Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Lagarto em Qui Abr 01, 2010 9:37 pm

OFF - Informações Preliminares

Olá a Todos, Estarei Iniciando Agora a Crônica Ilusões Partidas e Conto com a Participação de Vocês para que Esta Apresente um Grande Desenvolvimento. Também Me Comprometo com Todos Ate o Final Deste Ciclo e Farei Meu Melhor Para Mantê-los Presos a Narrativa.

Saliento que a Participação e a Interpretação são Critérios Primários para a Obtenção de uma Pontuação Alta em Experiência, Portanto Caprichem na Interpretação da Natureza, Comportamento, Qualidades, Desvantagens e Todas as Outras Muitas Características Tão Únicas de seus Personagens.

Ao meu Ver a Interpretação é o Mais Importante Portanto a Dificuldade da Maioria dos Testes Estará Sujeita a Redução (-1/-2) ou Aumente (+1/+2) Dependendo da Interpretação de Vocês. Caso Queiram um Teste Especifico Peso que Por Favor Salientem para que Esta Possibilidade Não Cora o Risco Possível Ainda que Pequeno de Ser Negligenciada.

Qualquer Duvida Mandem-me PM, Ou Perguntem-me em Off em suas Postagens.

Lembro Também aos Participantes que Minhas Postagens Ocorrerão Toda Segunda e Quinta-Feira.

OFF - Informações Pertinentes a Primeira Postagem

Peso a Todos os Jogadores que ao Final de sua Primeira Postagem Lancem um Dado de 10 Faces. Seu Resultado Será Somado a Sua Geração e Determinara a Reserva Sanguínea de Seus Respectivos Personagens. Obs. Todos os Jogadores que Tirarem de 1 a 4 no Dado de 10 Faces Começaram seu Próximo Turno com 4 Pontos de Sangue.

Ex¹: D10 (06) + 8ª Geração (05) = 11 Pontos de Sangue em Sua Reserva.

Ex²: D10 (02) = 04 Pontos de Sangue em Sua Reserva.


ONIlusões Partidas – Primeiro Ato – Ambientação

Dia 02 de Fevereiro de 2009 – Valentine – Estados Unidos

Sociedade Humana – Cenário Mundial – Contesto

Os EUA Entraram em Recessão em 2001, Após o Estouro da Bolha das Empresas da chamada Nova Economia. Os Juros foram Baixados para Apenas 1% ao Ano em Junho de 2003. A Conseqüência do Corte de Juros foi o Reaquecimento da Economia Americana, o que Gerou o "Boom" no Mercado Imobiliário dos Estados Unidos. As Empresas Hipotecárias Focaram-se no Grupo de Clientes Que Representam um Maior Risco de Pagamento, mas por Conseqüência Traziam Taxas de Retorno mais Altas. Gestores e Fundos Bancários se Interessaram Nessas Dívidas Hipotecárias. Instituições Compraram os Títulos Hipotecários do Grupo e Parte da Quantia foi Emprestada, Antes da Primeira Dívida ser Quitada. Investidores Passaram a Recomprar esses Títulos, Criando uma Cadeia de Venda de Títulos Baseada na Confiança da Compra do Consumidor. Em Junho de 2004 a Taxa de Juros Alcançou 5,25%. Os Proprietários Ficaram em Dificuldades Para Manter as Prestações das Hipotecas, já que os Contratos Previam Correções. O Aumento da Inadimplência foi Inevitável. As Instituições Financeiras que Revenderam Derivativos dos Títulos Ficaram em uma Situação Problemática. Gerando uma Cascata de Inadimplência, que Resultou numa Crise de Liquidez e, Conseqüentemente, Retração de Crédito. Em 2006 Surgiram os Problemas Perceptíveis. Os Preços das Casas a as Taxas de Juros não Pararam de Subir. Em agosto de 2007 o banco BNP (Paribas Investment Partner) Congelou os Resgates em Fundos, Pois segundo o Banco, era Difícil Avaliar os Valores dos Investimentos Ligados às Hipotecas de Risco. Este Foi Considerado o Primeiro Grande Golpe ao Setor Financeiro da Crise Econômica Mundial. Logo após a Decisão do BNP, Outras Entidades Passaram a Tomar a Mesma Atitude, O Que Gerou Desconfiança e Pânico aos Investidores. As Empresas de Hipotecas Começaram a Fechar ou Foram Vendidas a Presos Ilusórios a Bancos que Também Passaram a Sofrer Seriamente com a Crise. Conseqüentemente Todos os Setores da Economia Foram Afetados. O PIB Americano Recuou 3,8% no Último Trimestre de 2008 - Pior Desempenho Desde 1982. O Desemprego Aumentou Consideravelmente em Todo País. Em 2008, a Taxa de Desemprego Foi de 7,2% - a Pior Desde 1993.

Sociedade Humana – Cenário Especifico - Valentine – EUA

Valentine era uma Cidade Media Muito Prospera, Com Localização Privilegiada Pela Tradicional Extração de Fero e Indústria Crescente em Ramos Diversos Tão Incentivada Pelos Baixos Impostos da Região. Referencial Atrativo Pelo Índice Pequeno em Violência, Alta Qualidade de Vida e o Crescente Turismo a Fomentar o Rico Patrimônio Histórico da Região. Era uma Mistura Singular de Tradicionalidade e Desenvolvimento que Encontrava-se em Grande Crescente Populacional Visto a Procura e Facilidades para a Aquisição de Moradia. Contudo Abalada com a Crise e as Margens da Falência de seu Principal Banco, Poucas Instituições Mantém-se Solidas na Cidade. O Setor Imobiliário Encontra-se Quebrado e Não a Segurança Para Novos Investimentos. O Turismo Decaiu, o Desemprego Tem se Elevado e Junto com o Mesmo o Índice de Violência. A Verdade é que Valentine Não Passava Por Tempos Tão Difíceis Desde a Crise de 29.

Sociedade dos Membros – Cenário Especifico - Valentine – EUA

Os Membros Em Muito Refletem a Atual Situação dos Mortais. A Representante da Rosa e Príncipe Amanda Adelle Já Tem Sido Criticada por sua Inércia Perante a Tutela da Cidade, Muitos Membros Vêem a Depressão e Violência Crescente como um Dissabor Amargo e Mesmo Explicaram Isto Publicamente, Enquanto Membros Não Diretamente Atingidos em Suas Posses Afirmam Não Ser Responsabilidade da Príncipe Interferir de Outra Forma na Sociedade Mortal, Praticamente Todos Vêem a Situação como uma Oportunidade. O Primogeno Ventrue Marcus Magno a Face Por Trás da Multinacional Extratora de Minério na Região Não Chegou a Ser Atingido Diretamente Mais Tem Tido que Prestar Auxílio a Muitos de Seus Irmãos Sendo que o Clã Ventrue Como um Todo Tem sido o Mais Afetado Desde o Começo da Crise. Muitos Clãs como os Tremere, Malkavian e Nosferatu Ainda se Mantêm Neutros na Cidade, Enquanto o Primogeno Brujah, Eric Baron Surpreendentemente Já Expressara Apoiar as Ações da Príncipe.

Indiferente ou Não ao que Dizem Por suas Costas, Esta Noite a Príncipe Promove uma Festa Privativa para Membros e Acompanhantes. Dizem que Pretende Tornar Publica a Escolha de sua Primeira Criança o que Movimentou Ainda mais os Inúmeros Rumores que a Rondam. O que Quer que Aconteça na Faculdade de Arte e Musica de Valentine Hoje Terá Inúmeras Repercussões.

Bill – Giovane De Pazzi

O Malkavian Acorda ao Entardecer, Enquanto o Rigor de Sua Carne Vai Cedendo Lugar a Fluidez do Sangue Seus Sentidos Se Aguçam Sensíveis, Dando-lhe a Exata Medida do Pequeno Quarto Humilde que Usara Como Abrigo e Mesmo uma Nova Perspectiva. Sentia o Contado, Qualquer Textura ou Outro Estimulo de Forma Tão Única o Cheiro da Maconha que Empesteava o Quarto, Deixava Rastro em sua Boca, Entre os Dedos de Sua Mão e Claro na Pequena Mesa a Conter Alguns Cigarros Enrolados da Folha Gritando Pelo Uso que Já Tardara Muito a Vir ...

Algumas Coisas Tinham Mudado Tanto Enquanto Outras Pareciam Mescladas a Essência do Cainita Entranhadas em Sua Pele, Diluídas em suas Veias. Sensações que um “Ex”-Viciado Conhecia Muito Bem, Não Havia um Único Espelho Intacto em Toda a Casa o que Dizia Conhecer Bem Ate Demais.

OFF: Descreva Melhor seu Refugio se Desejar].

Agora Estava Por Conta Própria, Ao que Parece David Tinha Assuntos Pendentes em Outra Cidade e Não Ficara Sequer Para a Apresentação de sua Criança. A Apresentação Dele. OFF: Como Acordado com a Príncipe e seu Criador Você se Apresentara Hoje Durante o Baile no Elísio]. Droga Ele Estava Inseguro Depois de Tanta Ladainha Sobre o Veneno dos Membros David ia Jogar Ele no Meio das Cobras e Fechar a Porta? A Banda, Agora David ... Todos Pareciam de Alguma Forma Traí-lo. abandoná-lo Quando Precisava do Apoio Deles. Ele Seria o Problema? Sabrina Faria o Mesmo? A Única que Lhe Parecia Confiável era sua Guitarra e Ela Não era Aceita Como Acompanhante no Baile.

A Enfermeira Já Havia Concordado em o Acompanhar Hoje a Meia Noite ao Baile mais Ela Iria Mesmo? O Próprio Malkavian Planejava Ir?

Tudo Estava Tão Embolado em sua Cabeça, Tanta Coisa Podia Dar Errado e como se As Tenções de Uma Vida-Morta Não Fossem Suficiente as Boates, Ate Mesmo Seus Visinhos Continuavam Escutando o Novo Cd do Grupo “Óbito de Plutão” o Cd do Qual Ele Não Fazia Mais Parte. OFF: Você Teve um Único Sucesso No Teste de Autocontrole Portanto Demonstre a Dificuldade em Conter sua Raiva]. A Banda Estava em Uma Ótima Faze Tendo Inclusive uma de Suas Musicas Dentre o Top 10 dos Estados Unidos Enquanto Ele Tinha Praticamente Voltado ao Anonimato em um Gráfico Decrescente. Cada Vez Menos Pessoas o Reconheciam ... se Continuasse Assim Acabaria Como um Cantor de Botequim Tinha que Fazer Alguma Coisa e Rápido.

Frederico Evandro

OFF: Procurando em sua Ficha Não Achei Sua Perturbação. Qual a sua Fraqueza Malkaviana]?

De Forma Lenta Mais Progressiva, Frederico Vai Retomando os Sentidos. Embora sua Consciência Volte antes que seu Corpo Responda como Deseja Outros Inconvenientes Lhe Pareciam Bem Maiores que sua Condição como Morto-Vivo.

OFF: Descreva Melhor seu Refugio se Desejar].

A Começar Precisaria de uma Acompanhante para o Baile Esta Noite. O Malkavian Era Jovem de Mais para se Dar ao Luxo de Ignorar um Convite em Nome da Príncipe Mais Quem Levaria? Katrine e Tereza Não Tinham Lhe Roubado o Gosto Pela Vida, Mais Levaram Bem Mais que Isso ... Ele Confiaria em uma Mulher Novamente? Quem quer Que Decidisse Levar Estaria Sobre Sua Responsabilidade e essa Festa sem Duvidas Seria uma Troca Descarada de Veneno, Não Podia Sair Levando Qualquer Um ou Podia?

Ainda Não Recuperara o que Perdera, sua Mortalidade Irremediavelmente Perdida ... o Filho que Sequer Sabia Estar Vivo Ele Tinha que Ir Mais o que Arriscaria Dessa Vez? Quão Alto Iriam as Apostas Entre Predadores?

A Doutora Klician Adentra o Local Sem Qualquer Sutileza ou Pudor. Fechando a Porta Atrás de Si e Indo em sua Direção. (Klician) -> Boa Noite e o que quer Mais que Queira Ouvir. Ela se Senta em seu Colo com Visível Urgência sem Rodeios Mais Ainda Orgulhosa e Altiva. (Klician) -> É Meu Plantão Hoje Então Não me Deixe Muito Cansada. Expõe Propositalmente o Pescoço Tirando Sutilmente com a Mão os Cabelos que Ocultavam a Pele.

Doutora Klician:
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Jennifer-morrison

Bom Ela Era uma Opção Mais a Noite Estava Apenas Começando e a Tal Festa Seria Só a Meia-Noite, Tinha Outras Opções Se Resolvesse Ir Mesmo, e Melhor Podia Provar Cada Uma Dessas “Opções”. Acima de Qualquer Coisa Ele Definiria a Noite Por Si, Não Permitiria que Fizessem Isto Por Ele.

Thanceforth Khan

OFF: Tork Qual sua Atrocidade Especifica Para a Satisfação de Sua Natureza Monstro]?

OFF: Descreva Melhor seu Refugio se Preferir].

Aos Poucos Thanceforth Sente Seu Corpo Responder Era Duro Impor sua Alma Aquela Casca Morta Mais Era Ainda Mais Difícil se Aproximar dos Visinhos. Deposta por Baixo de sua Porta uma Carta com o Emblema da Príncipe e Facilmente Localizada. O Seguidor de Set Era Visivelmente Evitado por Alguns Moradores Mais Outros Não Eram Tão Sábios.

Ao Sair de seu Apartamento no Outro Canto do Corredor do Andar Brincando com Algumas Bonecas e Caixas de Sapato que Serviam como Casinhas, a Menina Entre seus 7 ou 8 Anos Sequer Percebera-o. Ele Ainda Estava Longe Mais Sim a Reconhecera. Katherine a Filha do Casal do 112, Brincava Próxima a Porta Entreaberta do Apartamento dos Pais que Não Tinham o Habito de deixá-la Assim. A Pobreza Faz Isso com as Pessoas, o Desespero as Expõem Tão Agradavelmente.

Katherine:
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Menina_boneca

A Cidade como um Todo Parecia Muito Mais Receptiva a Thanceforth Agora.

(Voz Abafada Feminina) -> Como Assim Foi Demitido? Os Pais da Pequena Pareciam Estar Tendo uma Discursam Acalorada Dentro do Apartamento e suas Vozes se Alastravam pelo Andar Inteiro. (Voz Abafada Masculina) -> Sendo Droga Eu Também Não Queria Perder o Emprego! (Voz Abafada Feminina) -> Então Porque Recebeu Justa Causa! Eu Não Posso Continuar Sustentando essa Casa Sozinha Eu Estou no Meu Limite Otavio!

A Pequena Olhava Para a Porta com um Olhar Triste, Magoado, se Levantava indo Ate a Maçaneta e a Fechando, Para Depois se Sentar Junto a Parede com um Bonequinho em uma Mão e uma Bonequinha na Outra. (Katharine) -> Eu te Amo Otavio. Mexia com a Bonequinha. (Voz Abafada Masculina) -> VA EMBORA ENTÃO CARAMBA. O QUE MAIS VOCÊ QUER QUE EU FAÇA? (Katharine) -> Eu Também te Amo Ana. Mexia com o Bonequinho. (Voz Abafada Feminina) -> QUE PARE EM UM EMPREGO AO MENOS UMA VEZ! (Katharine) -> Vamos Prometer Então Não vamos Brigar Nunca Mais. A Pequena Parecia Prestes a Chorar sua Voz já Estava Ficando Rouca.

Titus Kollen

O Morto Pode Sentir aos Poucos seu Corpo Repuxar Como se a Noite Trouxe-lhe Também Novamente a Vida, Ainda que de Limitada. Agora Já Consciente, o Morto Volta a ser O Empresário Titus Kollen mais Continua Sendo um Morto, o Que Dificilmente Mudaria em sua Condição. Nada Remedeia o Abraço se Não uma Nova Morte e o Malkavian Não Pretendia Experimentar Esta Passagem de Novo, Na Verdade Não Chegava a Maldizer sua Condição Atual Nem Parecia Querer Mudá-la.

OFF: Aproveite seu Despertar para Descrever Melhor o que quer que Queira Salientar de seu Refugio, Não Necessariamente uma Bordejem Expansivo se Não Desejar Isso, Mais se Houver Algo que Queira Destacar Agora Sinta-se À-vontade para fazê-lo].

Recebera Há Pouco Tempo Atrás, Requisições Interessantes. Pessoas Promissoras Pareciam Estar Recorrendo ao Lord Malkav Ultimamente e Como Pedira Haviam Duas Novas Fichas Ainda Não Analisadas por Sobre sua Mesa, Provavelmente os Novos Pacientes Internados esta Semana.

OFF: As Fichas Preliminares dos Novos Pacientes Lhe Serão Enviadas por PM. Mais Lembro-Lhe que Não Serão Detalhadas e Revelaram Pouco Tanto pelos Pacientes se Encontrarem No Começo do Tratamento Quanto pelos Direitos Destes a Privacidade no Tratamento. Visto que seu Interesse é Visto pelos Psiquiatras Contratados do Local Como uma Simples Curiosidade].

A Crise se Alastrava por Todo País e as Doações a Instituição Já Começavam a Diminuir Significativamente, Se Não Tomasse Medidas Logo Manter o “Lord Malkav” Tornaria-se Mais Dispendioso Talvez com o Tempo Ate Demais. Alem Disso a Grande Maioria dos Funcionários Parecia Considerar Kollen um Pouco Excêntrico, Seus Hábitos Noturnos e sua Indisponibilidade Diurna Começavam a Atrair a Atenção, Olhares Curiosos Já Eram Perceptíveis e Talvez se Nada Fosse Feito Logo Passasse Deste Ponto. A Cidade Também Apresentava um Clima Diferente, Todos Pareciam Preocupar-se em Algum Grau com a Crise e a Kollen Esta Remontava o Passado.

Começou a Lembrar de seu Pai, O Ano de 1950, Especificamente Dois Dias Depois do Aniversario do Pequeno Quando Brincara Pela Ultima Vez com Kevin. “Titus Tire a Cadeira para o Papai ...” As Palavras Ecoaram Por sua Mente Como se Seu Próprio Pai as Soprasse em Seu Ouvido. O que A Criança Crescida Sentia ao Relembrar isso, o que Via Agora que sua Compreensão Tornara-se Tão mais Madura Tão Menos Inocente? O Grito de sua Mãe a Loucura Estampada em seus Olhos enquanto a Cadeira Balançava e Balançava ... Como Via a Crise que Logo Teria que Atravessar? O Rosto de seu Pai Ficava Indo e Voltando a sua Mente.

Algum Tempo Depois o Telefone Toca Chamando sua Atenção. (Funcionária). -> Senhor Kollen Temos um Homem Lá em Baixo Querendo Falar com o Senhor. Ele Esta Pedindo um Emprego no Setor de Limpeza e é Bem Insistente. Devo mandá-lo Subir?

OFF: O Setor Realmente Anda com Carência de Funcionários e a Contratação Desafogaria os Funcionários Atuais, mais Falar com Ele e Contratá-lo ou Não fica a Seu Critério].

A Noite Mal Havia Começado e Já Parecia Curta Demais Alem Disso Não Seria Sábio Faltar a Festa da Príncipe e Ainda Não Havia Encontrado uma Acompanhante. OFF: Pode ser Humana ou Cainita, do Sexo Masculino ou Feminino mais a Festa Requer Acompanhante, Terá Mais Informações na PM - Carta].


Última edição por Sky Blackwood em Sab Set 01, 2012 11:44 am, editado 3 vez(es) (Razão : Correção Ortográfica)
Lagarto
Lagarto

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Deep em Sex Abr 02, 2010 10:05 pm

Resultado do dado (3)

OFF: Lagarto minha perturbação e esquizofrenia,(visões aleatórias de coisas que não existem para o mundo fora de minha cabeça,mas para mim é tudo muito real).
ON:

Meu corpo começa a se reanimar vagarosamente, mas minha mente já me perturbava de novo o que poderia estar se passando com meu pequeno Adrian (meu pé começa a se mover ), e sem contar o tal convite da Príncipe Amanda que me deixava mais confuso ainda pois teria de ir acompanhado e já fazia algum tempo que não via Tereza ou um membro que pudesse confiar afinal as pessoas que confiei até hoje não me deram muito motivo para querer acreditar em alguém (sinto melhor meu corpo ), abro meus olhos não sei porque ficava ainda nesse lugar as paredes brancas causam um certo desconforto, talvez seja pela facilidade de conseguir alimentos, me sento na cama olho ao redor somente minha cama em um quarto sem janelas de paredes brancas e chão cinza, uma porta que leva a um banheiro simples que só uso pra tomar um banho quando preciso.
Sem que eu esperasse a porta se abre sinto certa alegria de ver Dr. Klician entrando sem nenhum pudor em meu quarto estava meio sedento.
(Klician)- Frederico boa noite- disse ela já vindo sentar em meu colo-, e segunda vez que venho a seu quarto hoje achei que continuaria morto ai em sua cama.
(Frederico)- Você e seu discursinho de sempre, vai trabalhar a noite toda hoje?
(Klician) - É Meu Plantão Hoje Então Não me Deixe Muito Cansada. –disse puxando o cabelo que tampava o pescoço-.
Bem acompanhante para essa noite vejo que não seria ela, mas um pouco de vitae nunca foi ruim depois que morri, abri um grande sorriso para ela e peguei seu pulso, eu gostava mais do sangue dali era mais limpo que do pescoço tomei o bastante para amenizar a cede, mas ainda sentia fome (OFF:Dois pontos para não deixar ela cansada), gostava de ver a cara de dominadora que ela fazia toda vez que terminava de fazer o serviço.
(Frederico)- Então Klician os corredores já estão calmos o bastante para eu passear nos outros quartos ?
(Klician)- Nem tanto tome cuidado, pretende sair hoje?
(Frederico)- Tenho um compromisso e estou vendo que vou sozinho, (ela sorri como uma criança que consegui jogar a culpa de uma coisa errada em outra pessoa).
Sem mais nenhuma palavra ela sai do quarto eu vou até o banheiro tomo um bom banho e coloco meu terno Cor de vinho com minha camisa cinza que deixo os três primeiros botões de cima abertos, ponho meus anéis, meu relógio dourado minha pulseira guardo um Raibam de lentes furta-cor no bolso do paletó, no bolso interno guardo um isqueiro e um maço de cigarros e as chaves do carro(, Após me arrumar vou até o corredor onde me recordo de Marco o rapaz que me serve de alimento algumas noites e vou ao quarto dele.
(Frederico)- Olá Marco como esta hoje meu amigo?
(Marco)- Ele veio me ver ontem. O careca veio me ver ontem, ele me da medo Frederico.
(Frederico)- Não precisa ficar assim ele não pode fazer nada grave com você – Disse já me aproximando dele- ele só sabe falar e nunca faz nada –fui passando o braço por cima do ombro dele e cravei os dentes em seu pescoço precisava ser rápido(OFF: 4 pontos de sangue ), ele ficou meio grog e eu o deitei na cama após lamber a ferida, voltei ao meu quarto peguei a carta que estava na mesa de cabeceira e sai e para dar uma volta, já do lado de fora peguei um cigarro, queimei a carta e a usei para acender-lo,segurei ela até ter certeza de que ia queimar toda ainda em chamas joguei no chão e esperei terminar de queimar pisei nas cinzas e fui para meu carro (OFF:um dodge-chager) e com ele andei ate dar umas onze horas,depois voltei para o hospital peguei Marco e fui para a Faculdade de Arte e Musica de Valentine.
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) DodgechargerDodge-charger
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) M701035Marco Antonio.
Deep
Deep

Data de inscrição : 23/03/2010
Idade : 29
Localização : Uberaba

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Lagarto em Sab Abr 03, 2010 1:24 am

OFF - Rolador de Dados do Forum

Deep Sinto Por Não Ter Especificado Melhor. Era Para Usar o Rolador de Dados Aqui do Forum, Mais Como Não Fui Claro Pode Deixar Assim Mesmo.

Aos Outros Jogadores Por Favor se Utilizem Desta Ferramenta.
Lagarto
Lagarto

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Lagarto em Seg Abr 05, 2010 3:02 am

OFFExplicativo Referente as Rolagens

Casso Vocês Não Apresentem Objeções Não Mostrarei o Resultado dos Testes, (Dizendo se Falharam ou Não), ao Invés Disso Simplesmente Procederei Conforme o Resultado dos Mesmos. Ex: Em um Teste de Empatia Não Digo se Vc Falhou ou Não (O que Lhes Diria se a Impressão que Tem é Imprecisa ou Confiável), Diria Simplesmente o que seu Personagem Conseguiu Captar das Emoções Alheias. (E Você por Conseqüência Não Saberia se Falhou ou Não no Teste), Como Ocorre Naturalmente em Uma Mesa Real Quando o Narrador usa Seu Escudo para Ocultar a Rolagem.

Claro que Isso Deixa o Jogo Muito Escuro (O Que Não é Minha Intenção) Portanto Embora Não Diga o Resultado do Teste em Si, Direi Todas as Características e Dados Usados Assim como a Diminuição ou Acréscimo da Dificuldade se Cabível.

Ex: Teste de Oratória. Carisma ((03)) + Liderança ((02)) = ((05)) Dados. Dificuldade ((– 2)) Por Voz Encantadora, ((+ 1)) Por Prateia Hostil.

Assim Sendo se Tiver Utilizado Alguma Característica Errada ou me Esquecido de Levar em Conta Algum Dado, Como Por Exemplo Vantagens e Afins Vocês Poderão Ver e Havendo o Erro Exigir a Re-rolagem.

Claro que Isso se Vocês Estiverem de Acordo. Se Não Estiverem por Favor Digam que Forma Prefeririam. ((Afinal Nosso Único Intuito é a Diversão que o Jogo Proporciona e Farei meu Maximo Para Atingirmos Esta Meta)).

OFFQuanto aos Dias de Postagem

Pessoal Deixei Minhas Postagens Marcadas para Segunda e Quinta-Feira, Justamente Porque Domingo e Quarta-Feira São os Dias em que Tenho Maior Flexibilidade ((Principalmente a Noite e de Madrugada)). Pretendo Postar Toda Segunda e Quinta Bem Cedo ((Ainda antes de ir Dormir e Posteriormente Acordar para a Escola)). Portanto Tentem Evitar Deixar Para Postar na Ultima Hora. ((Como Por Ex: Segunda A Tarde)) Pois Possivelmente Já Terei Atualizado a Crônica.

Vejo que Só ¼ dos Jogadores Responderam. Se Estiverem com Dificuldade para Seguir os Dias de Postagem por Favor Entrem em Contado. Sintam se Livres para usar meu Msn mais como Ainda Tenho que Reinstalá-lo, Mensagens em Off Aqui ou PMs Seriam mais Efetivas. ((As Veria mais Rápido)).


Frederico Evandro

OFFComunicação

Perfeito, Jefferson. Agora que já Vi sua Descrição e Compreendo Melhor Como Interpreta, Aumentarei a Profundidade da Narrativa. ((Como já Havia Feito com Titus e Bill)). Ou Seja Agora Só Falta o Thanceforth.

Obs. Quanto ao Controle e Falas da Klician, e Outros NPCs Pode Deixar Por Minha Conta. Smile Quando Quiser se Dirigir a Estes Fique a Vontade Mais Deixe as Respostas Sobre meu Encargo. Wink

Curiosidade: Não sei se Você Sabe, Mais um Humano “Padrão” Possui 10 Pontos de Sangue e Só é Possível Absorver 20% Disto Deixando Este Ainda “Saudável”, ou Seja, Pegar de Uma Mesma Vitima Mais do Que 02 Pontos de Sangue Acaba Por Variar a Saúde Desta, Retirar a Metade ((05 Pontos de Sangue)) Já a Leva a Morte se Não For Tratada de Imediato e Apropriadamente.

ON - Frederico Evandro

O Quarto Impessoal em Branco e Cinza Não Trazia Boas Recordações ao Lunático. O Ambiente Fechado, Vazio ... Seria Tão Vazio Quanto Seu Morador? O Que era Continuar Quando Já se Deveria ... Ele Deveria Mesmo Ter Morrido?

Invariavelmente, era Obvio Ele Estava Morto, Porem Não Tão Obviamente Assim Agora Dividia seu Corpo com ... Alguma Coisa.

Aquele Instinto Primitivo, Tão Amoral, Tão Irremediavelmente Faminto ... A Não-Vida Trazia Consigo Duras Verdades, Ainda mais Difíceis de Aceitar do que “Simplesmente” Estar Morto.

Como se Para Começar, Estar Morto Fosse Simples ...

Sentia a Força do Sangue mais Já Não Estava como Ontem, a Cada Nova Noite Mais Sangue. O Sustendo do que em Afronta a Deus Estava Ali, Simulava a Vida.

Klician Entra Escancarando a Porta, Fingindo Jogar no Jogo que Ele Tão Bem Lhe Dita as Regras. Iludidamente Mantendo seu Orgulho Enquanto Ele-lhe Permite Isso. Iludindo-a Achar que Realmente Possui Algum Controle Enquanto se Diverte em sua Ignorância e Usufruí dos Ganhos de seu Contato.

A Pele Dela ... Tão Macia e Quente Como a Dele Nunca Mais Voltaria a ser Estimula o Cainita. Lidar com a Sede era em uma Analogia Barata Encarar os Hormônios da Adolescência, Algo Incontrolável, Lascivo Mas Mil Vezes Pior. Estar Tão Próximo, usar Enquanto se é Usado à Medida que o Contato Fica Mais Distante, Ínfimo e Enfim o Morto se Redescobre. Como na Adolescência em que Exploramos Nosso Corpo Ele Logo Exploraria a Besta? Ela Podia ver sua Necessidade, a Crueldade que Não era Sua mais de Sí Faria Sempre Parte? Agora a Fase Nunca Passaria ... Por Quanto Tempo a Besta Ainda Continuaria lá Dentro Enquanto se Alimentava?

Podia Sentir o Sangue Fluir por sua Boca Enquanto Vislumbrado Ansiava por Cada Gota.

((Klician)) -> Hum ...

Era Ate Engraçado Como Ainda Tentava Manter Alguma Compostura Contendo a Custo os Gemidos mais se Traia Lhe Prendendo com as Pernas. A Doutora era Bem Pouco Sincera na Verdade. Seu Orgulho era Tão Ridículo mais ao Mesmo Tempo Instigante. Ela Parecia Implorar para ser Dobrada ...

Sentia o Pulsar do Coração da Medica Dar Vida ao Sangue que Descia em sua Garganta, e Podia Ainda que Por Pouco Tempo Sentir-se Novamente Vivo. Mais Já era Tempo de Parar ... Parar ... Pouco era mais Desagradável que Isto.

((Frederico))- Então Klician os corredores já estão calmos o bastante para eu passear nos outros quartos ?

((Klician))- Nem tanto tome cuidado, pretende sair hoje?

((Frederico))- Tenho um compromisso e estou vendo que vou sozinho.

Ela Ajeitava o Corpo Alterado, Enquanto se Forçava a Levantar sem Demonstrar Fraqueza. Respiração Pesada, Rosto Serio. Pele Arrepiada, Postura Imparcial. Lindamente Contraditória Como Sempre.

Já no Corredor Oportunamente Pouco Movimentado e Ainda Desejando Por Uma Gota a Mais do Liquido, Vai ao Encontro de Marcos que Parecia Estar o Esperando.

((Frederico))- Olá Marco como esta hoje meu amigo?

((Marco))- Ele veio me ver ontem. O careca veio me ver ontem, ele me da medo Frederico.

((Frederico))- Não precisa ficar assim ele não pode fazer nada grave com você ele só sabe falar e nunca faz nada.

fui passando o braço por cima do ombro dele e cravei os dentes em seu pescoço precisava ser rápido (OFF: 4 pontos de sangue ),

Sem Interesse em Rodeios, Começa a Sugar-lhe o Precioso Liquido. Um Pouco Diferente do de Klician, Único Como Todo Sangue o Era. Ainda que Igualmente Delicioso ... Irresistível ... Logo mais uma Vez Hora de Parar ... Parar ... Como se Fosse o Suficiente Parar Mais Ele Não era Fraco como Klician ... Dele Podia Pegar Mais ... Só um Pouco e Novamente um Pouco Mais ... Ele era Forte ... Agüentaria ...

((Marcos)) -> Fre..d.

Entre a Entrega e Prazer, Frederico Sente o Coração do Homem Palpitar. Mas Algo Estava Errado Não Deveria Bater Assim. Afastara seus Caninos ainda Protuberantes a Tempo de Ver Neste o Diminuir de suas Reações. Ele Não Falava Mais, Sequer Abria os Olhos ... Seu Pulso Estava Fraco.

OFFReferencial de Rolagens

1ª - Ao se Alimentar de Marco Antonio, Para Perceber A Hora de Parar. Teste de Consciência ((02)) Dados. Dificuldade Padrão.

Recebera: +2, +4. Pontos de Sangue. ((Some-os ao que Já Tinha, Esta Agora com 10 Pontos de Sangue)).
Lagarto
Lagarto

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por tork highill em Seg Abr 05, 2010 5:53 pm

OFF: Desculpe a demora...

Levantava-se. Olhava para o relógio, como de praxe, embora já soubesse a hora indicada,e não seria por menos tendo passado séculos de forma tão rotineira. Caminhaa até a janela e tocava levemente a cortina bordô, divisando brevemente o aspecto da rua. Sentava-se em sua poltrona e tentava afugentar pensamentos fossem quais fossem. Ligava a televisão pouco depois e atado uma vez mais à sua rotina, negava o que assistia com gestos de reprovação. A humanidade era um escória, um rebanho, comida, na melhor das hipóteses e Thanceforth se achava superior a toda aquela corja e de fato era...

Tinha um prazer especial por aterroizar os vivos, colocá-los em desespero ao mostrar o quão miserável é a existência humana. Era uma criatura fria, em todos os aspectos. Sua pele empalidecida, em tom cadavérico, quase opaca emitia uma frigidez sobrenatural. Os mortais não se sentiam muito à vontade com isso, mas ele se deliciava ao vê-los buscar perdidos uma solução para tudo que é vão. Gostava de sua morada, apreciava alimentar-se dos habitantes locais, filhos de famílias abastadas, jovens que acham saber demais, senhoras de meia idade que não sabem onde enfiar tanto dinheiro, homens aflitos de ambição,fêmeas depravadas...suas preferidas. Mortais do sexo feminino o atraiam e desenvolviam no Setita um comportamento fora do normal...Apreciava lambê-las nas partes mais intimas e morder-lhes vagarosamente, acrescentando pujança a cada movimento e em voluptuoso desejo presenciar seu fim num majestoso banho de sangue. Thanceforth não tinha o hábito de conservar vidas, humanos são mortais merecem morrer, mas a morte é digna apenas aos que a conheceram bem antes do fim e o Setita se considerava um especialista em apresentar a senhora morte em todas as suas faces aos incautos.

Vestia seu blazer habitual e deixava a residência logo após ler a carta que lhe fora enviada e de posse de sues bens comuns, saia de casa e logo tinha sua atenção retida, não pelo comum alarde do casal infame na casa ao lado, mas pela criaturinha acanhada diante da porta. Uma criança, uma criatura semi-desenvolvida, pronta para se corromper ou quem sabe...ser corrompida, um verme em desenvolvimento, um berço de pureza? Não por muito tempo. Caminhava à diante, retirava os ósculos escuros do bolso das vestes, caminhava à passos suaves, sua aura gélida chamaria a atenção da menina. Fitava-a com olhos viperinos (Serpentis 1) quando seus olhares se encontravam e aproximava-se da jovem em transe. Agachava frente a ela e lhe acariciava a face. De sua boca, projetava-se um apêndice bifurcado, ele lambia o rosto da garota com volúpia, um sorriso insano nos lábios. Ela tremia de medo, mas o êxtase que aquela sensação lhe provia, combinado ao olhar hipnótico do Setita a rendiam. Sussurrava, frente a ela.

- Adoro crianças... – Levantava-se, colocava os óculos e deixava o prédio. Não vivia na mais nobre das áreas, mas como escória, os mortais tinham o costume de montar moradia próximo daqueles que possuem mais que eles mesmos, no intuito de se aproveitar, de alguma forma, do que não lhe pertence. Mendigos, aqui e ali. Thanceforth os odiava, eram animais, uma sub-raça, algo inumano, indigno, podre... Apreciava humilha-los,tortura-los e deixa-los vivos para que aprendessem em vida o valor sublime da morte, mas não bebia-lhes o sangue, eram imundos, além disso até.Ignorava a corja de pedintes e seguia para o Elysium. Não tinha expectativas mas mas gostava de pensar que a noite iria surpreende-lo.
tork highill
tork highill

Data de inscrição : 08/03/2010
Idade : 30
Localização : Ceará

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Titus Kollen em Seg Abr 05, 2010 8:27 pm

Titus "acordava" mais uma vez de seu sono sepulcral e como sempre estava meio atordoado. Quando levatanva, ele recebia muitas informações de uma só vez na cabeça. Não sabia se isso era a rede de loucura de seus irmãos se manifestando, ou apenas flashes distorcidos de sua mente instável.

Ele sempre se apoiava em uma cadeira de madeira que ficava estranhamente posta perto do lugar de repouso. O quarto/escritório de Titus era mal iluminado e desorganizado. Mais era assim que o cainita gostava. Ele não era do tipo que gostava de luzes, mesmo sendo artificiais. A parte de repouso ficava separada do escritório propriamente dito, ficando em um comodo da frente e o quarto do comodo do fundo.

Após ficar um tempo recobrando a conciência, ele foi direto para a mesa que estavam as fichas dos pacientes. O escritório era formada por uma mesa simples, algumas cadeiras e um armário enferrujado no canto esquerdo. Lá eram guardadas algumas fichas de pacientes, principalmente dos mais promissores.

Ele observou primeiramente as fichas e só depois deu atenção à carta vinda do Elysium. Leu com atenção e no final soltou uma exclamação de ira, apenas um grito ou grunhido indecifrável.

--Ela sabe que eu não gosto dessas reuniões.... - dizia Titus dando um murro na mesa. Por diversas vezes Titus deu a entender para a principe que não era de seu agrado comparecer ao eventos sociais de seus pares. Ele sempre preferia ficar obervando o estado dos pacientes e visitando alguns para conhecer melhor. Estava disposto a desvendar os mistérios da mente, e essas palhaçadas sociais sempre atrapalhavam.

--Oba festa!!! - a voz que ele ouvia eram das crianças do orfanato, comemorando a notícia de alguma festa, coisa que desde pequeno desagradava o vampiro. Ele fez uma cara tédio e ficou "emburrado" um tempo, assim como fazia quando era criança.

Quando começou a pensar na crise financeira que estava passando, e talvez, na impossibilidade de cumprir sua meta, as imagens do pai e da mãe vieram à cabeça. Esses flashes, por incrível que pareça, acalmavam Titus, afinal, ele sempre gostou das duas coisas que seu Pai e sua Mãe o lembravam: sangue e loucura.

Atendeu o telefone, que tocou em um momento que ainda estava se deliciando com as imagens que vinham à sua cabeça. Ouviu as palavras da atendente e retrucou:

--Lucia, um sujeito que procura um hospital psiquiátrico a noite, para conseguir uma vaga de faxineiro... esse sujeito deve ser contratado... mande-o passar no RH amanhã para começar no serviço. - ele se despedia de Lucia, conhecia quase todos os funcionários, apesar de não ter nenhum como amigo, aliás, não tinha amigos.

Percebeu então que deveria arranjar uma companhia para o Baile. Ele não era bom em arranjar amigos... na verdade, não era bom nem em ir a festas. Porém, não era de bom tom faltar às reuniões da camarilla, além disso, poderia conversar com "irmãos" mais abastados e conseguir mais dinheiro para sua instituição. Assim, viu a oportunidade de comparecer ao mesmo tempo e fazer o "social" e pregar uma pequena peça nos outros membros. Assim, colocou seu sobretudo negro e desceu até o andar debaixo, procurando por um quarto... -- Senhorita Contreraz... vamos ao baile?? - ensaiava enquanto não encontrava o quarto da jovem.
Titus Kollen
Titus Kollen

Data de inscrição : 18/03/2010
Idade : 34

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Cain em Seg Abr 05, 2010 8:27 pm

O membro 'Titus Kollen' realizou a seguinte ação: Rolagem de Dados

'D10' :
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Pbucket
Resultado :
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) 6
Cain
Cain

Data de inscrição : 06/03/2010

http://vampiros-a-mascara.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Cain em Seg Abr 05, 2010 8:54 pm

O membro 'Tork Highill' realizou a seguinte ação: Rolagem de Dados

'D10' :
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Pbucket
Resultado :
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) 4
Cain
Cain

Data de inscrição : 06/03/2010

http://vampiros-a-mascara.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Shirou em Seg Abr 05, 2010 10:52 pm

Bill acordava em seu quarto(local sem janelas que utiliza como tal), onde haviam apenas um colchão no chão, sua guitarra, algumas roupas em uma movel no canto do quarto, e algumas coisas jogadas, ele acordava já ouvindo a musica uma das de maior sucesso do seu ex grupo, ele já acordava de mal humor
- Malditos desgraçados, me tiraram da banda e mais eu ainda és de me vingar, eles não sabem o que lhes aguarda

Bill em um momento de descontrole pegava um objeto que estav a sobre a comoda e o jogava contra a parede, ele tentava se controlar pois devia pensar como seria a sua vingança (uso 1FV pra me controlar), Bill ia se acalmando aos poucos pegava um de seus cigarros de maconha e então passava a fumar pra assim voltar a sua "normalidade" ele só então lembrava que está era a noite da qual o seu mentor tanto havia lhe falado e que ele deveria ir ao Elisyum, o que já estava acordado entre David e o Principe
"Será que devo realmente ir? E será que Sabrina irá comigo ou ela será mais uma que vai me abandonar assim como todos já fizeram? As duvidas surgiam na cabeça do cainita, ele então resolvia ligar para ela
*ligando*
[...]
[atende]
- Sabrina aqui é o Bill, queria saber se nossa saida ainda está de pé?

...

Ah beleza então as 11h eu passo ai


Bill logo após falar com ela, pensava apenas na festa, ele parecia mais decidido a ir pois essa era uma chance dele vê como seria a festa no Elisyum...

- Lá o principe não vai gostar de você seu bunda molé
BIll ignorava a voz que lhe falava, após alguma tempo Bill pegava a sua guitarra e começava a tocar uma das musicas de antes do seu abraço (Welcome to black Parade - My Chemical Romance) e esquece do tempo e dos seus problemas ele só consegue seguir a musica...


off: Lagarto desculpa pela demora no post, e pode usar e abusar da esquizofrenia do Bill Very Happy
Shirou
Shirou

Data de inscrição : 06/03/2010
Idade : 19

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Lagarto em Ter Abr 06, 2010 1:19 am

Izaack DarkshadeMomentos Depois de Fugir

Izaack “O Segundo” Passava por Dificuldades. Seu Outrora Único Apoio Convertera-se Rápida e Aparentemente de Forma Irremediável ... Pouco Parecia Ter Restado da Irma Protetora que um Dia Teve, Daquela que Lhe Reservava um Sorriso Tão Sincero ... Como as Coisas Chegaram a Isso?

Como se o Que Vira Fosse Possível, Como se Não Estivesse Confuso o Suficiente, Novos Problemas Não Paravam de Aparecer ... Verdade Seja Dita Não Era um Menino de Rua, Embora a Predileção de Seus Pais Pela “Primeira” Fosse Obvia Nunca Faltara Nada se Não Amor a Izaack, Não Estava Acostumado a Necessidade e Tão Pouco Sabia Lidar com a Mesma.

Fugir Podia Parecer-lhe a Coisa Certa Quando Tomado Pela Adrenalina do Momento mais Passado o Susto o que Faria Agora? Cada Esquina Cada Beco Parecia-lhe Mais Intimidador que o Outro e Verdadeiramente Agora Estava a Própria Sorte.

Aonde Dormiria, como Conseguiria Dinheiro ... Tudo Parecia Tão Difícil e ao Mesmo Tempo Desolador. A Cidade Cinza e Mal Iluminada Pela Noite Preocupava o Garoto que Sozinho Arrastava Tudo que Lhe Restara na Mochila as Costas. ]OFF: Você Tem Recursos 01 Portanto Respeitando o Limite de sua Renda Pode Escolher que Bens Pegou em sua Fuga, Assim Como Quanto Dinheiro em Espécie, Roupas e Alimentos Carrega].

O Jovem de Apenas 16 Anos Mal Sabia Onde Estava e Sinceramente Aonde Ir. Em sua Confusão Parecera Perder-se Ainda Mais, Chegando a um Bairro Questionável e Visivelmente Violento.

As Lojas em sua Maioria Fechadas Pelo Avançar das Horas Ostentavam Pichações Expansivas por suas Paredes e o Movimento Noturno se Restringia a Atividade de Moças Questionáveis [Prostitutas] e Alguns Carros que Vez ou Outra Passavam por Aqui Enquanto Os Becos Pouco Iluminados Pareciam Ainda Menos Convidativos, Imundos e Diferentes de Qualquer Cama que o Filho Rico Já Tenha Usado.

De Qualquer Maneira o Local Parecia Arruinado, a Mostra Dura da Realidade que Isaack Nunca Chegara a Ver, Mais que Possivelmente Agora Integraria sua Vida.

Um Pouco a Frente Um Homem Parado ao Lado de sua Moto Exibia Feições Duras e um Corpo Truculento. Conversava com Uma Mulher Promiscua e Aparentemente Tentava Abaixar o Preço da Vadia com Alguns “Incentivos”. O Troglodita e a Mulher Exibiam uma Vulgaridade Tão Explicita que Reviravam as Entranhas de Isaack. Era Duro Conceber o que Fariam o Resto da Noite e se Continuassem Como Estavam Logo Estariam Fazendo Ali Mesmo.

A Mulher Deixa de beijá-lo Fitando Seus Olhos de Isaack em Uma Mistura Visível de Curiosidade e Interesse, o que Acaba Também Chamando a Atenção do Homem.

((Homem)) -> Tá Olhando o que? Que um Incentivo Pra Vazar Babaca!

Uma Raiva Injustificada Parecia Brotar Dos Olhos do Homem, que Não Parecia Precisar de Qualquer Incentivo Para Machucar Alguém, Possivelmente uma Espécie Depravada de Divertimento Embutida em Agressão.

O Garoto Estava Totalmente Fora de seu Ambiente e Pior Isto Estava Muito Claro, O Estouro do Homem Contribuirá Aumentado Ainda Mais Sua Evidencia e se Continuasse Assim Acabaria por Ser Abordado o que Com Tudo que Possuía nas Costas Não era Nem De Longe Remediável.

]OFF: Você Esta Tendo seu Primeiro Choque de Realidades. Como Reagira e Lidara com Isso? E Mesmo o Que Fará Agora que Esta Por sua Própria Conta]?
Lagarto
Lagarto

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Cain em Ter Abr 06, 2010 1:59 am

O membro 'Bill' realizou a seguinte ação: Rolagem de Dados

'D10' :
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Pbucket
Resultado :
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) 5
Cain
Cain

Data de inscrição : 06/03/2010

http://vampiros-a-mascara.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Deep em Ter Abr 06, 2010 3:19 pm

OFF: correção


Após me arrumar vou até o corredor onde me recordo de Marco o rapaz que me serve de alimento algumas noites e vou ao quarto dele.
(Frederico)- Olá Marco como esta hoje meu amigo?
(Marco)- Ele veio me ver ontem. O careca veio me ver ontem, ele me da medo Frederico.
((Frederico))- Não precisa ficar assim ele não pode fazer nada grave com você ele só sabe falar e nunca faz nada.

fui passando o braço por cima do ombro dele e cravei os dentes em seu pescoço precisava ser rápido,porem ao começar a sugá-lo, seu sangue era tão intenso e reconfortante,delicioso como todos os gole que tomamos durantes varias noites,então me vi tendo de para novamente mas seu sangue me nutria e meu corpo se reanimava e também ele era homem, era mais forte aguentaria facilmente me dar um pouco mais e talvez mais um pouco, de repente ao meio de meu êxtase escuto a voz de marco longe como se estivesse em uma caverna.
((Marco)) -> Fre..d.
Tentando fugir de meus sentimentos bestiais que me entregara senti o coração de Marco tremer (palpitar), mas não de veria ser assim que um coração bate, minha mente voltava violentamente ao meu ser, minhas presas se retraiam e pude ver ele se desfalecendo em meus braços, fui deitando ele na cama bem de vagar ele não se mexia sua respiração estava fraca e seu pulso também. Meio sem pensar muito nas conseqüências rasguei meu pulso e derramei meu sangue em sua boca para que ele retomasse a consciência (OFF:1 PT sangue), me sentei ao sue lado já pensando no que dizer a ele quando acordasse, convidaria para sair comigo.
Deep
Deep

Data de inscrição : 23/03/2010
Idade : 29
Localização : Uberaba

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Izaack Darkshade em Qua Abr 07, 2010 4:54 pm

*Não foi um ato pensado. Naquele momento, o medo havia tomado conta do garoto. Ele sabia que não duraria muito por si mesmo, mas de qualquer forma ele estava perdido, se ficasse na mansão com sua irmã, o que poderia acontecer a ele? Se fosse para as ruas, para onde iria? Não tinha respostas para essas perguntas, até porque ele sequer chegou a pensar em alguma delas. Um único objetivo o fazia se mover: Medo. A cena que vira no quarto da irmã dele não saia de sua cabeça, não dava para esquecer algo tão marcante e aquilo brotava um medo irracional no garoto, que naquele momento, mais do que fugir, o que ele mais queria era se distanciar e pensar.*

*Fatores básicos e decisivos foram primordiais para a dificuldade que Izaack teria em sobreviver por si só. Começando que ele havia se mudado a pouco tempo para a cidade, não a conhecia, nem fazia ideia de por onde começar a andar e nem por onde iria terminar. Não que quando estava em sua antiga cidade ele a conhecesse na palma da mão, mas por ela ser bem menor que Valentine e por ter crescido lá, ele sabia de lugares, mesmo que só na teoria, que o ajudariam em casos como esse que ele enfrenta agora. Sua solidão, consequência de seu comportamento extremamente tímido, parecia atormentar a mente dele. Nunca foi bom socialmente, com mulheres em espcial. Mas agora, mais do que nunca, isso se refletia. Sem colegas de classe, para onde iria? Sem amigos, nem em uma cidade e nem em outra, com quem contaria? Ele não sabia, não fazia ideia. Lucy, uma "unica-vez-colega-de-classe" lhe passou pela cabeça, mas não, não tinha intimidade o suficiente. Tudo bem que no trabalho em grupo de Ciências foi ela quem o chamou para o grupo quando ele ficou sozinho mas, não, aquilo era só uma cortesia, uma cortesia forçada por parte da professora Serena.*

*Havia fechado a porta de seu quarto para dar a entender que ainda estava lá dormindo. Só não a trancou pois não havia chave, Juliette precisava de seu irmãozinho a qualquer momento, e não haviam momentos em que ele pudesse descansar, sua privacidade era quase que totalmente controlada por Juliette. Mas enfim, depois do ocorrido, estava fora da mansão. Consigo carregava em um de seus bolsos da jaqueta 1.000 doláres, era sua economias, tudo que ele tinha e guardava, era seu dinheiro emergencial, em que ele usava para compras urgentes ou coisas desse tipo. No outro bolso estava seu canivete, sua posse de maior valor emocional, objeto que ele fazia questão de estar sempre com ele. Mais que uma arma, era como um amuleto, um amuleto de uma pessoa especial e misteriosa que trazia uma sorte especial e misteriosa para o garoto. Nada mais precisava daquela mansão, até porque não havia mais nada em que ele pudesse pensar. Após estar com o dinheiro e com o canivete, o único pensamento que martelava em sua mente era: Fuja!*

*Mas o que fazer depois? A mente de Izaack ainda não estava totalmente fria. Ele se acalmava aos poucos, mas o medo continuava, não só de sua irmã mas também do cenário que precisava enfrentar. Era desolador, estar tarde da noite, sozinho, sem conhecer a cidade. Mas ainda sim ele não conseguia voltar, ele não conseguia se colocar naquela mansão novamente. Felizmente, por sorte, ou por suas forças ocultas, ou até mesmo os dois, Izaack sempre se saía bem em tarefas em que se concentrava para conseguir seus objetivos. A falta de objetivo era clara para ele, que estava confuso, mas não precisava de muito tempo andando pelas ruas para perceber que ele não poderia continuar por lá, ele teria de arranjar um hotel para ficar e rápido. Apesar de ter sido a primeira solução que ele pensou, ele não sabia onde se encontrava nenhum hotel. Se ele pudesse ver um táxi, seria a chance dele de ir para um lugar onde pudesse enfim descansar e pensar. Mas a noite dizia a ele que não seria algo tão fácil assim.*

*Izaack não era do tipo riquinho mimado. Longe disso, nunca sequer foi do tipo que priorizava seus bens materiais, seja em qualquer sentido. E ele conhecia, na teoria, a pobreza, a miséria, a violência, as drogas e os perigos escondidos em bairros violentos típicos de cidade grande. Pela maneira como sua família o criou e pela maneira como ele era, nunca teve chances de entrar em contato com esse tipo de mundo. Mas entrar em contato é diferente de ter a consciência de que tal realidade existe, e essa consciência ele tem. Lógicamente que teorizar é diferente de praticar, e na prática, há de convir que, é sempre muito mais dramático e perigoso, ainda mais se tratando de um cenário tão delicado como o que ele passa agora. Mas não que ele não estivesse preparado para o que estava presenciando. A realidade não o chocava, mas trazia o medo, trazia a sensação de estar ameaçado, o que também convenhamos, qualquer ser desorientado, com dinheiro no bolso e que entre em um bairro perigoso, ficaria com medo, e não precisa ser o Izaack e nem precisa ser rico para sentir isso ao estar em um bairro assim.*

*Izaack tentava manter a calma, a serenidade. Não que ele fosse desesperar, mas qualquer movimento em falso, qualquer olhar desnecessário poderia trazer resultados catastróficos para o garoto. Sorte dele, que por sua timidez e seu jeito calmo e humilde de ser e de vestir, não aparentava realmente ser de uma família rica, o que lhe dava vantagens. Também, Izaack sempre foi muito pensativo, resultado de sua solidão derivada de sua timidez, sempre teve tempo e oportunidade mais que o suficiente para conversar consigo mesmo e com isso ele conseguia uma autoconfiança maior. A lógica agora seria tentar voltar e seguir para outro caminho quando estivesse fora do bairro, se adentrasse mais seria mais perigoso do que já estava e ele não podia deixar se levar sempre pela sorte.*

*Apesar dele já conhecer a realidade aparente que se passava naquele bairro, ainda sim haviam detalhes dessas realidades que Izaack simplesmente não conseguia teorizar, ou quando tentava, não tinha malícia o suficiente para teorizar. Prova disso foi quando começou a avistar damas da noite e seu possíveis "acompanhantes". Aquilo nem mesmo se comparava a muros pichados e becos não convidativos, cenários que ele simplesmente ignorava , não por não incomodá-lo, mas é que ele era Humano como todos os outros e como muitas pessoas, fechava os olhos para a realidade que não queria ver pois não podia cura-la. Se sentia pequeno e incapaz dentro de uma realidade tão distante da dele. Mas por dentro, ainda sim, fervia, mesmo que timidamente, a vontade prosseguir em sua caminhada. Izaack sempre foi assim, com sua força de vontade sempre instável, como se a todo mundo passasse uma insegurança do que fazer ou do que falar. Mas, quando chegava a uma escolha, ele a seguia, mesmo de maneira instável, mas seguia e alguma coisa por dentro o fazia continuar, mesmo com medo.*

*O cenário piorava a cada passo em que ele seguia em frente. Já era plausível voltar antes que algo de ruím pudesse acontecer a ele. Não havia motivos para continuar já que ele procurava por um hotel ou um táxi e lá seria o local mais improvável para ele achar qualquer um desses. Quando parou e deu meia volta para começar a ir embora e tomar outro rumo, ele viu, viu uma das cenas que o deixaria mais envergonhado do que qualquer outra coisa. Apesar do troglodita e a dama da noite não estarem fazendo nada ainda, para Izaack era como se já estivessem fazendo, era como se ele já estivesse a penetrando e ela gemendo como uma cachorra...não que ele imaginava isso, mas o impacto era quase o mesmo. Izaack estava estático, não conseguia parar de olhar os dois, sua boca estava aberta e seus olhos esbugalhados. Os dois se beijavam ferozmente e se esfregavam de uma maneira que Izaack nunca sequer se imaginar fazer um dia. Ainda mais ele, que nunca havia beijado ainda, nem mesmo um selinho. Nem sequer tinha muito contato com as garotas por não ser nada popular. No momento em que vai aquela cena, alguém lhe veio a mente, a única pessoa que poderia aparecer naquele momento em sua mente: Juliette. Era como se por um momento, no lugar do troglodita estivesse Juliette, e no lugar da prostitua estivesse Izaack. Sim, eu sei, é estranho essas "posições" mas, Izaack está muito mais para ser dominado pela irmã do que o contrário, assim como acontece com os dois promíscuos ali.*

"X_X...I-Izaack...o que acha que está pensando!?"....*Balançava a cabeça repetidamente, a curvando para baixo, tirando Juliette de seus pensamentos, agora não era hora para se deixar levar, deveria continuar andando e chegar até seu destino*

*Quando voltou a si o olhar de Izaack se encontrou com a da prostituta. Logo ele ficou todo vermelho e desviou o olhar, seu coração começou a bater a forte e ele mordeu os lábios de leve. Claramente um sinal de que estava morrendo de vergonha. E ela, por ser uma profissional, provavelmente captaria o sinal e entenderia que ele era inexperiente com mulheres. Enfim a vergonha dele foi quebrada por uma voz grossa a ameaçadora. Ele tinha até se esquecido do "acompanhante" dela. O homem foi bem direto e grosso com o garoto, não que ele estivesse errado, Izaack não deveria ter feito o que fez, ficar olhando daquela maneira foi suspeito. De qualquer forma, aquilo fez com que o medo voltasse aos instintos do garoto, porém, ele não podia apavorar. Uma resposta errada e poderia arrumar encrenca. De início pensou em simplesmente abaixar a cabeça e sair andando, mas o silêncio poderia ser uma afronta. Então resolveu se desculpar, uma vez só, se fizesse mais vezes poderia demonstrar muita fraqueza.*

D-Desculpe...*A voz saiu meio instável no começo mas ele conseguiu dizer com uma certa firmeza sem demonstrar uma afronta. O tom era foi baixo mas não muito. No mesmo instante que pediu desculpas, começou a andar novamente e passar por eles, sem olha-los. Seu olhar estava baixo mas não sua cabeça. Esperava passar por eles sem ter problemas nenhum. Se conseguisse iria sair dali o mais rápido que pudesse. E qualquer lugar onde estivesse a salvo, com um teto e uma cama, seria muito bem vindo como seu próximo destino.*
Izaack Darkshade
Izaack Darkshade

Data de inscrição : 21/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Lagarto em Qui Abr 08, 2010 11:11 am

Thanceforth Khan


OFFConversação

Sem Problemas, Seja Bem Vindo. ^^

Duvida: Qual sua Atrocidade Especifica Para a Satisfação de Sua Natureza Monstro?

ON

Thanceforth Agora Desperto, Entretia-se com a Tv Ainda que Por Pouco Tempo.

((Reporter Feminina)) -> “E a Marginalidade Assusta a População da Zona Industrial. Ao que Tudo Indica um Grupo de Delinquentes Tem Ussado a Area Para uma Grande Variedade de Delitos, Indo de Destruição Ao Patrimonio Privado a Confrontos Armadas”.

((Reporter Masculino)) -> “As Autoridades Planejam Intencificar o Policiamento na Região, Mais Ate Agora Pouco Foi Feito Para Resolver o Problema”. “Voltamos Depois dos Comerciais”.

O Gado Parecia Tentar se Matar de Todas as Formas. Tão Primitivos, Desesperados. Como se Sua Tendencia Natural Já Não Auto-Mutilativa a Cidade Parecia Sentir Duramente o Reflexo da Crise, Muitas Pessoas Começaram a Ser Dispensadas e a Insegurança Impedia a Maioria dos Investimentos Enquanto Esta Mesma Falta de Investimentos Alargava a Crise. Pelo que Lhe Parecia, Dias Piores Viriam Antes que Alguma Medida Eficiente Fosse Tomada Para Abrandar a Crise.

No Corredor a Pequena Já Ultrapasara os Soluços, Deichando que Gotas Fartas Banhacem seu Rosto, Embora Fosse Diminuta Parecia Encolher-se Ainda Mais Sempre que seu Pai Elevava a Voz Finalmente Encolhendo a Cabeça Entre os Joelhos Quando a Agreção Verbal Tornava-se Fisica. O Pequeno Corpo Tremia por Compreto Enquanto a Menina Tentava Abafar o Proprio Choro Ainda Ignorando a Presença do Seguidor de Set Ate que Este Estivesse a Poucos Metros Dela.

A Principio a Aproximação do Morto-Vivo Pareceu Intencificar a Dor da Pequena, mas Esta Já Tão Imerça em Problemas Acima de sua Idade Reagia Engasgando-se Mais Entre o Choro e os Soluçõs. Como Se Não Reconhecesse o Outro como Causador de seu Mal Estar, Atribuindo a Propria Dor aos Gritos de sua Mãe que Parecia Ter Começado a ser Agredida.

A Menina Encolhida Como Animal Ferido, Levantava o Rosto Devagar Tentando Secar os Olhos que Rapidamente se Umideciam De Novo, Ela Agora Olhava Para o Cainita Mais Parecia Não Encherga-lo. Como se Tivesse Sido Tragrada Pelos Gritos de sua Mãe Inconciente para o Perigo que Corria.

Ainda Sem Compreender, em uma Mistura de Dor e Letargia a Pequena Parecia ser Atingida por um Espasmo Paralizante. Como se Finalmente Percebesse o Perigo a Sua Frente Ainda que sem Vislumbrar sua Magnitude.

Seu Sembrante Outrora Caregado de Tristeza, Mesclava-se Agora Entre a Confusão e o Medo.

Quando a Lingua do Cainita Começa a se Projetar é Facil Perceber o Grito Velado, Paralizado a Garganta da Pequena que Espresafa o Mais Puro Terror Logo Subistituido por Confusão e Sucessivamente Prazer. A Pequena Mal Parecia Saber Lidar com Aquelas Sensações a Medida que Ia Ficando Fraca.

]OFF: Pretende Parar Antes que Ela Morra ou Não se Importa com Isso]?

- Adoro crianças...

Ao Deixar o Predio Pode Melhor Perceber o Ar Noturno, Quase Sufocado Pela Fumaça e Visinhança Fedita. Sua Residencia Ficava em um Bairro Pobre Proximo a Zona Industrial Carinhosamente Apelidado de “Cidade Baixa”.

Os Becos Eram Sujos, as Ruas Barrulhentas e as Pessoas Baixas. O Quarteirão Ilustrava Como Poucos Lugares o que se Espera Daqueles a Margem.

Thanceforth se Dirigia Pouco Discretamente ao Elisio, Sua Presença Afastava as Pessoas ao Redor e a Medida que a Cidade Baixa Ficava para Trás a Impreção que Deixava Nas Outras Pessoas Tornava-se Ainda Mais Forte.

-> Você Ai Andando. Esta Assustando meus Freguesses. Dissia um Homeme de Corpo Medio mais Muita Coragem. Este Provavelmente Entre seus 40 e 45 Anos era o Unico Responsavel por um Pequeno Negocio de Lanches. -> Anda, Andando Vai. Ele Mechia as Maõs, como se Enchota-se um Cachorro ou Mesmo Como Pessoas do Comercio Costumavam Fazer com Mendingos e Baderneiros.

De Forma Descarada o Seguidor de Set Parecia Despertar Calafrios nas Pessoas e Nem Todas Escondiam o que Setiam Tão Bem.

Titus Kollen


O Malkaviano Exemplificava Bem a Escentricidade e “Tato” Tão Unicos de um Membro de seu Clã.

--Ela sabe que eu não gosto dessas reuniões.... --Oba festa!!! a voz que ele ouvia eram das crianças do orfanato, comemorando a notícia de alguma festa, coisa que desde pequeno desagradava o vampiro. Ele fez uma cara tédio e ficou "emburrado" um tempo, assim como fazia quando era criança.

O Cainita Que Parecia Acalmar-se ao Relembrar a Dor de Seus Parentes, Atende o Telefone ainda Deleitando-se as Lembranças, Sua Mente Fragmentada Talvez Protege-se-o da Dor das Recordações ou Mesmo da Culpa.

--Lucia, um sujeito que procura um hospital psiquiátrico a noite, para conseguir uma vaga de faxineiro... esse sujeito deve ser contratado... mande-o passar no RH amanhã para começar no serviço.

-> Sim Senhor. Contratar Alguem que Sequer Vira ou Intrevistara Não Surpreendia a Funcionaria Já “Acostumada” as Escentricidades de Um Apaixonado Pelo Oficio. Curiosamente Contudo sua Afirmação Pareceu-lhe um Pouco Entusiasmada.

Querendo Argariar um Acompanhante, Descera a Ala Feminina a Procura da Mais Nova Interna, Ainda que Este Tipo de Reunião em Nada o Agradace, Como Teria de Ir Pretendia ao Menos Lucrar Alguma Coisa, a Começar Talvez por Diminuir a Distancia entre uma das Mas Novas Internas. -- Senhorita Contreraz... vamos ao baile??

Em Pouco Tempo Chegara a Porta do Quarto da Interna. Manoela Havia Iniciado seu Tratamento a Pouco, Na Verdade a Algumas Horas Já que Teria Sido Trasferida Ainda Hoje. Sua Medica Relatara Não Conseguir Estabelecer um Vinculo de Contato, Pelo seu Diagnostico Como Esquizofrenica Paranoide Estabelecer Contato Poderia ser Mesmo Dificil ou Dependendo do Ponto de Vista, Interessante.

Titus Chegara a Porta do Quarto. Neste Horrario Embora Ainda Não Estivessemos em Noite Alta a Pouca Frequencia de Funcionarios Pelo Corredor Assegurava Alguma Plivacidade o Que Possivelmente Viria a Calhar Agora.

Destrancando a Porta e Observando Dentro do Quarto Titus Veria o Comodo Acochoado sem Qualquer Inclemento, As Paredes Brancas, o Chão Cinza. Nada Parecia Indigar o Usso do Local Já que Mesmo a Luz Estava Apagada.

Contudo os Sentidos do Cainita o Guiavam para o Canto Esquerdo, Podia Ouvir o Palpitar Cardiaco da Jovem e Pelo Acelerar de sua Pulsação Ela Tinha Total Ciencia que Alguem Entrara no Quarto.

Já Observando o Canto Esquerdo Veria Fracamente Pela Iluminação Proveniente do Corredor, Olhos Atentos, Desconfiados e Assima de Tudo Hostis. A Mulher Possuia uma Belesa Singular que Muitos Perdião Quando Tomados Pela Loucura. Era Como se a Iluminação da Mesma Resaltace a Presença de seus Olhos. Desse Mais Vida e Dinamismo ao Corpo Naturalmente Belo.

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Keira_knightley+(www.people.com)

Restava Agora ao Cainita Diminuir Aquela Hostilidade, Como Procederia ou Mesmo Convenceria a Mulher a Acompanha-lo?

OFFReserva Sanguinea.

Seu Personagem Possue 06 Pontos de Sangue em Sua Reserva.

Bill – Giovane De Pazzi


Bill Acordara ao Som de sua Antiga Banda o que Era Mais que Suficiente para Faze-lo Perder o Controle.

- Malditos desgraçados, me tiraram da banda e mais eu ainda és de me vingar, eles não sabem o que lhes aguarda.

Quebrara Alguns dos Poucos Objetos Dispostos em seu Quarto e Mesmo Longe de Aplacar sua Ira Voltara a se Conter. Precisava Estar Lucido para Saborear Cada Detalhe da Vingança que Não Tardaria a Vir. Alem do Mais Aqueles Desgraçados Não Tinham o Direito de Causar mais Nada a Bill, Ele que Causaria a Estes.

Fumando um de Seus Cigaros Preparados e Finalmente Voltando a ser Ele Mesmo. Lembrara-se da Importancia da Noite de Como Esta Poderia ser Decisiva e Voltara a Ficar Nervoso, Ainda que Desta Vez Por Motivos Diferentes.

Tuc ... Tuc ... Ela Poderia Atender Mais Rapido. Tuc ... Tuc ... ELA DEVIA ATENDER AGORA. Tuc ... Tuc ... Ela Parecia Também o Descepcionar, como Tudo e Todos Ate Agora TODOS Pareciam Cospirar as Engrenagens do Mundo Contra o Malkavian Esceto sua Guitarra.

Olhara pelo Quarto Vendo a Guitara, Ela Parecia Mesmo uma Acompanhante Bem Melhor. Mais Fiel, Verdadeira. Afinal Porque Diabos Sabrina Não Atendia a Droga do Celular?

Algo Dentro do Corpo Morto Parecia Voltar a Bater uma Inquietação e Mesmo Neurose Parecia Começar a Tomar a Superficie. “Ela Não Precisa Mais de Você, Ela so Queria o Altografo da Banda”. A Insegurança ia aos Poucos Tomando Mais e Mais do Cainita. “Ela Não Precisa Mais de Você”. Independente do Motivo que Ela Possa Ter Vindo a Ter Como a Mente Fragmentada do Cainita Interpretaria Esta Negativa as Suas Espectativas?

OFF Reserva Sanguinea e Dados

Você Possue em sua Reserva Sanguinea 09 Pontos de Sangue.

Força de Vontade: 07/08

Frederico Evandro


Frederico Caia Por Terra ao Ver o Estado de Marco, Parecia Enfim Dar-se Conta do que Tinha Lhe Feito e Deitando-o Devagar Sem Perder Muito ou Qualquer Tempo Rasgava o Pulso com a Outra Mão o Encaminhando a Boca do Mortal que Exaurido e sem Forças Mal Conseguia Beber o Liquido.

Teve Mesmo que Pressionar o Pulso com Alguma Pressão, Forçando Passagem Por Entre os Lábios do Outro que Não Parecia Mais Totalmente Consciente.

O Outro Parecia Ainda Parcialmente Consciente Quando de Súbito Percebe o que Esta Bebendo e o que Lhe Entrava Pela Boca. -> Haa!! Marco Antonio Caira da Pequena Cama de Solteiro se Levantando as Pressas e Abruptamente. -> O que Diabos Você Pensa que Esta Fazendo! Ele Ainda Estava um Pouco Desnorteado, Aturdido Mas Mais Evidente que sua Fraqueza Era sua Confusão. -> Eu ... Eu Bebi Sangue. Ele Passava as Mãos Limpando a Boca Suja, Parecia Não Conseguir Acreditar no que Havia Feito.

Se as Coisas Continuassem Dessa Forma Acabariam Chamando a Atenção dos Guardas. Devia de Alguma Forma Conter Logo o Rapaz “Mal Agradecido”.

Izaack Darkshade


O Rapaz se Desculpara e Tentara Afastar-se Rapidamente. O Homem Pareceu Não dar Mais Importância ao Jovem, Novamente Ocupado sua Boca com a Boca da Mulher Que o Acompanhava, Como se Izaack Sequer Tivesse Chegado a Interrompê-los.

Embora o Transtorno com o Casal Tivesse Passado Sua Situação Continuava a Mesma. Ainda Estava Perdido Naquele Lugar e ... Mesmo Surgiram-lhe Outras Duvidas.

Ver o Casal em Ato Tão Lascivo Havia Soado como um Alerta ao Rapaz, Talvez ... Ate Por sua Pouca Experiência Não Estivesse Conseguindo Interpretar Bem seus Sentimentos mais Porque ... Porque Vira Justamente sua Irmã? Porque Colocara a Si Próprio Juntamente com a Mesma? Podia Ter Pensado na Lucy Não Podia? Porque Diabos Não Pensara Nela e Sim na sua Irmã?

Seus Pensamentos Pareciam ... Chegava a Ficar Envergonhado, era Difícil Ate Supor que Poderia Estar Pensando Nisto ... Ela Era Sua Irmã Afinal, quer Dizer era um Monstro que Como a Condessa Elizabeth Bathory Estava se Deleitando no Sangue de Sua Serviçal.

... Droga ... Estava Apenas se Confundindo mais e se Distanciando do Problema Principal. Precisava Arrumar Algum Abrigo, o Resto o que Quer que Fosse Teria de Esperar.

Procurando uma Saída por seus Arredores Avistara ao Longe em uma Rua a Direita o que Parecia ser uma Cabine Telefônica, Ainda que Esta Estivesse em Visível Mal Estado, Tanto com um de seus Vidros Quebrados Quanto com Inúmeras Pichações e Panfletagens por seu Corpo Ela Podia Funcionar Não Podia? Melhor Dizendo Ela Tinha de Estar Funcionando.

Ou ao Menos Deveria Estar ... Ao Entrar na Cabine Izaack Encontraria o Telefone Destruído com o Cabo que Ligava a Parte que Era Levada ao Ouvido Totalmente Inutilizado Possivelmente Por Vândalos.

Entre os Muitos Números Escritos ou Contornados Dentro da Própria Cabine. Ao Lado do “98347205 Boca de Veludo” Estava o que Parecia ser o Numero de um Táxi Mais o Garoto Não Tinha Como Constatá-lo Agora.

Enquanto Pensava no que Faria um Carro de Arruaceiros Passara com o Som quase a Estourar os Ouvidos de Izaack, o Trazendo Novamente a Realidade. Tinha que Pesar em uma Saída ... PERA AI!

Olhara Para o Lado Direito da Cabine Telefônica Vendo o que Não Sabia Como Não Vira Ate Agora. Talvez Sua Urgência em Chegar a Cabine Mais Visível ao Longe Tivesse Cegado sua Visão Para o Resto, Mais o que Importa Realmente Era que a Loja Estava Aberta.

A Loja de Conveniências Tinha um Ar Simples e Humilde Mais Era Limpa e Acolhedora. -> Posso Ajudá-lo? Diz o Vendedor e Caixa Atrás do Único e Pequeno Balcão da Loja.

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Coletiva_vallejo11
Lagarto
Lagarto

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Deep em Qui Abr 08, 2010 3:32 pm

Quando acabei de sentar e pensar comigo no que diria a marco ele cai da cama ainda bem atordoado
--> Haa!!
,lambi meu pulso rapidamente para fechar a ferida em quanto olhava calmamente para marco que se levantava em um sobressalto.
O que diabos você pensa que esta fazendo!
Ainda desnorteado ele me olhou como quem não entende nada e já foi perguntando:
Eu ...Eu bebi sangue?
- perguntou ele em quanto limpava a boca com suas mãos seu olhar de quem tentava entender o que havia acontecido fez com que Frederico pensasse rápido para que ele não chamasse a atenção.
- Calma meu amigo eu entrei aqui e você estava dormindo resolvi me sentar do seu lado, mas você caiu de repente e já acordou brigando com alguém e dizendo que bebeu sangue,deve ter é batido a Cabeça ea boca no chão na hora que caiu,você esta bem estranho hoje.(OFF: Teste de Tagarelice, Manipulação(4)+lábia(2) para convencê-lo de tal)Estava até pensando em te chamar para sair mas pelo que me parece não vai dar certo, não é?
Deep
Deep

Data de inscrição : 23/03/2010
Idade : 29
Localização : Uberaba

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por tork highill em Seg Abr 12, 2010 12:43 am

***OFF= ¹ Basicamente Misantropia, e um desapego profundo para com a importância humana, apto a descartar o rebanho como cartas a serem jogadas, lógicamente de uma maneira que os faça reconhecer o real significado de morrer... ² Vou tomar dela três pontos de sangue, em termos de jogo...

Thanceforth se detia. Não era o momento. A morte só poderia ser apreciada quando todas as máculas da vida se fizessem valer e aquela criança ainda tinha muito a corremper em sua efêmera existência.Na hora certa...Sim...O Setita deixava o prédio.Caminhava apreciando a genial arquitetura destrutiva dos seres humanos.
"Tanto dinheiro gasto, tanto trabalho empregado para no fim das contas tudo ser destruído por pessoas alheias,comprometido por... vândalos?Prédios são como pessoas,sim, devem ser" - Refletiam em devaneios ao caminhar, afastando-se de sua região.Caminhava devagar e caminhava, preferia andar com seus próprios meios a encararar o tedioso trânsito daquela cidade mundana. Sua aprênmcia era medonha, sabia disso, não se importava com isso. No mundo caótico as pessoas chamam atenção como podem, ele tinha suas ferramentas e não se importava por usá-las.

Sorria com vontade. Isso incitava desespero nas pessoas, mal estar, incômodo. Ele gostava e muito.A Máscara?Pff... A Máscara, humanos são tão fantasiosos em suas ambições que a crença em vampiros morreu com Bela Lugosi, não tinha o que temer, aos olhos dos vermes parecia bem mais um bandido à um vampiro. Seguia seu percusso, agora mais próximo de seu destino.Passava frente a um muquifo qualquer quando um ser esdrujulo chamava sua atençao de forma pretensiosa. "Verme" - Pensava. Passava por ele, sorria com desdém e crifrava a mão para o homem, pondo a língua pra fora(língua humana), esboçando uma careta. Seguia, deixando de lado o ocorrido. Chegando ao Elysium ia diretamente à entrada. Cumprimentava os guardas com um aceno de cabeça. A noite estava só começando...
tork highill
tork highill

Data de inscrição : 08/03/2010
Idade : 30
Localização : Ceará

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Shirou em Seg Abr 12, 2010 4:24 am

Bill ficava com raiva de Sabrina e colocava o celular no bolso e resolvia sair de sua casa, talvez em direção ao Elisyum ou a procura de algum lugar onde pudesse tocar a sua guitarra em paz
- Maldita assim como os outros ela me abandonou nesse momento ele olha pra sua guitarra - Só você nunca me abandonou, SÓ VOCÊ
Ele passava a mãos na guitarra como que acariciando a mesma, ele olhava a sua volta e saia caminhando e falando com a sua guitarra
- É minha querida agora somos só nós contra o mundo (risada alta e insandecida) Bill caminhava e começava a tocar a sua guitarra (Fear of The Dark - Iron Maiden), e sai sem rumo - uahuahauha Como todos os outros ela também te abandonou não foi? Eu já sabia, uahuahauhauhauahuah
- Eu ainda me vingarei de todos os meus ex companheiros de banda, eu és de me vingar Bill nesse momento tinha uma expressão de raiva, seus olhos fintavam o vazio, mais era como que enxerga-se os seus ex companheiros ali na sua frente - Malditos eu me bingarei de vocês Ele mesmo sendo um morto, começava a respirar ofegante, ele tricava os dentes e bufava como uma fera raivosa, que estava enjaulada, ele tentava se controlar novamente (1FV), ele voltava a tocar para tentar esfriar a cabeça e não se deixar levar pelo desejo ardente de vingança,Bill caminhava sem olhar para o tempo e nem mesmo com um rumo para os seus passos, eram passos pelo vazio da noite, ou seriam pelo vazio da sua alma? Bill estava sendo levado pelos seus delirios de abandono ou isso estava acontcendo novamente? A sua mente insandecida já não sabia destinguir o real e a ilusão, ele acreditava em tudo que lhe parecia real... - uhauahauah. Abandonado novamente não é Bill? Todo só vai piorar, até o seu senhor te abandonou, todos a sua volta tendem a te abandonar, uahuahuahauha A voz critava em sua mente, ele tentava não ouví-la abafandoa com os acordes de sua guitarra mais isso era em vão, ele só conseguia ouvir os gritos de sua mente...
Shirou
Shirou

Data de inscrição : 06/03/2010
Idade : 19

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Lagarto em Ter Abr 13, 2010 2:18 am

Frederico Evandro

- Calma meu amigo eu entrei aqui e você estava dormindo resolvi me sentar do seu lado, mas você caiu de repente e já acordou brigando com alguém e dizendo que bebeu sangue, deve ter é batido a Cabeça e a boca no chão na hora que caiu,você esta bem estranho hoje. Estava até pensando em te chamar para sair mas pelo que me parece não vai dar certo, não é?

O Pobre Coitado Parecia uma Mistura de Euforia e Confusão. –> Euu ... Passava a Mão Nos Cabelos Com um Sorriso Amargo. –> Isso ... Pode ser Possível. Sua Insegurança era Visível, Claramente era mais Fácil Acreditar que Estava Alucinando a Digerir Aquela Realidade. –> Foi Outra Alucinação. Marco Parecia Tentar se Convencer. –> Só Outra Estranha, Muito Estranha Alucinação. Por um Estante o Rapaz Lhe parecera Imerso em seus Próprios Problemas. Possivelmente Temendo por sua Sanidade e a Progressão do que Achava ser sua “Realidade” Particular.

O Rapaz Já Atordoado era Facilmente Moldável e em Meio a Confusão em que se Encontrava Mal Parecia Dar-se Conta Disso. –> Ham Sair? Ele Parecia Mal Ter Ouvido, Perdido em seu Próprio Mundo Particular. –> Aonde?

A Face do Rapaz se Alivia um Pouco. –> Acho que me Faria Bem Sair um Pouco. Ele Sorri Sutilmente, um Definir dos Lábios. -> Você Deve Ter Reparado Queu Não To Muito Bem. Ele Balança a Cabeça Como Quem Tenta Esquecer Logo Mudando de Assunto embora Ainda Pareça um Pouco Abalado. -> Mais Como Você Vai me Tirar Daqui? Eu só um Interno Não Tenho Permissão pra Sair.

E Era Verdade, Embora o Caso de Frederico Fosse um Pouco “Especial”, Marco era um Paciente “Comum” e Como Tal Estava Obrigado a Seguir as Regras. Os Pacientes Não Podiam Simplesmente Deixar o Local Quando Bem Quisessem, O Hospital Psiquiátrico Trabalhava de Forma Seria e um Tanto quanto Adversa aos Planos do Malkavian.

Não que Fosse Impossível Mais Se Quisesse Levar o Outro com Ele Precisaria de uma Permissão ... Alguém que Facilitasse um Pouco, ou Mesmo Acatasse sua Vontade. Claro uma Escapulida Rápida Também é uma Possibilidade. Bastava ao Malkavian Escolher o Meio que Usaria ou Mesmo Deixar o Outro Ali.

OFF – Rolagens de Dados: Teste de Tagarelice, Manipulação (04) + Lábia (02), Dif (-1) por Argumentação.

Thanceforth Khan


OFF[b/] – Curiosidade

Acho que Você Esqueceu Mais Uma Criança Diferente de um Adulto Médio Ao Invés de 10 Possui 06 Pontos de Sangue em Seu Metabolismo.

[b]
ON


O Seguidor de Set se Afastava Após Alimentar-se da Pequena que Tão Prontamente se “Oferecera”.

"Tanto dinheiro gasto, tanto trabalho empregado para no fim das contas tudo ser destruído por pessoas alheias,comprometido por... vândalos?Prédios são como pessoas,sim, devem ser".

Passara Pelo Pequeno Grande Homem sem dar Qualquer Importância ao Verme.

Preso entre a Vida e a Morte, mais sem Queixar-se Disso, O Necronomista Andava Enquanto Observava suas Cobaias em seu Ambiente Natural. A Forma Com a Qual se Prendiam a Dor e Sofrimento, Escravas de Outros Iguais Enquanto Sufocadas Pelo Sistema Político e Monetário ... Realmente as Almas ... Aquelas Criaturinhas Patéticas Só Adquiriam Alguma Liberdade a Morte. A Transição, o Processo Pelo Qual a Alma Adquiria seu Estado Livre era Tudo de Alguma Significância nos Pequenos Vermes.

Contudo Mesmo o Mais Medíocre dos Indivíduos Possua Algo de Único. A Alma e seus Inúmeros Desdobramentos Mostrava Fases Tão Pessoais e Individuais que um Piscar de Olhos Inoportuno Poderiam Priva-lo da Descoberta.

Depois de Mais Algum Tempo de Caminhada Enfim Chegara as Portas do Elisio, Encontrando a sua Frente os Seguranças Habituais.

Bill


O Malkavian de Passado Turbulento, Abandona o Refugio Acompanhado por sua Fiel Companheira. Ainda que Esta Não Fosse Necessariamente Humana, Algumas Coisas Não Soavam-lhe Tão Relevantes Nessa Relação. Ela Admito era mais Fidedigna que Todas que Já Tivera Desde o Útero Materno e Sinceramente o Agora Cainita Perdia aos Poucos a Vontade de Ariscar. Novas Companhias Pareciam Resultar Obrigatoriamente em Novas Frustrações, Pendências Amargas Como seu Ódio Latente Pela Antiga Banda Tão Estourada na Cidade ... e Por Deus Aparentemente em Toda Parte.

Bill Pode Sentir a Besta Mexer-se Incomodada em seu Interior. Ao Simples Lembrar Daqueles Bastardos, Mais Percebendo o Rumo de seus Pensamentos Rapidamente se Controla.

Sua Mente Parecia Devagar Mais e Mais e sua Inquietação Intensificava as Vozes em sua Cabeça. [OFF – Defina + Alguns Pensamentos, Trazidos a Você por sua Perturbação. Mostre o Quanto Estas o Influenciam e as Duvidas que Implantam em Você]. Elas Roubavam-lhe a Pouca Paz que Por Encanto ainda Tinha, Trazendo Ainda Mais Insegurança ao Lunático em uma Noite que era No Mínimo ... Crucial.

... Em Meio a Pensamentos no Curto Tempo que Ainda Sim Parecia-lhe uma Eternidade o Malkavian Chega a Entrada da “Festa” uma Estrutura Imponente como Esperado.

((Telefone Tocando)) -> Trimm!! Trimm!!

Ao Olhar seu Celular Perceberia ser o Numero de sua “Aliada”. Se é que Ainda Podia Chama-la Assim.

((Sabrina Pelo Telefone)) -> Bill Você Pode Vir me Buscar aqui Na Porta do Hospital Central? Desculpa Mesmo, Eu Avisei que Tinha que Sair mais Sedo mais Estávamos com Pouco Pessoal e as Coisas Saíram um Pouco do Meu Controle.

(Caso Pergunte Porque Não Respondera) -> Desculpe, Meu Celular Estava no Vibra cal na Bolsa em meu Armário. É Contra as Normas Utilizar o Celular Durante o Plantão então Pra me Ajudar a Manter Algum Controle Evito Ficar com Ele Sabe. Assim Não me Sinto Tentada. (Ela Aparentava Bom Humor ainda que um Pouco de Cansaço).

((Sabrina Pelo Telefone)) -> Você Vem? (Se Afirmativamente) -> A Ótimo Vou Retocar a Maquiagem e te Encontro No Acesso Central do Hospital. Ate Daqui a Pouco.

OFF – Informações Pertinentes

Força de Vontade: 06/08

Obs. Shirou Você Pode Vir a Precisar Destes Pontos que Esta Usando em Momentos Iniciais da Crônica. Dica de Amigo Manera nos Gastos de FdV. Smile

Bill - Thanceforth Khan - Faculdade de Arte e Musica de Valentine


A Entrada da Faculdade de Arte e Musica Pouco Deixaria a Desejar Ainda que ao Mais Criterioso dos Críticos. Sua Fachada Distintamente Singular, Acalentada Pelo Jogo de Luzes Destacava a Inquestionável Beleza Arquitetônica do Local, que Pendia Equilibradamente Entre O Antigo e o Moderno como se Tivesse Arrancado de Cada Tempo o seu Melhor.

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Fachada_faculdade

A Faculdade Tinha um Fluxo Médio Mais Considerável de Pessoas. Aparentemente em sua Maioria Alunos em Ignorância quanto a Festa Desfrutando de suas Atividades Acadêmicas.

Ao se Apresentarem a Entrada Principal, Aparentemente Ate Então Única Entrada do Local São Rapidamente Indagados por uma Atendente de Olhar Sagas e Aparência Aplicada.

(Recepcionista) -> Senhor XX [Seu Nome], Por Favor Acompanhe o Distinto Cavalheiro a Sua Esquerda a Aposentos mais Reservados.

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Recepcionista

Olhando Por Sobre seu Ombro Esquerdo um Homem em Trajes Finos mais Aparentemente Designado a Funções Servis, pedia que o Acompanhasse.

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) 1203-for-web

(Homem) -> Se Puderem me Acompanhar. Fazia uma Mesura Sutil e Pouco Chamativa Mostrando uma Porta a Direita.

Enquanto Percorriam o Local Agora Interno mas Igualmente Bem Arquitetado, o Curto Passeio ia Tornava-se Ainda mais Apreciável. A Decoração, sua Riqueza de Detalhes Tudo Parecia Conspirar Para Tornar o Local Ainda Mais Único. Realmente um Local Tocado pelo Clã da Rosa.

Chegam em Fim a uma Porta Vermelha de Porte Médio, que Lhes Dava Passagem a uma Pequena Sala, mais de Igual Requinte e Beleza. -> Creio que Já Esteja Familiarizado com as Regras do Elisio. Mais Devo Ressaltar que Deixe a Meu Encargo Qualquer Objeto Não Permitido que Por Ventura Tenha Trago Consigo. [Ele Observava o Membro sem Contudo Fitar seus Olhos. Parecia se Referir a Armas de uma Maneira Geral].

-> Também é Meu Dever Lembra-lhe que sua Acompanhante é Fundamental e de Vossa Responsabilidade. [OFF: Se Não Estiverem Acompanhados Não Poderão Passar Daqui].
Lagarto
Lagarto

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Deep em Ter Abr 13, 2010 2:27 pm

Parecia confuso após dizer isso a ele passava mão na cabeça, bem desorientado.
->Euu...- disse ele com um sorriso bem chochinho nos lábios
-> Isso pode ser possível.
-> Mais que possível marco, eu vi acontecendo
Seu rosto mostrava certa insegurança, mas parecia que o que eu tinha dito a ele tinha funcionado, também era bem mais fácil de acreditar em uma alucinação do que na verdade, afinal o meu pulso provava que eu não tinha feito corte algum.
-> Foi outra alucinação –Uma pausa pra respirar – Só outra estranha,muito estranha alucinação.
Marco viajara para dentro de si e eu contemplei a sua viagem de poucos segundos porem intensa pude ver nos seus olhos ele caminhando para sua realidade “particular” e temer tudo o que tinha visto, senti um certo frio na espinha em pensar na época que tive que me internar por causa de minhas visões distorcidas do mundo, meu coração já morto a algum tempo sentiu alguma alteração que se ainda tivesse vivo chamaria de dor.Ele continuava atordoado dentro de sua viagem quando me olha concerta esperança.
-> Ham Sair? –Não tinha conseguido ouvir direito por causa de sua viagem interna, mas continuou a me responder –A onde?
-> Um Baile que fui convidado,Vai ser na Faculdade de Musica e Arte.
-> Acho que me faria bem sair um pouco – parecia mais aliviado até deu um sorriso que alegrou um pouco meu coração.
-> Você deve ter reparado queu não to muito bem.
-> O que isso um sustinho ou outro todos nos estamos sujeitos. – falo dando um sorriso cordial.
Ele balançou a cabeça e foi mudando o assunto.
-> Mais como você vai me tirar daqui? Eu sou um interno Não tenho permissão pra sair.
-> Fica tranqüilo Tome um banho e vista uma roupa nós vamos conversar com uma amiguinha minha pra resolver isso. – respondi pensando bem rápido, havia me esquecido completamente que nem todos podiam passear do lado de fora como eu, mas eu tinha alguém que poderia ajudar.
Em quanto ele toma banho saio de vagar do quarto e vou até o meu pego uma camisa pólo branca que talvez sirva nele, bem calça jeans sei que ele tem tênis ou sapato não é possível que não tenha então ele já tem roupas pra sair comigo espero que não encham o meu saco na portaria da Faculdade por causa de roupas.

(kkkkkkkkkkk.... Cuidando do bonequinho de estimação Frederico.)(OFF:Esquizofrênia)
Olhei para traz era Tereza rindo de mim, mas como podia ser, ela tinha voltado?
(Minha criança parece que esta se virando bem sem mim por estas terras.)
-Minha amada porque não me avisou que voltaria, por que não me deu mais noticias de você sinto muita falta de sua companhia.
(Me desculpe não tive e não tenho tanto tempo assim para te avisar, tenho que ir...HAHAHA)
Ela caminhou até a porta e se foi me levantei e corri até o corredor, mas ela não estava mais lá,que ria tanto ter a convidado para o baile mas ela tinha mais coisas a fazer sempre foi muito atarefada.Voltei meio frustrado para o quarto passei a mão na camisa que tinha separado e voltei para o quarto de Marco, já estava ficando tarde tinha que adiantar ele.
-Marco vamos com esse banho nos temos que falar com a doutora Klician ainda pra ver se você sai.


Última edição por Deep em Qua Abr 14, 2010 2:12 pm, editado 1 vez(es)
Deep
Deep

Data de inscrição : 23/03/2010
Idade : 29
Localização : Uberaba

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Titus Kollen em Qua Abr 14, 2010 10:18 am

Titus procurava pelo quarto certo enquanto andava pelos corredores do Hospital Psiquiátrico. Aquele cheiro e o clima sombrio, com alguns gritos, e tudo mais, faziam ele se sentir em um parque de diversões. Sua não-vida dependia daquele local e todos os seus esforços eram no sentido de fazer o lugar crescer e, principalmente, descobrir o funcionamento da mente humana, seus defeitos e tudo o que ele pudesse captar.

Ao chegar no quarto certo ele se deteve um momento. Ele não era um sujeito muito sociável, porém, ele sentia certo conforto em conversar com alguém com o estado mental próximo ao dele. Além disso, no baile, poderia conversar com ventrues e toreadores e tentar conseguir mais dinheiro para o seu negócio. Apesar da crise, eram nesses eventos que os cainitas estavam mais dispostos a serem generosos.

Ele entrou no quarto. Realmente, aquilo não era um ambiente muito receptivo, a começar pelas paredes acolchoadas da cor branca. Ele mesmo já tinha pedido para pintarem de preto ou uma cor escura, mais o psiquiatra chefe disse que a cor branca era importante naquele quarto. Ele não entendeu muito bem.... e não gostava de ter idéias descartadas. --Mata ele... mata ele... mata ele.... - a voz vinha e voltava na cabeça de Titus, parecia a voz de sua tia francesa.. aquela que ficou dormindo com Titus mesmo algum tempo depois de morta.

Ele sentiu certo extase com a voz lhe falando ao ouvido. Porém, conseguiu manter o foco no local e sobre a linda moça que estava no canto do quarto branco. Realmente ela era de uma beleza intensa, um olhar transparente e raivoso.

--Boa noite, Senhorita Manoela. Eu sei que conviveu durante sua vida com a desconfiança e medo das outras pessoas. Diziam para a senhorita que era louca, uma aberração, trancavam-na em um manicomio como este.... seus familares iam embora e não voltavam mais. Realmente, é um sofrimento muito grande, para uma garota jovem como a Senhorita. Pois eu, estou aqui para lhe dar algum conforto. Primeiramente, eu acredito em tudo que a senhora vê ou ouve... eles realmente estão lá. Segundo, a partir desse momento, eu irei protegê-la de tudo que a senhorita tenha medo. Eu sei que sua família a colocou aqui e não a visita faz tempo. Pois bem, a partir de agora, eu serei como de sua família. - ele dizia tudo aquilo agachado e olhando nos olhos da garota. Ela era calada e então Titus continuou a falar.

--E, para comemorar isso.. eu a Senhorita temos um lindo Baile para ir.. o que me diz senhorita? Chega de sofrimento... vamos nos divertir... - Titus dizia isso e ia se levantando, estendendo a mão para a jovem na sua frente.

Titus conhecia o sofrimento daqueles que eram imcopreendidos pela sociedade, e a imagem na garota na sua frente demonstrava uma criança que pouco foi amada, apesar da fachada ser de uma jovem agressiva.
Titus Kollen
Titus Kollen

Data de inscrição : 18/03/2010
Idade : 34

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Lagarto em Qua Abr 14, 2010 12:56 pm

David Winchester


Ao A Noitecer a Compulsão Sobrenatural que Tomava um Pouco de Cada Vitima do Morto, Faz se Sentir E o Corpo de Alguma Forma Revive Ainda que Continue Morto. O Winchester Em uma Pesa Contra a Natureza ou Mesmo Afronta a Deus Continuava Ali.
Sendo Novamente o Parasita que Sempre Fora Ainda que Agora Mais Real e Menos Figurativo.

Como Lhe Informara na Noite Anterior, Seu Tio Arthur Winchester Passaria para Pega-lo as Onze Horas. Esta Noite Acompanhado por seu Tio Deveria Recitar as Tradições da Mascara e se Apresentar Formalmente a Príncipe Juntamente com Outros Dois Cainitas que Fariam o Mesmo na Ocasião do “Baile/Festa” ou Como quer que Prefira Chamar a Reunião de Víboras que seria aquela Confraternização Forçada.

De Qualquer Forma Acabara de Despertar Tinha Algumas Horas Antes que seu Tio Chegasse Para Acompanha-lo, o que era Tempo Mais que Suficiente Para Remoer Cada Minima Possibilidade de Falhar. Estragar sua Apresentação, Envergonhar seu Tio e é Claro se Expor ao Ridículo. Alguns Boatos Repassados por Arthur Remontavam que Mesmo a Príncipe estaria Apresentando Alguem Esta Noite. Um dos Outros Dois Crias Deveria ser Da Propriá Príncipe o que no Cenário Atual e Já Tão Conturbado Pela Quebra Economia Se Refletia Também Nos Cainitas. Este Encontro de Membros Possivelmente Não Seria Ignorado por Nenhum Cainita na Cidade o que Aumentava Ainda Mais a Tensão do Momento.

OFFReferencial

Desculpem a Demora, Felizmente o Problema de Abastecimento de Energia em Minha Região Foi Solucionado e Voltarei a Postagem Regular. (Não Serão Novamente Prejudicados).

Para Compreender Melhor o Cenário da Crônica Sugiro que Leia Minhas Primeiras Postagens Tomando Assim Ciência do Contesto Mortal e Não Mortal da Cidade no Momento. Estarei Aprofundando sua Narrativa Tão Logo Melhor Compreenda seu Personagem.

Peço Também que Use o Rolador de Dados do Fórum Lançando Aqui 1D10 Para Determinarmos sua Reserva de Sangue ao Acordar. Conforme já Expliquei em Um OFF Anterior.

A. Giovanni - Alex Wishil


Era Fácil Perceber que a G.W.Corporate Passava por uma Boa Faze, a G.w.Seg Estava Tendo Ainda Mais Solicitações e a Crescente de Violência Faziam da Segurança Privada uma Preocupação Prioritária Aqueles que Tinham Posses ou Mesmo uma Família a Resguardar. Verdade seja Dita a Miséria e Dor Alheia Estava Fazendo Bem aos Negócios e Quanto Maior o Índice de Violência Maior era o Trabalho do Setor de Segurança.

Alex Acordara ao Amanhecer e Sabia de Ante Mão que Teria um Longo Dia. Enquanto as Atividades Legais da G.W.Corporate Andavam em Alta. Suas Atividades Menos Comentáveis Não Conseguiam Obter Sucesso Significativo. Já Estavam a Algum Tempo a Procura de um Novo Espécime para Experimento mais Ainda Não Haviam Localizado ou Mesmo Identificado Um Outro “Vampiro”. Como Líder de Equipe e Membro do Setor de Inteligencia era Responsabilidade Dele Dar Algumas Boas Idéias. Teriam uma Reunião as 19 Horas e o Agora Senhor Wishil Ainda Não Houvera Tido Nenhuma Idéia Significativa nem Planejado o que Falaria ou Levantaria na Reunião.

Verdade seja Dita Sabia Exatamente que “Vampiro” Queria Como Espécime. Não Havia Feito Ainda Nada Quanto ao Assassinato de seu Pai e Pablo Giovanni Não Parecia Assim Tão Inalcançável Ainda Que um Oceano os Separa-se.

OFFReferencial

Desculpem a Demora, Felizmente o Problema de Abastecimento de Energia em Minha Região Foi Solucionado e Voltarei a Postagem Regular. (Não Serão Novamente Prejudicados).

Para Compreender Melhor o Cenário da Crônica Sugiro que Leia Minhas Primeiras Postagens Tomando Assim Ciência do Contesto Mortal da Cidade no Momento. Se Possível Gostaria que se Utilizasse de Alguns Encargos de sua Função como Membro da G.W.Corporate para que Depois de Vê-los Possa me Habituar Melhor a Rotina da Instituição Procedendo sem Quebrar a Imagem que já Tenha Criado Dela.

Estarei Aprofundando Sua Narrativa Tão Logo Melhor Compreenda Seu Personagem.
Lagarto
Lagarto

Data de inscrição : 08/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Jeremiass em Qua Abr 14, 2010 3:02 pm

David rapidamente queima a carta, entra em seu carro e dirige até o centro da cidade em busca de uma loja de aluguel de ternos...

Aluga um Armani para o baile
Ilusões Partidas (Crônica Oficial) 600--rage_hsn2

Retorna para seu apartamento para se aprontar, como não tem quem levar ao baile, Aguarda até meia noite, e então dirige em direção ao elísio principal.

"Quem serão esses novos membros que a Principe deseja apresentar num evento ?"
Jeremiass
Jeremiass

Data de inscrição : 08/04/2010
Idade : 32
Localização : Manhattan

http://trono-negro.vampire-legend.com/forum.htm

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por tork highill em Qui Abr 15, 2010 1:42 pm

Thanceforth gostava do que via. Estar naquele lugar lhe agradava pelo simples fato de variar com o que lhe era cotidiano. Encarou como de praxe os pormenores da recepção e logo que adentrou mais profundamente o recinto, deu-se conta de ter ignorado a presença obrigatória de um convidado...
Porém isso não o faria perder a noite.Tirava do bolso seu aparelho celular e discava o número de Manuella (Lacaios 1). Seria uma boa companhia, ela era quase uma máquina, sentimentos frígidos e ações calculadas. Uma mente treinada e alienada após sessões massivas de desagrado e decepção em sua existência mortal. Thanceforth afeiçou-se a ela quando a encontrou imersa num vazio profundo,sem vida. Aos poucos recuperou parte de sua essência, embora o Setita a tenha feito parecer menos humana em suas idéias.Funcional. A palavra que resumia perfeitamente a pobre mortal. Morava não muito onge de Thanceforth e atuava como secretária de um magnata do tráfico, que por sua vez, tinha ligação um Setita de maior influência, que por sua vez, estava também submisso à Seckmet,mentor do Setita.

- Preciso de você o mais rápido possível - Era breve.Sempre fôra assim,ordens precisas,reações eficazes.Desligava o telefone e aguardava.
tork highill
tork highill

Data de inscrição : 08/03/2010
Idade : 30
Localização : Ceará

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Izaack Darkshade em Qui Abr 15, 2010 4:55 pm

*Apesar de não parece Izaack estava aliviado pelo homem não ter dado importância a ele. Realmente, com uma mulher daquela dando um serviço como aquele, o homem tinha mais com o que "se preocupar". Mas nunca se sabe sobre esses valentões, para parecem os machões em frente as mulheres, são sempre capazes de caçar brigas em qualquer lugar com qualquer pessoa. Mas não foi esse o caso. Ainda que a mulher fosse chamativa Izaack hesitou em querer olhar uma última vez para trás, até porque o medo meio que demandava isso. Mas manteve seu auto-controle e seguiu em frente, sem olhar para trás*

*Mas para frente não era bem onde ele queria ir, era para trás, que era por onde ele seguia, saindo daquele lugar onde o cheiro de problema crescia a cada segundo que ele passava lá. Ainda que não existisse problema maior que sua irmã seria uma vergonha e tanto não conseguir nem sobreviver a uma "escapadinha", ainda que ele fosse um garoto recluso que não conhecia muito a cidade mas ainda sim ele não era burro, tinha de conseguir pelo menos chegar a um hotel, precisava colocar seus pensamentos em ordem e toda aquela situação não estava ajudando a colocar nada em ordem, muito pelo contrário.*

*A desordem era tanta que seus pensamentos ainda estavam frescos no que havia acontecido antes. Apesar do medo do momento, enquanto caminhava, logo lhe veio a reminiscência de sua irmã em uma situação, hm, digamos, não muito normal entre irmãos. Não que ele tenha algum tipo excitação pela própria irmã ou qualquer fetiche do tipo, ou pelo menos ele acha que não tem....bom, em todo caso o caso é que o mesmo não se diz sobre Juliette. Não que sua queria irmãzinha já tenha seduzido o próprio irmão, não, ela nunca faria algo assim, não pelo menos de maneira tão direta.....bom em todos caso o caso é que apesar de ela nunca ter realmente feito nada com o Izaack com uma conotação amorosa mais, hm, "avançada", ele ainda não podia se ajudar a não pensar nela naquele momento; dizendo de uma maneira indireta, foi algo que ele sentiu, ele simplesmente sentiu que sua irmã fosse capaz de fazer algo daquela maneira mesmo que ela nunca tenha demonstrado nada àquela altura. Até porque se ela é rígida, se ela descobrisse que Izaack sequer pensou, por um segundo sequer, em algo assim com sua própria irmã, ela com certeza o castigaria. E Izaack não sabe explicar o porquê, mas ele tem a pequena impressão que seu castigo seria algo como algemá-lo na cama enquanto ela o "tortura" por horas com um chicote na mão. Talvez para um fetichista masoquista fosse legal, mas para Izaack, era assustador só de pensar.*

"Ai ai...ainda bem que ela não lê pensamentos...x.x"....*Seus pensamentos podem parecer ter uma conotação sexual, mas acredite, não têm. Seus pensamentos têm base na maneira rígida como Juliette é. Ele logicamente sabe distinguir entre algo obsceno e não obsceno, porém, o pensamento foi involuntário. Agora, o porquê seus pensamentos captou bem aquele momento e aquele determinado canário. Isso, bom, nem ele sabe descrever, talvez seja porque no fundo, sem perceber, ou não querendo perceber, ele realmente tenha ideia do quão distorcida sua queria irmã pode ser.*

*Mesmo não tendo controle sobre as circunstâncias e o cenário de seus pensamentos, ainda sim estava envergonhado em ter colocado, mesmo que involuntariamente, Juliette numa situação tão obscena com seu próprio irmão. Aquilo não conseguia sair de sua mente, como se fosse um pecado que o seguiria para o resto de sua vida, ainda que a situação demandasse mais atenção em atingir seus objetivos, tinha dificuldade em realmente se concentrar depois do que aconteceu. Quando já estava quase se perdendo em seus pensamentos, seguindo, só prestando atenção se algo de útil captaria sua atenção, não demorou muito para avistar algo que iria alegrar o garoto, não muito pela esperança de se conseguir algo através de um telefone mas sim por ter dado algo para se importar e prosseguir com seus objetivos.*

*Como dito anteriormente, não que aquilo ajudaria muito. Quando avistou a cabine telefônica a primeira coisa que pensou foi que não estava funcionando, e mesmo sendo pessimista assim não o deixava desanimado, mesmo podendo ser a salvação dele. Ainda que fosse só um pensamento baseado no estado físico da cabine que era deplorável ainda sim mantinha aquela pequenininha esperança de estar funcinando; nada que um "Eu sabia..." não resolvesse quando chegou mais perto avistando o telefone destruído. "Alguém pode precisar em uma emergência...não deveriam destruir as coisas assim...". Izaack tinha a mania de ficar com pena de coisas destruídas a ponto de sentir dor em seu próprio peito. Todo aquele cenário era desoladore não o agradava nem um pouco.*

*Estando funcionando ou não, a pergunta seria: Pra quem ligar? Ele não tem ninguém, nem mesmo com sua família poderia contar, além do que, ele só quer um lugar para descansar e saber o que faz sobre sua irmã, não era nenhum fugitivo nem algo assim, ou pelo menos não até Juliette perceber que ele não estava em casa. Mas não podia desistir, talvez ali estivessem listados alguns números que poderiam ser de ajuda, tipo números de hotéis ou de táxis. Percebeu que haviam muitos números listados e logo foi dar uma olhada, ele podia guardar de cabeça e tentar ligar de um próximo telefone por exemplo. Não estava tendo resultado nenhum, não achava nenhum número que ajudasse, pelo contrário, a cada número lido era um "WTF!?" soando em sua mente. Dentre todos aqueles...números, achou um que, bom, de ajuda não era, mas era bem chamativo.*

*A última coisa que Izaack, e creio eu que qualquer pessoa pensaria, era que um número da autoria de "Boca de Veludo" fosse ser um serviço de transporte, ainda mais um táxi. Izaack não ligaria para aquilo de jeito nenhum, mesmo que fosse um táxi e nem que o táxi "Boca de Veludo" quisesse dar uma corrida de graça pra ele. No máximo, ele pensou, poderia ser o telefone da mesma moça que ele avistou lá atrás, afinal, a boca dela era realmente bonita. É, ele perdeu o ponto do "Boca de Veludo", mas era o que o coitado tinha capacidade de pensar, não era nada vivido, tem de dar um desconto pra ele.*

*Pensar naquela moça estava o levando para o mundo da fantasia de novo, e aquele mesmo mundo que ele havia visitado momentos atrás. Não era hora de pensar naquilo, mas um garoto ingênuo e virgem, vai fazer o quê? Fica impressionado com essas coisas facilmente. Estava a pensar se aquele era realmente o telefone dela, não que ele fosse ligar ou qualquer coisa assim. Mas enquanto estava lá perdido não só nos pensamentos mas também em seu caminho, um som passa quase ensurdecendo o garoto.* "X_X'...E-ei....pelo menos me ensurdeça com uma música melhor...". [Não sei qual a fonte do som, se foi o carro, os arruaceiros ou alguma música, mas como coloquei, considerei ser por uma música bem alta, já que é algo que acontece mais frequentemente. Qualquer coisa é só dizer].*A reação foi rápida e precisa, quando o som invadiu seus ouvidos logo ele olhou para trás, apesar do carro ter sido rápido a ponto de desaparecer da visão dele em 1 segundo. Mas o que mais lhe chamou a atenção foi a visão que estava tendo agora, não havia percebido até ter tentado acompanhar o carro com os olhos, mas ali ao lado havia uma lojinha de conveniência aberta. Ainda que estivesse um pouco tarde mas ainda sim estava aberta para o deleite de Izaack.*

*Apesar de não entender como aquilo iria ajudá-lo diretamente, não havia tempo para pensar, já se via andando em direção a loja e adentrando ao local; afinal até medo da loja ser fechada ele tinha. Só de estar dentro da loja já causava uma sensação de alívio em Izaack, era muito melhor estar ali do que na rua. A loja era bem simples mas até que tinha várias coisinhas que ele podia comprar, pra repor as energias. O que ele via lhe agradava, lá estava o balconista que tinha uma cara um pouco fechada mas parecia ser uma boa pessoa, geralmente sua Empatia dizia a intenção e a maneira real de ser da pessoa, mesmo com pouca observação de Izaack, ele sempre foi atencioso ao que as pessoas são por dentro e isso lhe dá um ótimo poder de distinção, servindo até para fazê-lo recuar de perigos, como por exemplo de pessoas com más intenções.*

*Se a tradição mandasse, então o que valeria aqui, prioritariamente, seria a informação. O balconista já era de mais idade e pessoas de mais idade são mais vividas o que traz uma grande experiência e conhecimentos. Izaack tinha esperanças de que ele fosse o ajudar sabendo onde ficam hotéis e táxis. Para não parece muito intrusivo Izaack primeiramente pediu licença para pegar uma bebida, um Gatorade. Não estava com fome, e nem com tanta sede, mas sua boca estava seca e ele só sentiu quando olhou as bebidas. Também, comprando alguma coisa, o homem com certeza estaria mais disposto a ajudá-lo, assim Izaack pensava. Ao se dirigir ao caixa, tirou um pouco de dinheiro do bolso, dinheiro esse avulso do que ele tinha pegado na na mansão. Algo em torno de 12 dólares por exemplo, era o dinheirinho que ele sempre andava para poder comprar coisas assim. Ao colocar o dinheiro e o Gatorade em cima do balcão, olhou para o homem e foi direto ao ponto, mas com cautela.*

Oi...^^...o senhor sabe me dizer onde tem um hotel ou táxi por aqui perto?....*Não queria falar de início que estava perdido, mas com uma pergunta dessas, dava para se imaginar que ele estivesse, mas mesmo assim Izaack prosseguia com um pouco de cautela*...É que sou novo na cidade...acabei vindo aqui sem querer...*Izaack não estava mentindo, ele era realmente novo na cidade e também caiu naquele bairro de pára-quedas. Mas algo o deixava meio incomodado, se o homem fosse recomendar um hotel, com certeza seria um no bairro onde ele está e aí estaria o problema, Izaack tinha medo daquele bairro e um hotel por lá, sem pré julgamentos, mas poderia ser tão perigoso quanto a rua lá fora. Ele não se destoava muito no bairro por não ser um boyzinho mas ainda sim qualquer um que o visse veria que ele provavelmente não era dali. Mas como falar para o homem de que ele queria um hotel fora daquele bairro, em um bairro mais agradável? Ele não iria falar, simples, teria de descobrir por si mesmo. Ainda sim, era um pensamento projetista dele, talvez tivesse um hotel por lá que realmente fosse seguro, que era a principal preocupação do garoto. O mesmo poderia se dizer de um táxi naquele local, mas ainda sim, geralmente com táxi não seria tanto problema, por serem pessoas de bem tentando ganhar a vida de um modo tão difícil, além do que se ele desconfiasse de tudo e todos, não chegaria a lugar algum. Mas era algo a se pensar, mesmo achando um táxi ou um hotel naquele bairro, seria seguro a ponto de se confiar? Essas perguntavam rondavam a cabeça do garoto enquanto esperava pela resposta do balconista.*
Izaack Darkshade
Izaack Darkshade

Data de inscrição : 21/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por A. Giovanni em Sab Abr 17, 2010 4:24 pm

[OFF] Desculpa a demora em postar. Esta semana foi incomumente infernal, mas pelo visto já terminou.
Estarei utilizando o contesto do cenário durante o jogo e, provavelmente, durante a reunião deles.
Evitei interpretar ou responder com os NPCs para que vc tenha maior liberdade com eles, mas se achar que isso pode ajudar, o farei no próximo posts para facilitar a interpretação de cada um deles.
Bora pro jogo =P
[/OFF]


[ON]

Depois da morte de George Giovanni, sua esposa Diana decidiu morar com seus pais e deixou o estabelecimento em que vivia com seu marido nas proximidades da G.W. Coporate. Desde então, Alex resolveu morar naquele local aproveitando o tempo livre para continuar seu trabalho sem ter que se preocupar com tempo ou distancia.

Naquela manhã ele sentia como se tivesse dormido durante dias. O corpo ainda pesava ao se levantar, mas não poderia tomar muito de seu tempo naquele pequeno ritual. Enquanto tomava banho repassava em sua mente os acontecimentos dos ultimos meses. Tudo parecia tão claro e sem sentido ao mesmo tempo. Os olhos passavam pelo relógio cronometrando os cinco minutos que se estipulara a perder naquele banho e tão logo já estaria pronto para sair. Terminava de ajeitar a gravata ainda caminhando em direção a porta. Havia uma entrada em sua casa que o levava direto para a organização, mas dessa vez tinha que ir para a G.W. falar com o diretor.

A caminhada até a sala de seu tio não era longa. Cinco minutos caminhando e já se via em frente a guarita de entrada dos carros. Era o caminho mais curto caminhando até o prédio da administração. Os guardas o reconheciam e rapidamente o deixava passar. Alex era cordial com todos que cruzava, cumprimentando-os apropriadamente na manhã. O terreno que a G.W. Coporate ocupava era enorme. Lá estavam localizados o C.T de armas onde Sniper e Joe treinavam os seguranças e agente; O laboratório de pesquisas quimicas onde Mila coordenava todas as pesquisas envolvendo armas não letais; O centro de desenvolvimento técnológico, onde Eduardo comandava uma equipe na construção e criação de armas e aparelhos para as missões e trabalhos diários; e os prédios de administração, produção e armazém da G.W.

Seu destino naquela manhã era o setor administrativo, um prédio de quatro andares com janelas espelhadas. Logo na entrada, embora não fosse visivel, sabia estava sendo filmado e que sua chegada a empresa já estava sendo anunciada ao Sr. Wishil. Continuava seu percurso cumprimentando a recepcionista assim que passava pela porta de entrada indo direto ao elevador. Observava ao movimento no prédio naquele horário da manhã até que a porta do elevador se fechava. A sala de seu tio ficava no quarto andar, mesmo andar onde se localizava a sala de reuniões onde não tardariam a se encontrar todos os membros de seu setor. O som dos sapatos no piso ecoava por aquele ambiente e somente era interrompido com as batidas a porta antes de abri-la anunciando-se.

- Bom dia, sr. Wishil. Creio que Vivian já tenha anunciado minha vinda até aqui.

Os olhos, como de costume em qualquer situação, percorriam o escritório de seu tio e antes mesmo de ouvir alguma resposta, atirava o que ocupava seus pensamentos ultimamente.

- Sei que temos uma reunião em pouco tempo. Sei também que não conseguimos colher muito material ou informação para continuarmos as pesquisas e, pensando nisso, queria pedir-lhe um favor. Na verdade, três favores.

Fitava o senhor a sua frente para certificar que estava sendo ouvido com a devida atenção.

- Primeiramente, queria que o senhor autorizasse a instação de cameras direcionadas para a rua interligadas ao sistema de segurança interno da organização em todos os pontos onde os serviços da G.W. é solicitado. Já falei com o Eduardo e ele me garantiu facil aquisição de microcameras com sensores de calor.
O segundo favor... preciso de sua autorização para escalar mais três agente de dentro da organização para um trabalho ligado ao terceiro favor. Já o terceiro favor, conversamos sobre ele na reunião, pois este irá precisar de um consentimento de todos os membros.

Apesar de não demonstrar emoções enquanto falava com seu tio, Wishil poderia notar que ele estava sério e parecia bem decidido em alcançar o objetivo que tinha em mente.
A. Giovanni
A. Giovanni

Data de inscrição : 10/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ilusões Partidas (Crônica Oficial) Empty Re: Ilusões Partidas (Crônica Oficial)

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum