogo cujos os ganhos ainda estão nebulosos.



O trio sai da biblioteca, enquanto caminham, alinhados, o príncipe, o conselheiro do trono e Jim, todos olham discretamente para eles, eram os senhores da noite, naquele momento os vampiros mais importantes da cidade.



- A proposito Marcel. Diz Stjohn com um tom de intimidade.

- Encontramos Zakary, ele estava em um prédio a algumas milhas daqui, enviei o pessoal de Chong para trazer ele aqui, se me permite majestade gostaria de conversar com ele primeiro, eu fiz o teste de sangue na Capela, e de fato, quem Theo bell e a coterie de Chong destruiu foi o Joseph Zedwards, demonstrou grande poder, provavelmente frutos negros de pactos com demônios.

- Muito bom James. Diz o príncipe olhando para Jim.

O grupo caminha pelo salão principal, majestosamente decorado, parece um castelo, um baile francês renascentista, rosas dispostas, bustos romanos e estatuas gregas, imensas cortinas vermelhas criam bolsões de sombras, a qual vampiros de vários clãs se alinham em reuniões com sussurros, em um canto mais badalado um homem negro com boné, jaqueta de couro e com uma espingarda está reunido com outro homem negro, esse com cabelos rastafaria longos até as costas, usando um terno de couro de onça.



- Aquele é Theo Bell. diz Marcel para Jim. - O famoso Arconte Brujah, ele está na cidade com a Justicar Lucinde.

- Marcel. Diz uma voz doce, uma mulher usando um vestido branco, luvas brancas de couro com um bouquet de flores, loira, cabelos curtos no melhor estilo anos 20.

- Lucinde. Diz Marcel empolgado, primeira vez, geralmente ele demonstra melancolia ou desinteresse.

- Que beça festa. Diz ela.

- Ui, que bom que gostou mon cherry. Diz ele.

- Se me permite, esse é Jim Jacobson, da prole de Magnus.

- Uma honra Jim, soube que você tem um trunfo valoroso para lidar com a Segunda Inquisição. Diz ela olhando para Jim, que ao ter a atenção sobre ele, sente uma onda de calor, olhares de todo o salão se voltam para aquele pequeno grupo, onde estão o príncipe da cidade, o Senescal, o representante Ventrue e a poderosa Justicar do clã.





Enoch



- Respondeu bem criança. Diz o príncipe olhando para Enoch.



- Mas esqueceu de responder sobre esse E-mail que recebeu de seu amigo Nial Turner, e como eu disse, Ophelia, outra mortal ligada a você esta acobertando a repórter enxerida, dois mortais, ambos conectados a você estão montando uma reportagem sobre a existência de vampiros, o que vai fatalmente me expor, nos expor. Eu ainda não acatei a acusação de quebra de Máscara, estão me pressionando, preferi lhe chamar aqui, conversarmos, quem sabe acharmos uma solução, juntos. Mas tudo tem um preço, minha oferta é, você convence Ophelia e Turner a esquecer essa matéria, eu cuido da repórter, e depois você me entrega Ophelia ou Turner, eu mesmo transformarei um deles em meu servo de sangue, o outro fica com você, todos perdemos, todos ganhamos.



A proposta atingiu como um soco no estômago de Enoch, era ultrajante, iria custar a vida de duas pessoas, cuidar daquele monstro envolvia assassinato e um corpo enterrado em alguma vala, e ele ainda teria que entregar Ophelia ou Turner para servir de Pet dele.

Mas naquele momento ele está no território do príncipe, cercado por lacaios do príncipe, nada poderia fazer, ou quase nada, era hora de agir, agir rápido e agir bem.

_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Ghost em Dom Nov 25, 2018 10:42 pm


Que acha de eu encher sua cara de porrada, seu puto? - Realmente queria poder dizer isso. Eu estava no meu limite.
- Bom, Turner é apenas um nerd fã de filmes. Nem deve ter levado muito a sério a notícia. Será fácil convencê-lo. Acredito que nem precisará de sangue, nem nada. Basta dizer que é tudo marketing para um filme de terror ou algo do tipo. Afinal, Hollywood, sabe? E quanto à Máscara, mesmo, que eu lhe garanto que não tive culpa alguma na origem dessa matéria. Sempre fui bem sigiloso. Por favor, dê-me uma chance de resolver tudo isso sem que mais gente precise ser ferida. Se eu não encontrar o resultado desejado, faremos do seu jeito. Muitos problemas podem ser evitados, afinal se a jornalista responsável por essa matéria simplesmente desaparecer chamaria atenção, não?
Falado isso, tento ler a Aura do Príncipe.
Shade, sair da cidade evitaria isso? Posso salvar ambos? -Falo mentalmente com meu Mentor


avatar
Ghost

Data de inscrição : 29/07/2017
Idade : 22
Localização : Balneário Camboriú - SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Zed em Dom Nov 25, 2018 11:12 pm

Pontos de Sangue: 10/13
Força de Vontade: 6/7
Vitalidade: -
Efeitos ativos: -


Mesmo ao sair de meu esconderijo e revelar minha identidade. A mulher não pareceu acreditar em mim, e continuo a me chamar pelo nome de meu inimigo. Mas antes que pudesse protestar a informação de que “eu” estava morto me causava certo choque. Levantava a mão para coçar o queixo e então pendia a cabeça sobre o braço escondendo a face enquanto pensava silenciosamente por breves instantes.

“Theo Bell? Quem diabos é esse? E como assim eles me mataram? “ Era claramente um grande mal-entendido, do qual eu podia tirar benefícios se interpretasse o papel corretamente, mas teria grandes problemas se a farsa fosse descoberta. Era uma jogada extremamente arriscada, e essa era o meu tipo favorito.

Uma gargalhada quase escapava, mas mantinha apenas o sorriso largo no rosto. – Ah, foram vocês que mataram o Joseph? Uma pena, era um ótimo disfarce. – Procurava o olhar do trio, mas eles pareciam evitar esse tipo de coisa, uma decisão sábia a se tomar quando lidando contra um ancião, mas quando tomada contra mim era apenas uma precaução desnecessária e cômica. – Mas se vocês não soubessem que ele está morto, eu teria enganado vocês, certo? – Ainda sorridente me levantava da cadeira, falar demais por hora era perigoso. – Não vamos deixar nossos amigos esperando, cavalheiros. – Gesticulava para que tomassem a liderança e pudesse apenas segui-los, aproveitando da vista que a alta sociedade vampírica teria a me proporcionar.

Ao mesmo tempo tentava manter a mente o mais limpa possível, não queria ser pego pensando bobagens após ter minha mente invadida por alguém maluco o suficiente de tentar fazer isso no grande Zackarys.

“O quão refinado ou afeminado eu devo agir? ” A visão que eu tinha dele era completamente preconceituosa e extremista, então tentar interpretar o papel seria o mesmo que fazer uma enorme gozação com a imagem do ancião. O que era uma péssima ideia. Não era um expert em atuação, e minha especialidade justamente era tentar manter a discrição. Tentaria falar o mínimo possível, ouvir o máximo antes de começar a falar, e principalmente não estragar o disfarce agindo como um imbecil.

- Digam-me, Joseph... Vocês o destruíram, o quão forte ele havia se tornado? – A pergunta servia para ter uma melhor ideia do que eles haviam realmente enfrentado. Eles teriam destruído o verdadeiro Zackarys? Não podia ter sido algo assim tão simples, podia? “O quão grande é essa merda que eu pisei?” Estava começando a me perguntar.

Mas eles não eram o importante, e sim o príncipe e StJohn, que tinham um acordo benéfico para Zackarys, e agora, para mim. E com eles que teria de tomar cuidado extra, principalmente quanto aos dons de sangue.
avatar
Zed

Data de inscrição : 08/04/2015
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Crowley em Qua Nov 28, 2018 12:05 am

Os sombrios pegavam a estradas juntos, no caminho o sombrio fazia uma ligação para confirma o endereço com um contato de Lucy, logo em seguida desligava e era indagado por Miles...

Miles - - Então, o que tem de tão importante nesse livro? Espero que algo que nos ajude

-- É o que vamos ver agora- o sombrio em seguida abria os dois livros, tentava entender seu conteúdo (caso não compreendesse o idioma ira memoriza as páginas do livro durante a m Gary.

Então finalmente a dupla chegava, era fácil saber que estava em um território Sàba, o ar pesado e o clima apocalíptico fazia de suas características, o sombrio guiava Miles pelas ruas enquanto memorizava as páginas dos livros, mas ao final antes que pudesse lhe dizer do que se tratava ambos se deparavam com uma Usina abandona então ele dizia...

-- Ai está o lugar- apontava para Miles que seguia pelo caminho de carros abandonados e destroços de aviões e o que ilumina o caminho eram os galões em chamas e em seguida eram recebidos com um rojão que cortava o céu informando a chegada de alguém, mais a frente uma silhueta parava em frente a dupla, Miles baixava os faros, era possível ver que segurava uma arma e ao aproxima do veículo pode ver que se tratava de uma jovem cujo havia soltado o rojão, a mesma ao se aproxima reconhece Crowley, que o cumprimentava e perguntava sobre a Lucy, o sombrio respondia...

--Jovem- acenava com um gesto com os livros na mão e continua – Lucy este aí atrás – apontava ele e prosseguia – Deu merda federal, preciso falar com Bispo urgente, quanto a ele não precisa se preocupar e um dos nossos, e por favor aumente a segurança desse local pois as coisas podem esquentar por aqui...
O sombrio então indagava Miles – Vamos – e apontava a direção!

Assim que a dupla passava pela jovem vigia o sombrio terminava a conversa com Miles falando sobre o Livro...

OFF: @nonimous favor descrever o que foi possível memorizar desse livro e sobre o que se trata
avatar
Crowley

Data de inscrição : 02/12/2010
Idade : 28
Localização : Rio de janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Samuka em Qui Nov 29, 2018 4:21 pm

PdS: 04/10
FdV: 08/08
Humanidade: 06
÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷

O Mr Abrakadabra respondia por Marcel. Ele, na verdade, parecia estar por dentro de tudo. “Deve ser o braço direito, o faz tudo dele”, pensava Jim observando-o ao explicar da escritura e o depósito dos dólares em uma conta. Marcel, por sua vez, permanecia no silêncio austero típico dos aristocratas, certamente divagando em ‘nobres’ pensamentos:

- Você terá acesso por hora de apenas 1 milhão de dólares [...]

- “Por hora é razoável, quem consegue gastar isso num dia?” - respondia Jim com um sorriso. Mr Abrakadabra apenas olhava prosseguindo:

[...] poderá fazer a transferência quando quiser, mas recomendo cautela, o governo americano está de olho em transações como essa, a Segunda Inquisição pode ver em você um alvo fácil, mas fica a seu critério, esse é o número da conta, a senha e o banco, abaixo o telefone de Hans Zuither, nosso banqueiro

Jim pegava o papel, checkava o nome do banqueiro, “Hans? Deve ser chucrute” - pensava, e guardava-o no paletó. “Fuck, what boring guy”, considerava Jim ao vê-lo preparar-se para mais um período de fala, a qual não foi de todo inútil porque expõe um fato intrigante sobre, justamente, intrigas.

“Sem representante? Cadê o cara? Como some assim e vocês não fazem nada além de um baile? Não quero tomar o lugar de ninguém”, era o que ele pensava ao ouvir St John fazer um convite de certo modo indiscreto.Era algo nada legal, um primigênie é insubstituível - muito menos por um neófito. Mas o jogo já havia começado e uma vez iniciado não se volta atrás as jogadas.

Olhos moribundos seguem-os. Eles atravessam os salões e Jim escuta St John comentar algo para o Príncipe.“Quem é? Chong!? Eles estão mancomunados com os xing lings?”, pensava Jim ao passo que Marcel congratulava St John olhando para Jim. “Será que não era pra ter ouvido isso?”, prosseguindo em seus pensamentos fugindo o olhar e fingindo demência.

Finalmente, eles adentravam no salão principal ricamente decorado. Jim via cainitas de várias linhagens de sangue. Dois negões parecendo marginais. “Não sou racista, mas olha lá e depois dizem que sou preconceituoso, estão aproveitando o estereótipo”, pensava Jim. “Negão + marginal + arconte brujah = Theo Bell”, buscava Jim memorizá-lo ao ouvir Marcel comentar sobre ele. “Mas Lucinde, a grande governanta do nosso clã, o que ela faz aqui, mais: envolvida com o marginal?”, divagava Jim até ser interrompido, inevitavelmente, por uma voz feminina, doce mas madura.

Não chamava por ele. Contudo, a curiosidade de saber d'onde vem aquela voz, de qual profundo sedutor, e certamente prazeroso, de garganta, o fez virar simultaneamente com Marcel. “Lucinde!?”, se questionava Jim disfarçadamente atônito pela presença dela. “Era ela”, pensava ele; e, Marcel conversava com ela até se lembrar do neófito.

- Se me permite, esse é Jim Jacobson, da prole de Magnus.

Quando aqueles dois pares de olhos e lábios delineados se põe sobre Jim e movem-se, ele sente seu sangue ferver.

- Uma honra Jim, soube que você tem um trunfo valoroso para lidar com a Segunda Inquisição.

Jim nitidamente um pouco desconfortável com aquele tipo singular de mulher, retira o paletó dobrando a manga da camisa enquanto retribui o cumprimento à Lucinde.

-”Na verdade, é minha; até ignorantes, as myself, sabem quem é você” - dizia Jim esforçando ser empático; e, tentando despertar algo nela - certamente para se nivelar as duas figuras excelentes. Ele, então, tenta algo imprevisível para um neófito: pedir, requisitar algo. Jim pega na mão de Lucinde indiscretamente, e se virando para Marcel diz: -”Com sua licença, my highness, mas”, ele se pausa buscando os olhos dela para prosseguir, “vamos dançar!?”. Sua intenção ia além ao seu bobo pedido, ele via uma oportunidade de se aproximar de alguém com A maiúsculo.
avatar
Samuka

Data de inscrição : 22/12/2012
Localização : Rio de Janeiro/RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por HaSSaM em Dom Dez 02, 2018 12:16 pm

Os muculos de suas costas em contato com o couro era agradável, era como receber a massagem de uma prostituta tailandesa, mas nem mesmo aquilo aliviava a tensão que sentia dentro do veiculo, talvez fosse a presença de Bauer que causasse aquele desconforto  ou talvez a aparição que presenciou dentro do avião. Estaria alguém ainda mais poderoso por detrás de tudo aquilo? Usando tanto a igreja como o estado para destruir a influencia dos vampiros? Quem nutriria tanto ódio e rancor a esse ponto? Jack conseguia pensar em diversos nomes, mas nenhum com tanto poder e influencia para tal feito. Lobisomens são selvagens controlando as matas, os magos estavam quase extintos, as fadas não existiam e os espíritos eram criatura miseráveis. Jack voltava a prestar atenção na mulher quando suas divagações encontravam um maldito beco sem saída.

- Então vou evitar a guerra que vocês começaram? - Jack pergunta confuso, cruzando as pernas começando a perceber a falta de objetivo da organização.

Bauer é de um grupo católico conhecido como Sociedade de Leopoldo... Casamento entre igreja e estado... Foi isso que hoyt havia lhe dito. Ela dizia que a igreja queria todos mortos e o estado queria usa-los para armas de guerras e cura. É então que as controvérsias começam. Hoyt, que parecia ser agente do estado, demonstrava querer a exterminação de todos os mortos vivos, e rainha branca, que representava a igreja, acabava de propor uma especie de trégua. Jack viu os pensamento de Hoyt em criar um temor entre os vampiros para desestabilizar qualquer organização e poder ataca-los com força total. Jack concluía que deixou alguma coisa escapar, algum detalhe que não entendia ainda. Ambos pareciam ter objetivos diferentes entre sí e antagônicos com o que sua organização desejava.

- E como funcionaria essa trégua? - Jack não estava interessado na resposta, só forçava a mente da mortal a se direcionar para os pensamentos e ideias que ele queria. (auspícios 4)

Jack conhecia bem seus semelhantes. Entendia que confiança era algo frágil e perigoso em seu meio. Seus pares não deixariam Hunter entre os vivos se sentisse que havia a menor possibilidade de serem traídos. Para convence-los do contrario iria precisar de algum tipo de proteção pessoal para ganhar tempo, e sabia exatamente onde procurar, finalmente aquele maldito assamita seria útil de alguma forma.

Jack acompanha a rainha, pela quantidade de informações, parecia que eles queria recrutar Jack, colocando a par de tudo que estavam fazendo, por qual outro motivo eles fariam isso? Jack olhava para todos aqueles desgraçados. O destino o poupou daquele futuro miserável ao colocar Hoyt em seu caminho.

- Eu não entendo. - Jack olhava tudo ao redor. - Porque me mostra tudo isso? Porque me ameaças com destruição se no final seremos todos destruídos? - Jack pergunta aquilo olhando em seus olhos firmes. - Em nenhum momento vocês me propuseram algum tipo de aliança duradoura, apenas me incumbiram de passar uma mensagem aos de minha espécie em troca de alguns dias ou meses a mais de sobrevivência.

Jack estava confuso sobre seu real valor para eles e isso era algo que o impediria de tomar algumas atitudes.

off: A rolagem de dado abaixo é para o auspícios. Não tem dif porque não sei a fdv da vitima. kkk


Última edição por HaSSaM em Dom Dez 02, 2018 12:17 pm, editado 1 vez(es)

_________________
A ressurreição de uma lenda.

avatar
HaSSaM

Data de inscrição : 18/04/2010
Idade : 26
Localização : Mundo das Trevas

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Cain em Dom Dez 02, 2018 12:16 pm

O membro 'HaSSaM' realizou a seguinte ação: Rolagem de Dados


'D10' :

Resultado :
avatar
Cain

Data de inscrição : 06/03/2010

http://vampiros-a-mascara.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Seg Dez 10, 2018 3:15 pm

Ghost escreveu:

Que acha de eu encher sua cara de porrada, seu puto? - Realmente queria poder dizer isso.  Eu estava no meu limite.
- Bom, Turner é apenas um nerd fã de filmes. Nem deve ter levado muito a sério a notícia. Será fácil convencê-lo. Acredito que nem precisará de sangue, nem nada.  Basta dizer que é tudo marketing para um filme de terror ou algo do tipo.  Afinal, Hollywood, sabe?  E quanto à Máscara, mesmo, que eu lhe garanto que não tive culpa alguma na origem dessa matéria. Sempre fui bem sigiloso. Por favor, dê-me uma chance de resolver tudo isso sem que mais gente precise ser ferida. Se eu não encontrar o resultado desejado, faremos do seu jeito. Muitos problemas podem ser evitados, afinal se a jornalista responsável por essa matéria simplesmente desaparecer chamaria atenção, não?
Falado isso, tento ler a Aura do Príncipe.
Shade, sair da cidade evitaria isso? Posso salvar ambos? -Falo mentalmente com meu Mentor




Ato 03, Capítulo final
A última Noite.

Last night she said
Oh baby I feel so down
Oh it turn me off
When I feel left out
So I, I turned around
Oh maybe I don't care no more
I know this for sure
I'm walking out that door

Strokes, " last nite"






Enoch


- Se saiu bem garoto Disse o príncipe olhando para um homem moreno cabelos curtos penteados a gel com um terno vermelho sangue.
Era como se o príncipe estivesse falando para Enoch, mas dando satisfação para ele, naquele momento Enoch entende quem realmente manda na cidade, era aquele homem, ele tinha traços finos, delicados, olhos de um cinza profundo, pele pálida e um ar de superioridade latente.

- Faremos assim, você resolve isso, tem 3 noites, caso não resolva, tem uma noite após essas 3 noites para sair da cidade, uma cortesia, caso saia antes das 3 noite, sairá sob o julgo de uma caçada de sangue por violação da Máscara, e não me faça ter que provar para você que cometeu um grande erro, ou terei que entrega-lo ao conselho dos anciões e eles serão menos indulgente. Diz Mike sorrindo exibindo suas presas.
O príncipe se faz um movimento com a mão e o vampiro que arrastou Enoch até aqui surge do nada, agora acompanhando de uma mulher de cabeça raspada, latina com corpo coberto de tatuagens.

- Tenha uma boa noite Irlandês; Diz Michael, ao dispensar Enoch.

Enoch é levado para abaixo do Deck da praia, em uma rua movimentada, a St Luoius 4 Avenue, próximo ao mercado municipal.

Um homem que lia jornal se aproxima do trio e acena para os empregados de Michael.

- Temos olhos em todos os lugares, tente sair da cidade sem arrumar sua bagunça e vai amanhecer empalado em uma cobertura sob o beijo do sol. diz o home sorrindo.

A dupla se despede, deixando o endereço da repórter que violou a Máscara, ela morava ali perto, e trabalhava como freelancer para quase todos os jornais da cidade e tinha um canal de ocultismo no Youtube.

Enoch fica paralisado por alguns minutos, pensativo, sobre toda aquela loucura a qual foi arrastado, preocupado com os dois mortais, com certeza estavam sob vigilância, e seria assassinados a qualquer momento.


Aquelas duas vidas, talvez três estavam nas mãos de Enoch "Nook" McKinley do clâ Malkaviano.


Joseph agora Zakary



O trio se entre olha.

Oriental: Talvez ele tenha drenado a alma de algum vagabundo das ruas, esse comportamento parece ser meio antiquado...mas que se dane, melhor assim, senhor Zakary, nos acompanhe, Stjohn gostaria de lhe falar pessoalmente.


No caminho dentro de uma BMW sedan, negra com vidros escuros, o grupo acelera pelas ruas da cidade como morcegos saindo do inferno, entrando na contra mão, definitivamente, fogem de algo, eles contam algumas piadas de feitos, que envolvem surras em desgarrados, assassinados de mortais, mutilações, eram de fato os cães de aluguel da guarda desse St John, pareciam insensíveis a condição humana e ou existência vampírica.

Por fim eles falam como destruíram Joseph;


- Estávamos perseguindo ele desde Jacksonville, mas lá ele parece ter feito um pacto com seres infernais, ganhado bastante poder e perdido a sanidade completamente, azar dele que Theo Bell estava no seu encalço, Theo bell é um Arconte, ele e Lucinde estavam na cidade, parece que um outro Arconte, dois na verdade desapareceram, Rezek e um outro que esqueci o nome, Joseph parece estar envolvido com o desaparecimento deles, adicionaram ele na lista vermelha, foi a adição mais rápida história,infernalismo, assassinato de Membros, diablerie e uma rastro de corpos por todo o estado do Louisiana, cercado no Delarue park, pereceu depois de dois tiros de napal da espingarda de Theo Bell, sobrou nada dele, nada, o napalm consumiu até as cinzas, estava chovendo sangue naquela noite, talvez algum demônio chorando a morte de seu servo.

Minutos depois a BMw trafega pela Charles Avenue, suntuosa, rica, arrojada e ao mesmo tempo antiga, com casarões antigos, gótigos vitorianos ou estilo guerra civil americana, adentram uma mansão de três andares com 4 anexos e jardim suspenso, o carro vai para uma garagem subterrânea, estaciona ao lado de dezenas de outros carro em um grande estacionamento.

O trio leva Joseph até um elevador de serviço, param em frente.

- Temos ordens de somente o senhor descer. Diz a mulher entre os dentes.

O elevador assim que Joseph entra, desce, mesmo tendo teclas apenas para subir, alguém controlava ele de longe.

Lá embaixo, o elevador faz o sinal sonoro indicando que chegou, está em meia luz, mas parece um imenso porão com diversas coisas jogadas, moveis, quadros, livros, peças de carro, rodeado de símbolos arcaicos, misticos e um forte cheiro de esgoto aberto.

- Olá Joseph, seja bem vindo diz uma voz na escuridão. Então surge um homem loiro, olhos claros, terno azul escuro, símbolos pelo terno, bengala e luvas de couro.

- Parece que nosso ardil funcionou. Então surge um segundo homem, também loiro, sobretudo amarelo, surrado, cabelos ensebados fumando.
- E aí sua vadia. diz o mendigo. Ele reconhece aquele rosto é o Arconte Rezek do clâ tremere.

Uma outra sombra surge, dessa vez de uma mulher usando um short escuro, branca, cabelos longos, negros, usando um chicote de ossos, ele pode ouvir risadinhas, dezenas de vultos de criaturas parecendo gárgulas, demônios ou coisas piores.

- Como deve ter percebido, sou St John, e você respondeu uma proposta para servir o dragão de três cabeças, a corruptora, a degenerada, a mão da corrupção, conforme prometido seu coração será devolvido a você, mas como sua prova de fogo você mesmo deve dar um jeito de colocar ele no seu peito.


Então Joseph sente seus pés desprendendo do chão, se elevando, chamas verdes brotam do solo, ele cai, parece ser um poço, tem pedaços de corpos para todos os lados, sangue, choro, gemidos, é o inferno.

- Jure Joseph, jure lealdade a grande mãe negra, jure que será um servo da entropia da corrupção, que vai ajudar a destruir esse mundo imperfeito e remodela-lo, que irá guerrear contra gaya e seus servos, que será um filho de Malfeas.

Joseph cai no chão, suas roupas foram queimadas pelas chamas esverdeadas, tóxicas, as tatuagens desapareceram, seu coração está a sua frente.

Ele vomita algo esverdeado.

- Seu sangue foi purificado, ao invés do pastor assassino agora você é um filho da Wyrm. Diz Rezek debochando.

De fato, Joseph agora era um agente da corrupção.

- Agora vamos subir, você tem um papel a desempenhar na corte, Zakary do clâ Brujah.



Crowley e Miles Keystone


A dupla após revelar que Luci estava no carro foi recebida com menos desconfiança, foram levados para o interior do templo, próximo do galpão abandonado tinha uma igreja, ao entrarem percebem movimentação de pelo ao menos 4 bandos, alguns conversam no canto, outros ao arredor de uma pequena fogueira dentro da igreja, outros estavam próximos de corpos dependurados, e outros banhavam seu ductus em sangue dentro de uma banheira velha e enferrujada.

O corpo de Luci e da Paladina foram devidamente depositados em uma camara, parece um quarto onde deveria ser a sacristia.


O livro está escrito em uma língua que Nem Miles e nem Crowley entendem, mas tem observações em inglês, falam de invocação de seres do abismo, guardar coisas no abismo, retirar coisas do abismo e de um plano para trazer o próprio Lasombra para essa dimensão, pois ele não foi destruido, ele apenas dorme na escuridão do Abismo que as vezes é chamado de "Oblivion" e que uma das tentativas invocou uma tempestade sangue, e abriu caminho para espiritos chamados malditos possuírem vampiros mais jovens, especialmente os de sangue fraco ou aqueles que não tinha as maldições e clâ.

As adagas foram invocadas do abismo e apenas manipuladores de Tenebrosidade podiam usar elas, sem espíritos do abismo perseguirem o detentor da arma.

Alguns minutos após essa estarrecedora leitura a dupla é recebida pelo Bispo, de forma perplexa é outro Bispo.

Um homem de cabelos longos, armadura de couro negro, usando uma espada na cintura, e um ....
terceiro olho.

Bispo Tallamarko.

Ele está reunido com outros três vampiros, dois deles usam tunicas e um terceiro apenas jeans e jaqueta de couro, tem um mapa, quadro com fotos, e inúmeros dados da população mortal e imortal de Chicago, gary e Nova Orleáns.


- Vocês estavam em Rockford?: Indaga ele de forma retorica.

- Estamos cercados. Diz ele olhando para o mapa. Precisamos sair daqui antes que seja tarde, O cardeal ou o Priscus não respondem, a igreja jogou centenas de caçadores nas ruas, o governo se aliou, parece que o Sabá encontrou seu fim, essa é nossa última noite. Diz ele consternado.
- Caímos pelo orgulho de nossos líderes, que agora nesse momento de desespero nos abandona, recebemos uma carta de Lucinde, uma ancião da Camarilla.


Ele entrega o texto para Miles e Crowley;


Prezado, Talamarko,

Fomos tolos, não acreditamos em vocês, mas é tudo verdade, os antigos vão despertar, eles estarão famintos e vão nos devorar, a todos nós, sem distinção de seita, clâ ou idade, precisamos nos juntar, venha para Nova Orleáns, te convido para uma trégua.

Lucinde, Justicar do Clã Ventrue.

Crowley e Miles se entre olham e só conseguem pensar nunha coisa.....

É uma armadilha.



Mas antes que pudessem organizar melhor seus pensamentos eles ouvem gritaria no primeiro piso.

E um turbilhão de vozes, como se fossem centenas de pessoas gritando...

- Devolvam nos o livro. E sombras começam a tomar o lugar, o desespero, a loucura.

- É o arauto do Abismo. Diz uma voz.

- Adentra na sala uma mulher transpirando sangue.

- Senhooorr. Gagueja, - Você precisa ver isso......uma..uma vagina gigante, de sombras está sobre o Templo.










_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por @nonimous em Seg Dez 10, 2018 3:28 pm

Jim Jacobson.



A mulher responde o encantador convite com um sorriso, concedendo a permissão para a dança, quando a dupla caminha para o salão, logo uma roda se faz, todos ficaram interessados na estrela ascendente e na Justicar, estereótipos, que estavam abaixo de Jim e de Lucinde.

- Quando caminhava St John sorri, o momento é lento, delicado, dá até tempo para ouvir mais intrigas daquele que parece estar por trás do trono, destilando poder nos bastidores.

- Então você não sabe? Os anciões desapareceram na sua maioria, parece que aconteceu algo no oriente e eles partiram, poucos ficaram, toda a Primigênie da Cidade foi substituida, o próprio Marcel não partiu devido minha poderosa magia.

Aquelas palavras ecoam na mente de Jim, mas não vão estragar o momento, Lucinde sorri delidamente, uma dama, uma princesa, uma flor fina, aroma de jasmim, pele quente, rosto delicado, olhos alegres, era como a primavera, até os sentidos de Jim se aguçam, ele sente o cheiro do sangue no salão, o cheiro das rosas devidamente colocados em jarros com água fresca, então uma delicada porém alegre sinfonia se faz ouvir, violinos vigorosos dos músicos da corte, os corpos da dupla se balançam, juntos, como se fossem um só.

Unidos pelo momento, pelo sangue, pela admiração, pelo amor pelo momento.

Que mulher graciosa, que toque delicioso, Jim sente ondas em seu corpo, uma ode ao prazer, a arte.

Seus olhos se umedecem de sangue, seus sentimentos se afloram diante daquele momento, dela também, como dois amantes, naquele momento delicado e romântico.

- Que bela noite. Diz ela em um sotaque agradavel, voz nasalada, porém como se fosse uma brisa delicada.


UMA EXPLOSÃO........

Corpos são arremessados em pedaços, sangue para todos os lados, sombras e pesadelos.



As flores são arremessados pela força da explosão, a água fresca cai como sangue, as paredes ficam sujas de sangue e poeira, os dois dançam, e caem, juntos.

- Viva o clâ Brujah, Agora somos livres, de agora em diante não faremos mais parte da Camarilla.
Theo bell como um demônio enfurecido, atira nos convidados, sua arma cospe chamas, um grande e poderoso dragão negro.

É o fim...






_________________
Status 01 Ancillae em ascensão
Líder Nato


" Seu tolo, entregou sua lealdade para mestres profanos, agora sinta a dor da traição, não precisar implorar por perdão, eu sou o arauto da morte, nosso clã já te julgou culpado, e pouco me importo, tudo o que sei é que você é uma ameaça, e será expurgada da pirâmide."
avatar
@nonimous

Data de inscrição : 01/06/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Zed em Seg Dez 10, 2018 6:52 pm

Pontos de Sangue: ??/13
Força de Vontade: 6/7
Vitalidade: ??
Efeitos ativos: -


O trio de mercenários, apesar de notar a atitude estranha, dava de imediato uma explicação plausível, facilitando ainda mais o trabalho de me fazer passar pelo antigo e poderoso vampiro. Eles também não demoravam em se retirar do local, apressados, possivelmente fugindo de algo, ou simplesmente esbanjando confiança e imprudência ao volante.

Não podia deixar de me sentir confortável, aquele tipo de imprudência e falta de empatia era muito semelhante a mim. Claro, não era agradável ouvir sobre sua própria morte com tamanho descaso, mas era irrelevante quando se tratava de um grande mal-entendido. – Um Arconte Brujah com um lança-chamas? Faz sentido em como ele caiu tão fácil... – Comentava reflexivamente. “Mesmo assim... Foi realmente ELE quem morreu? ” A dúvida não deixava minha mente.

O destino era uma imensa propriedade, onde o carro era estacionado em uma garagem subterrânea, e ali me separava do grupo. – Foi um prazer acompanha-los senhores, até a próxima. – Discretamente inclinava o tronco em um cumprimento antes de embarcar no elevador que descia sem a necessidade de um comando. Saindo em uma espécie de deposito de quinquilharias malcheiroso, não demorava a encontrar outro trio de indivíduos.

St Jhon era mais jeitoso e formal, a garota não havia dito nada, já quanto ao mendigo mal-educado cujo o rosto me era familiar, respondia na mesma altura. – Olá mendigo, esse fedor todo é seu?

O primeiro mago logo discursava sobre sua crença na corruptora, e antes que pudesse dizer qualquer coisa já sentia o chão sumir a via corpos e mais corpos dilacerados por toda parte. Estava nu no meio daquela sinfonia de choros e gritos, diante do coração roubado, apenas exigiam que jurasse lealdade a causa. – Okay... – Abria um sorriso enquanto aproximava as mãos nuas do peito, abrindo-o com simples força bruta, forçando as saturas feitas por sabe-se-lá-quem. – Eu juro servir a corrupção e destruir todos aqueles que se oporem ao meu caminho. Destruir o mundo imperfeito e a construir um novo e melhor. Qualquer que seja ele. – Uma vez que o buraco em meu peito fosse grande o bastante iria depositar o órgão em seu devido lugar e usar os dons sangue para cicatrizar a ferida aos poucos. Algo subia agitado em meu estomago, tombava o corpo pra frente expelindo um liquido verde de aspecto toxico e podre. – Purificado você diz? – Parecia justamente o contrário.

Com o fim daquele ritual, apenas tinha início uma nova fase de qualquer plano que eles tivessem. Por hora nossos interesses eram mutuamente benéficos, mas por quanto tempo minha utilidade duraria a eles era um mistério. Mesmo que acabasse de compactuar com eles, ainda não tinha confiança alguma no grupo ou na causa. Estava simplesmente seguindo o caminho mais benéfico e fácil que havia no momento, mas ainda não havia esquecido dos meios sórdidos usados para me forçar a cooperar, e isso ainda seria motivo de um confronto posteriormente.

- Então agora eu sou um Brujah? – Ainda tentava manter o sorriso após limpar os resquícios do sangue verde e nojento que sobravam na boca. – O que mais eu preciso saber pra não ser pego nessa atuação? – E aproximando-me com seriedade de St Jhon e fechando o rosto de forma ameaçadora. – E mais importante.... Onde eu encontro roupas novas por aqui? – Era EXTREMAMENTE DESCONFORTÁVEL ficar nu na frente de um bando de desconhecido ainda vestidos.
avatar
Zed

Data de inscrição : 08/04/2015
Idade : 23

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Samuka em Seg Dez 10, 2018 7:32 pm

PdS: 04/10
FdV: 08/08
Humanidade: 06
÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷÷

Ao seu pedido, Lucinde sorri. Jim dá um aceno desinteressado sem sequer olhar para Marcel, como se lhe pedisse licença e puxa Lucinde pelas mãos; e, com seus olhos, nitidamente, grudados nela.

quando a dupla caminha para o salão, logo uma roda se faz, todos ficaram interessados

Jim estava absorto ao ambiente em si, na verdade toda sua atenção era entregue para aquele pedaço de carne, sobrenaturalmente, sedutor. Apesar de que, inevitavelmente, viu o braço direito do Princípe aprazer-se de sua atitude, enquanto que Marcel deixava-se levar por outras coisas e conversas, nitidamente ignorando-os.

Seus camaradas, bufões de Guerra, certamente zombariam ao ver Jim naqueles trajes, naqueles modos. Afinal, estavam acostumados a dançar com mortos, com rifles e sozinhos no campo de batalha ao som da artilharia e rajadas; ou, se surpreenderiam com ele e sua singular companhia.

Logo que seu peito encostou sobre de Lucinde e o seu braço deslizou pelas costas desnudas até a cintura dela, Jim se lembrou que estava morto. Ele não sentia seu coração bater e nem o dela.

Então você não sabe?

A voz melodiosa dela, como uma harpa, rompia seus devaneios trazendo sua atenção de volta à ela.

-”Sobre o quê?” - respondia Jim admirando-a.

Os anciões desapareceram na sua maioria, parece que aconteceu algo no oriente

-”Um chamado!?” - disparou ele descuidadosamente finalizando:-”O clima lá não está dos melhores”. E imagens eram jorradas em seu cérebro morto: templos assírios destruídos, daeshs, Jerusalém ameaçada por persas, Jesus de Shivta etc.

eles partiram, poucos ficaram, toda a Primigênie da Cidade foi substituida, o próprio Marcel não partiu devido minha poderosa magia

Os olhos de Jim se voltam para Marcel, que agora gesticulava enquanto conversava com outros e retornam para ela.

-”Não o condeno por isso” - diz Jim deixando um sorriso escapar enquanto finalizava: -”Tenho certeza que não só ele tenta resistir aos seus feitiços”.

Lucinde, novamente, correspondia com um sorriso, enquanto que Jim se envolvia mais no corpo dela como uma jibóia. Tudo aquilo mexia com ele, parecia até fazer com que seus sentidos mortos despertassem. Sentia sua pele esquentar em contato com a de Lucinde, como se estivesse vivo de novo. Sentia o perfume das rosas e de yasmin tão familiar à ele, que até podia sentir o frescor da água que evaporava dos vasos juntamente com os compostos aromáticos. Ele sentia a maciez da carne cainita ao tocá-la; e, como nunca antes. Jim gozava sensorialmente e podia sentir até sua vitae coagular em certos pontos, como nos olhos.

- Que bela noite. Diz ela em um sotaque agradavel

-”Bela!? Sim, bela” - respondia ele contemplando-a - “tão bela!”.

Jim também sentia uma leve escorregada na arcada do violinista. “Por quê?”, pensava ele. A razão era que o violinista percebeu uma movimentação estranha. Jim completamente desapercebido por causa de Lucinde, só percebeu quando houve o 'boom’.

Corpos são arremessados em pedaços, sangue para todos os lados, sombras e pesadelos.

As flores são arremessados pela força da explosão, a água fresca cai como sangue, as paredes ficam sujas de sangue e poeira, os dois dançam, e caem, juntos.

Na sua estupidez, Jim tentava proteger Lucinde de qualquer ferimento, quando na verdade ela salvaria há muitos ali além dela mesma.

Quando Jim se ajeitava no chão para vislumbrar que caralho está acontecendo. Então, ele via o marginal exaltando sabesse lá o que, pois era abafado pela metralhadora que cuspia bolas de fogo, como um dragão, contra todos ali. “Um ataque no principal elysium?”, ponderava Jim erguendo-se e procurando por Lucinde. Caso a encontrasse, a questionaria sobre o melhor a se fazer naquela situação. Ele não queria quebrar as Leis, apesar de que estas foram quebradas por Theo nesta completa insanidade. Caso contrário, Jim procuraria sair dali por alguma saída de emergência, ou até se atirando pela janela. Afinal, em briga de macaco velho o mico dá no pé.
avatar
Samuka

Data de inscrição : 22/12/2012
Localização : Rio de Janeiro/RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Ghost em Sex Dez 14, 2018 11:48 pm


Que ótimo! Mas bem, poderia ser pior
Ergo meu celular para ver meu reflexo através da tela e ajeitar o que for necessário. E sigo para a casa da repórter. Verifico também se há mensagem de meus aliados. Depois de verificada as mensagens, consulto na rede alguma forma de aprender Dominação da maneira mais rápida que eu puder, consultando Shade para ver se ele pode me ajudar.

avatar
Ghost

Data de inscrição : 29/07/2017
Idade : 22
Localização : Balneário Camboriú - SC

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sombras e Pesadelos

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 5 de 5 Anterior  1, 2, 3, 4, 5

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum